segunda-feira, 12 de agosto de 2019

Comercio de sagradas iamgens




Imagem relacionada



 As imagens das pessoas santas, que Deus usou para realizar seus desígnios e separou para si (Os santos) não deviam ser comercializadas como se comercializam utensílios domésticos, objetos decorativos... Hoje prevalece com nunca um comerciem intenso de imagens sacras, expostas em prateleiras com se fossem objetos comuns.  Jamais um hebreu ousaria fazer replicas dos objetos sagrados do Templo de Jerusalém para vender. Embora o comércio se realizasse de outra forma, com a venda de animais para sacrifício, dada a fraqueza humana. O que levou Jesus a se indignar e a expulsar os vendilhões do templo.
As imagens deveriam ser encomendadas e sair direito da fábrica para o pedestal das igrejas  e capelas.  Algum tempo atrás nem se quer se dizia que comprovavam  imagens de um santo. Trocava-se, tal era o respeito pela pessoa representada naquela imagem.  Infelizmente a comercialização das imagens sacras virou um meio de vida. Banalizou-se de tal forma que a mesma imagem, que na prateleira é como um objeto comum, depois de vendida, vai para a procissão como uma imagem sagrada. Creio que algum  tempo  atrás não era tão comum assim esse comércio. Talvez só houvesse nos santuários e ainda havia a vantagem de ao sair da loja, após ser trocada, ser  levada para ser benta pelo padre, saindo de seu uso profano.
Queira Deus que voltemos a ter pelas imagens representativas dos santos o mesmo respeito que temos por sua pessoa.

domingo, 28 de julho de 2019

A mensagem de Joana d´Arc para nossas vidas

A vida de Joana d'Arc é um exemplo perfeito do porquê da fé. Joana foi criada católica e viveu uma vida de fé do começo ao fim - um período de 19 anos. O que ela realizou em sua curta vida e as lições de fé que ela deixou para trás podem surpreendê-lo.
Ela acreditava em sua missão
Quando Joana tinha 12 ou 13 anos, ela acreditava ter ouvido vozes celestiais. Essas vozes, ela alegou, insistiram para que ela vivesse sua fé e nunca se desviasse de um caminho justo. Ela acreditou no que eles disseram e seguiu o conselho deles. Ao crescer, ela alegou que suas vozes a estavam preparando para libertar a França dos ingleses, que na época estavam adquirindo e usurpando com sucesso qualquer coisa francesa.
Sua fé motivou os outros
Joana não era tímida em compartilhar sua fé. Ela contou a outras pessoas suas vozes e sua missão. Ela acreditava que Deus a chamara e que Ele a ajudaria a livrar seu país dos ingleses e coroar o jovem e hesitante príncipe francês Charles VII .
Os franceses precisavam de esperança. A fé de Joana inspirou muitos deles a acreditar em si mesmos e confiar que poderiam expulsar os ingleses da França. Ela acendeu o fogo da fé no coração de seus compatriotas. A notícia se espalhou, a esperança se acendeu, e em pouco tempo eles se reuniram para ela, reuniram-se sob seu estandarte e começaram a lutar e vencer batalhas e recuperar cidades francesas.
Ela encorajou os outros a viver sua fé
A maioria dos franceses que lutaram por Joana também era católica e compartilhava sua fé. Ela os encorajou a vivê-lo estritamente e forneceu-lhes maneiras de fazê-lo enquanto viajavam com ela da batalha para a batalha. Dizem que ela até expulsou as prostitutas dos acampamentos do exército francês para proteger e preservar a justiça e a fé de seus soldados.
Ela contou com sua fé para proteção
Joana acreditava que sua fé a protegeria. Embora tenha sido ferida duas vezes em batalha - uma vez, levando uma flecha no ombro e, mais tarde, um arco de besta na coxa - sua fé e intuição pareciam impedi-la de causar sérios danos até cumprir o que acreditava ser sua missão.
Sua fé a ajudou a fazer coisas difíceis
Joana superou obstáculos tremendos ao longo de sua vida, desde levantar o cerco de Orleans, vencer batalhas essenciais, coroar o príncipe Charles VII em Reims, até enfrentar seus acusadores ingleses sozinhos após sua captura em Compiègne.
Ela estava com medo de ser queimada na fogueira, o que acabou se tornando seu destino. Ela confiou fortemente em sua fé durante os últimos dias e horas de sua vida. Ela pediu uma cruz antes de amarrarem as mãos e os pés e acender a lenha embaixo dela. Um espectador compassivo rapidamente criou um a partir de varas e deu a ela. Outro encontrou uma cruz e, a pedido dela, ergueu-a para ela contemplar enquanto sucumbia às chamas. Está escrito que Joana gritou “Jesus” seis vezes antes de ela expirar desta vida. Ela se manteve firme em sua fé até o final.
Como Joana, podemos ter fé de que nossas vidas têm propósito. Como Joana, nossa fé pode inspirar os outros a se levantarem, terem esperança e viverem de acordo com sua fé, apesar das dificuldades esmagadoras e dos desafios paralisantes. Como Joana, nossa fé também tem o poder de nos proteger e nos ajudar a fazer coisas difíceis.

Traduzido da internet de um site inglês. 


quarta-feira, 29 de maio de 2019

O TRIUNFO DE SANTA JOANA D`ARC - 30 de Maio de 1431.




        "A missão de  Santa Joana é capital para a Igreja e para toda a França: ela deve restabelecer o rei, salvar a França e a Igreja e ser o arauto da Realeza Universal de Cristo. (p.36) Uma missão extremamente importante e absolutamente extraordinária, considerando que a pessoa escolhida como instrumento de Deus para realizar esta missão não era alguém da nobreza ou um guerreiro forte e experiente ou um estadista sábio, mas uma simples camponesa."
(APRESENTAÇÃO DO LIVRO Joana d`Arc por Marie de la Sagesse)



quinta-feira, 28 de fevereiro de 2019

Partilha que nasce da caridade e não do governo

 Jesus pediu aos seus seguidores que ajudassem os pobres e que até mesmo vendessem tudo e doassem a eles. Mas sempre este pedido foi dirigido a pessoas e em vista do reino dos céus; de um futuro eterno além desta vida, porque neste mundo sempre haverá pobres. Por meio do homem nunca haverá igualdade absoluta, principalmente se esta for buscada pela força como querem os comunistas. Que pretendem acabar com a pobreza tomando os bens dos outros e os entregando ao governo para que este  o reparta como quiser. Jesus fala aos indivíduos. Nunca em nenhum versículo do evangelho pediu que o governo romano ou os lideres de Israel tomasse os bens  alheios e os dessem aos pobres. A partilha deve proceder do coração dos ricos e da convicção de que as riquezas por si não levam ninguem para o céu. Parte da fé que este mundo é apenas uma passagem para um mundo onde verdadeiramente reinará a justiça e a paz.



E, levantando-se Zaqueu, disse ao Senhor: Senhor, eis que eu dou aos pobres metade dos meus bens; e, se nalguma coisa tenho defraudado alguém, o restituo quadruplicado.
E disse-lhe Jesus: Hoje veio a salvação a esta casa, pois também este é filho de Abraão.
Lucas 19:8,9




 "Vendei o que tendes, e dai esmolas. Fazei para vós bolsas que não se envelheçam; tesouro nos céus que nunca acabe, aonde não chega ladrão e a traça não rói" (Lucas 12,33).


"Dai antes em esmola o que possuís, e todas as coisas vos serão limpas. (São Lucas 11, 41)"
- Bíblia Católica Online

 Buscai, pois, em primeiro lugar, o Reino de Deus, e todas as demais coisas vos serão providenciadas. 32 Nada temais, pequeno rebanho, pois de bom grado o Pai vos concedeu o seu Reino. 33 Vendei os vossos bens e ajudai os que não têm recursos; fazei para vós outros bolsos que não se gastem com o passar do tempo, tesouro acumulado nos céus que jamais se acaba, onde ladrão algum se aproxima, e nenhuma traça o poderá corroer.
Vendei o que possuís e dai esmolas; fazei para vós bolsas que não se gastam, um tesouro inesgotável nos céus, aonde não chega o ladrão e a traça não o destrói.

Lucas 12:33
Vendei o que possuís e dai esmolas; fazei para vós bolsas que não se gastam, um tesouro inesgotável nos céus, aonde não chega o ladrão e a traça não o destrói.

Lucas 12:33
Vendei o que possuís e dai esmolas; fazei para vós bolsas que não se gastam, um tesouro inesgotável nos céus, aonde não chega o ladrão e a traça não o destrói.

Lucas 12:33
Vendei o que possuís e dai esmolas; fazei para vós bolsas que não se gastam, um tesouro inesgotável nos céus, aonde não chega o ladrão e a traça não o destrói.

Lucas 12:33

domingo, 25 de novembro de 2018

Domingo de Cristo Rei







Quando Nosso Senhor Jesus afirmou perante Pilatos que o seu reino não era deste mundo, quis esclarecer que não recebera o seu reino por causa da vontade dos homens. Não devia a nenhum poder deste mundo o fato de ser rei. Não negou sua realeza e poder, inclusive sobre este mundo, e sobre o próprio Pilatos já que também disse. “Nenhum poder terias sobre mim se do Alto não te fosse dado.”

 Jesus tem um reino que não é deste mundo não porque não o seja para este mundo. Mas pelo fato de que não foi a Onu, nem a vontade popular, que o fez ser rei, porem unicamente a vontade do Pai. Já que para isso ele nasceu; para ser  rei de todos. Inclusive doa políticos e dos que governam este mundo.

 Muitos renegam a realeza de Cristo sobre as leis e os Estado; porque separam o fiel  do cidadão, o Crente do contribuinte e querem relegar a religião aos templos e as sacristias. Mas o cristianismo foi a única religião que não se conformou a crer em mais um Deus como faziam os romanos e de modo geral os pagãos. Não só por anunciar o único deus verdadeiro como a salvação unicamente por meio de Cristo. E denunciou que todos os deuses antigos e pagãos eram falsos. Eis o único motivo de haverem sido perseguidos pelos romanos que eram muitos ecumênicos aceitando toda forma de religião contanto que não recusassem também a deles.

Jesus é rei não apenas sobre os corações. Mas sobre todas as nações e sociedades. E na medida em que somos seus verdadeiros súditos e servos deste rei devemos servi-lo como governantes, palitos, professores, ou seja, em qualquer profissão e  situação porque o amor a Deus deve estar acima de tudo e de todos.

domingo, 28 de outubro de 2018




Ultimo domingo de outubro. No calendário pré-conciliar, festa de Cristo Rei.
Que todas as nações vos reconheça, como rei, Senhor Jesus e estejam submetidas a vossa santa lei.