sexta-feira, 22 de setembro de 2017

Culto a Maria. Quem é o responsável?


Por qual motivo, nós, os católicos veneraram tanto Maria?  Não foi ela uma mulher, uma criatura de Deus tanto quanto qualquer um de nós? Mas a reverenciamos com orações, milhares de imagens, procissões, promessas, com se ela fosse uma deusa, uma criatura de outra natureza e não tanto humana como nós. Externamente seu culto é muito mais notado do que o de Jesus. Fala-se muito mais em aparições dela do que de Jesus. Seus títulos são inumeráveis e para cada titulo uma imagem diferente. Qual a razão para todo este quase endeusamento de Maria, que em sua época era conhecida apenas como uma mãe e esposa de um carpinteiro.

Sem nenhum exagero pode se dizer que o único culpado de nós, os católicos cultuarmos tanto Maria foi o próprio Deus.  Não FOI ELE QUE QUIS QUE O SEU ÚNICO FILHO AMADO FOSSE FORMADO NESTE MUNDO DE UMA MULHER? ( Gl. 4,4) O verbo de deus não quis se fazer carne sendo concebido no ventre materno de Maria? (Mt 1,16 ) E o Espírito Santo foi o que desceu sobre ela a cobriu com sua sombra para fazer por seu poder que ela concebesse o próprio Filho de Deus feito nosso irmão, homem como um de nós, com uma verdadeira mãe, assim como nós temos uma. Que outra deusa pagã em toda história humana foi elevada por outro deus a tão grande dignidade?  Na verdade, as deusas em varias situações estavam em conflitos com os deuses masculinos. Eram sensuais, vingativas, soberbas... Que criatura na face desta terra pode conceber aquele que é eterno, em seu ventre?

Sem dúvida, a compreensão de que Jesus não era apenas um grande profeta, um homem importante, mas o próprio Deus feito homem, o filho de Deus , Deus mesmo em pessoa, em nossa natureza humana, elevou Maria acima de todas as criaturas e de todas as deusas do passado, do presente e dos futuro.  Quem não reconhece a dignidade ímpar de Maria frente a todas as criaturas, mesmo diante dos anjos, só pode justificar esta rejeição  ou não crendo que Jesus é Deus, mesmo enquanto homem filho de Maria, ou que Maria não é sua verdadeira mãe e que a encarnação foi uma farsa.

O Culto católico a Maria nada mais é do que o entendimento de que ela é a mãe do filho unigênito de Deus. Mãe de forma verdadeira, mesmo sendo este preexistente, ele passou a existir como verdadeiro homem, a partir dela e nela e formado por ela, pelo poder do Espírito Santo. Foi gerado como nós fomos gerado embora sem ter origem de um homem. Maria nunca foi uma barriga de aluguel. Ela nunca foi uma mãe de faz de conta. Assim como Jesus nunca foi um homem de faz de conta.



Amamos e cultuamos Maria, a Serva do Senhor, porque reconhecemos que nela Deus realizou grandes coisas e por isto a proclamamos bem-aventurada como ela mesma profetizou. (Lc 1,48-49)

sexta-feira, 15 de setembro de 2017

CONQUISTADORES DE CRISTO




         O que de comum entre o Apóstolo Paulo e Joana d´Arc, a Virgem guerreira? Todos os santos por mais que tenham vivido em época diferentes e exercido ações diversas, só pelo fato de crerem em cristo e o servirem tem  o essencial em comum: A fé em Jesus.
 Embora são Paulo tenha sido um missionário da Palavra e  nunca tenha pegado em armas após a sua conversão, no entanto foi um guerreiro espiritual para tirar pessoas do paganismo e as submete-las a Jesus. 
         Joana d´Arc, não recebeu a missão de anunciar o Evangelho e nem de criar uma nova ordem religiosa. Mas de  conquistar um reino para a realeza universal de Cristo. O que há de comum entre são Paulo e santa Joana  do ponto de vista histórico é que ambos foram CONQUISTADORES DE CRISTO. Um conquistou pessoas para Jesus; o outro conquistou um reino para Cristo rei. E em suas representações ambos seguram uma espada. com significados diferentes, mas de qualquer modo, espada.


 https://image.slidesharecdn.com/4communionofsaints-141007131605-conversion-gate01/95/4-communion-of-saints-presented-by-martin-jalleh-at-sfxpjrcia-on-4102014-1-638.jpg?cb=1412687878

sexta-feira, 1 de setembro de 2017

A IGREJA

       É de Cristo que a Igreja recebe a Graça para doar aos seus filhos. É de Cristo que a Igreja recebe a autoridade para ensinar e governar. A Igreja são os membros do corpo de Cristo, mas a cabeça é unicamente Cristo. Não se pode  fazer dos membros cabeça. É necessário evitar tanto o individualismo protestante que elimina a Igreja e a torna invisível fazendo que cada um busque Deus por si mesmo, como o clericalismo que  submete Cristo à própria Igreja e faz dela cabeça e não o corpo místico de Cristo do qual ele é a cabeça , pois é de cristo que a Igreja tudo recebe.

sábado, 12 de agosto de 2017

Amor à Santa Igreja



Amemos com todas as nossas forças a Santa Igreja Católica. amemos sua doutrina eterna que nunca pode contradizer-se. Mesmo que soframos perseguições ou incompreensões do pessoal da Igreja sejam eles clérigos ou leigos, nunca deixemos de amar a santa Igreja porque ela é o corpo místico de Cristo. sociedade perfeita e visível sim, mas que não se limita aos membros do clero, porque pertencem verdadeiramente como membros vivos da santa Igreja os que a ela são fieis. Os que sofrem mas nunca a abandonam.
      Nunca devemos coclear nossa fidelidade a um grupo, movimento ou pessoa acima da santa Igreja. Tenhamos muito cuidado com partidos ou exaltação de personalidades. Os movimentos passam; outras espiritualidades surgem. Mas a Santa Igreja permanece. quem hoje entende ou sabe  o que foi o jansenismo. poucos. Mas este passou a Santa Igreja ficou. Seus lideres, teólogos também passam.Mas a Santa Igreja Católica, mãe e mestra permanece.
         Sejamos antes filhos da Igreja. E só depois membros de tal grupo, tal ,movimento. E apenas por amor à Igreja, para melhor servi-la peçamos a estes grupos. Porque se colocarmos nossa adesão ao grupo acima da Igreja corremos o perigo de vier seita. De romper com a unidade do corpo de Cristo. quando os grupos da Igreja se fecham sobre si mesmo e olham os de forma como não membros da Igreja por não pertenceram ao seu grupo estão a um passo de cair na heresia e no cisma. Sempre aconteceu assim na história. Só a mor heroico a santa igreja (apesar de seus membros mortos pelo pecado, e que muitas vezes a trai como Judas traiu Jesus e  que se disfarçam como apóstolos de Cristo, com bem afirmou são Paulo) nos fará permanecer fies  e ama-la porque a vemos com a Igreja é. Corpo místico de Cristo, que não pode errar ou ensinar o erro. Que em sua doutrina, que nunca se contradiz, mas se desenvolve harmonicamente, sempre ensinará o mesmo que foi ensinado antes. Mesmo que  haja os que  inventem novas doutrinas. Estes passam . A Igreja permanece.
    A Igreja do Concilio de Trento é a mesma do Concilio do Vaticano II. Não existe uma Igreja do Vaticano II. Há sim uma  Só Igreja que realizou 21 concílios.
     Peçamos a Deus para que a exemplo de santa teresa d´Avila, Santa Joana d´Arc, morrermos  como filhos da santa Igreja.

terça-feira, 25 de julho de 2017

A realeza de Cristo de Santa Joana



         Para a heroica Santa Joana d´Arc, Cristo não é rei só no sentido metafórico ou simbólico. Embora sempre se referisse ao Cristo como Rei do Céu ela o entendia como rei dos reis da Terra, isto porque, o Rei do Céu tem pleno o domínio sobre tudo e todos, como ele mesmo afirmou. 'Todo poder me foi dado no Céu e na Terra."
         Reconhecer a Realeza de Cristo segundo Santa Joana é render-se à sua vontade como um vencido numa guerra. É entregar-se à sua misericórdia. Por isto ela dizia aos inimigos que estavam para ser ser derrotados. "Renda-se ao rei dos céus." Todo governo cristão deveria reconhecer-se apenas como lugar tenente do verdadeiro e único rei. Porque todas as nações da terra pertencem a Cristo. ele as conquistou pelo sacrifico de sua cruz.
        As leis de uma nação não podem contradizer a lei de Deus. A religião de uma nação não pode ser outra se não aquela  revelada e estabelecida por Deus e atestada por ele através de milagres. Assim como os indivíduos também os governos tem obrigação de submeter-se ao império de Jesus. Foi por esta verdade que Santa Joana deu toda sua vida e para defende-la foi que ela morreu. Para que Cristo seja reconhecido como Rei dos reis e Senhor dos Senhores deste mundo.

terça-feira, 18 de julho de 2017

A Devoção de Cascavel Ceará



        A primeira invocação à Bendita Vigem Maria no município de Cascavel, Ceará, foi Nossa Senhora do Ó.  Em 1710 foi erguida a primeira capela nesta terra dedicada a esta invocação. Com a construção da Matriz em fins do século XIX, manteve-se a padroeira, a Virgem Maria, mas trocou-se a invocação para Nossa Senhora da Conceição.












       No entanto, Cascavel  não esquecera sua antiga devoção Mariana. Realizava todos os anos a peregrinação às famílias com a imagem de Nossa Senhora do Ó, do dia 15 de agosto ao dia 4 de setembro; data da criação da paroquia de Cascavel. Fato hoje esquecido por completo.



 




       A imagem barroca e antiga de Nossa Senhora do Ó, semelhante à de Nossa Senhora da Conceição, pois era costume na  época  puritana do século XIX, não expor nossa Senhora grávida, também agora é conhecida  como Nossa Senhora da Conceição. Esqueceu-se a tradição e a história de um povo. E desta forma a primeira devoção em nossa terra, está hoje, completamente esquecida.