sexta-feira, 12 de outubro de 2018

A Imaculada Conceição


      Deus deu  ao povo brasileiro um sinal da proteção maternal de Maria, fazendo aparecer das águas de um rio brasileiro, a invocação mais querida do povo brasileiro. Nossa Senhora da Conceição. Que o povo brasileiro renda verdadeiro culto à Imaculada Conceição de Maria, venerando a imagem aparecida. Renunciando ao pecado na política, na cultura e na economia. Só assim o Brasil poderá ser a pátria onde Cristo é o verdadeiro rei.





Imagem de Nossa Senhora da Conceição, pintada antes de ser jogada no rio, para surgir muito tempo depois na rede de três pescadores, com a cor da escravidão no Brasil, para dizer ao povo brasileiro, que como ela, este  deve ser, o  povo escravo do Senhor.

segunda-feira, 23 de julho de 2018

SANTA JOANA E O REINADO SOCIAL DE CRISTO





( Santa Joana d'Arcpelo Bispo Debout I. c.8, c. 15, c. 19. A proclamação do Reinado Social de Cristo foi o principal objetivo da vida de Joana d'Arc. Admire este traço da vida de JOANA: Para provar ao rei que ele é apenas o tenente de Jesus Cristo, ela faz este extraordinário pedido a ele: "Belo Rei, eu gostaria antes de morrer, de  ter seu palácio e seu reino.” Oh! Jeanne, responda Charles VII, meu palácio e meu reino são seus.” - Notário, escreva, diz a inspirada Donzela: 21 de junho às 4 da manhã. À noite, no ano de 1429 dC, o rei Carlos VII dá seu reino a Joana. - Escrever novamente: Joana dá a França, por sua vez, a Jesus Cristo. "Nossos senhores", disse ela em voz alta, "agora é Jesus Cristo falando: Eu, Senhor eterno, dou isto ao rei Carlos.” Este ato autêntico de importância capital na história da França foi a razão para as vozes de Joana d'Arc, é para chegar a este ato, o que parece estranho, que Orleans foi entregue, e que a realeza por um momento como aniquilada foi coroado novamente em Reims. "O estabelecimento da realeza de Cristo sobre a França é a grande ideia e a natureza mais íntima de Joana d' Arc. Esta não é uma concepção de minha mente que eu arbitrariamente atribuo a ela. Este é o seu programa, aquele que ela expõe em todos os lugares com uma clareza clara e que se destaca de todas as suas ações como todas as suas palavras. É a característica mais original de sua mentalidade, ele se impõe no estudo do historiador e psicólogo, bem como a do pensador religioso. Ouso dizer que quem não entendeu isso não entendeu a alma de nossa heroína. Foi também o programa de São Paulo que queria fazer o reinado de Cristo sobre o mundo inteiro. Foi o programa desta grande Idade Média Cristã, da qual Joana era a mais pura e mais brilhante flor final. Foi o programa dessas orgulhosas repúblicas italianas do século XIV que não hesitaram em mostrar em toda parte moedas como esta: "Para Cristo, seu primeiro cidadão e sua cabeça, a República de Veneza"

domingo, 22 de julho de 2018

Santidade e perfeição moral



Santa Joana d´Arc resgata  o conceito de santidade definido na Sagrada Escritura.  Nos livros sagrados santo é todo ou tudo que foi separado para Deus ou dedicado ao seu serviço, muito mais do quem é perfeito ou não tem pecado. Primeiro, o mais importante é a escolha de Deus independente da perfeiçãoi moral do individuo. Deus mesmo pode se servir de um instrumento falho, imperfeito.  O aspecto moral , de virtuosidade, é um processo continuo de reconhecimento de quedas e confiança na misericordia de Deus. Tal é o caso da historia de Davi, que cometeu muitos pecados, porém nunca dexiou a reta intenção de estar sempre a serviço de Deus.

 Joana d´Arc também é separada para uma missão por Deus. É suscitada por Deus para ser um instrumento de liberação do povo frances ocupado e mal servido por seus governantes. Diferentemente de muitos biografias de santos, que são impecáveis em todo o seu comportamento, Joana manifesta atitudes de impaciência , irritação e até mesmo de ira em suas palavras. Certas frases suas pode até escandalizar cristãos agua com açúcar, como, "O sangue da França esta sendo derramado e não me chamastes. Se isto acontecer de novo vou mandar te cortar a cabeça..." quando soube de uma batalha para a qual não foi avisada por seu pajem.  Quando perguntada se havia algum borgonhes na aldeia em que havia nascido, diz para provocar os borgonheses. "Havia só um lá ao que bem desejei que lhe fossa cortada a cabeça fosse do agrado de Deus." Na verdade este era seu comprade e ela nunca o ameaçou quando convivia com ele.

Jesus mesmo alertou que  há uma grande diferença entre dizer e fazer. A parábola dos dois filhos mostra isto. Um atende ao pai com boas palavras prometendo ir trabalahr na vinha e não vai. O outro aborrecidamente diz que não vai, mas depois arrependido vai; Jesus afrima que  o segundo foi o que fez a vontade do Pai. Santidade não consiste em belas palavras, mas em atittudes. A ssantidade de Joana está mais explicita em sua atitude interior de servir primeiramente a Deus do que em buscar uma perfeição moral absoluta. 

Se santidade consistisse apenas em perfeição moral ou até mesmo cristã não haveria coisas santas. E no entendo tudo que é separado do uso comum para o culto a Deus é santo. Na sagrada Escritura Templo era santo; a montanha de Sião na qual estava o Templo era santa como os objetos em uso no templo. Assim também santo é primeiramente a quem Deus separou ao seu serviço. retirou do mundo para ser exclusivamente dele. E  muito mais neste sentido primeiro Santa Joana d´Arc é verdadeiramente uma grande Santa, com suas limitações humanas como as temos, mas santa porque enviada por Deus como ela mesmo afirmou respondendo aos seus juízes.: "Nada tenho que fazer aqui. Mandai-me de volta pra Deus de quem eu vim."

sábado, 9 de junho de 2018

O Essesncia é ser Católico.



Mais importante é ser catolizo. E que vem a ser em essência católico? É crer em tudo o que é professado em toda parte do mundo.  ou seja:
Crer na instituição de uma única Igreja por Cristo;
Crer na sucessão dos Apóstolos;
Crer na primazia de Pedro sobre os outros apóstolos e que o bispo de Roma é seu sucessor;
Crer nos sacramentos, em todos eles e em seus significados e ação;
Crer que a Missa é o mesmo e único sacrifício do calvário;
Crer na presença real de Cristo nas aparências de pão e vinho;
Crer em todos os dogmas cristológicos e marianos até então definidos pela Igreja em seu magistério.
Enfim, professar tudo o que é acreditado em todas as partes do mundo onde a Igreja estiver presente, de forma que devoções locais, revelações particulares, são menos importantes do que tudo que foi descrito acima e ficam a critério  pessoal de cada um aderir a estes.

quinta-feira, 31 de maio de 2018

Estado devocional sim. Confessional nunca.

No dia 30 de maio a Igreja Católica celebra a memória de Santa Joana d'Arc virgem. A donzela suscitada por Deus para expulsar do reino da França os Invasores ingleses que queriam se apossar de seu território e do poder, em detrimento do verdadeiro rei francês. Em toda história da humanidade excetuando-se o povo de Israel, em que Deus intervinha diretamente, só a missão política militar de Joana d'Arc evidencia de maneira clara o Reinado social de Cristo sobre as nações da terra e seus governos. Ela mesmo afirma categoricamente, Para o Futuro Rei da França, quando encontrou: "o senhor não é o Rei da França, mais o rei dos céus é o verdadeiro rei da França; porém ele quer que o senhor reine e se torne o seu lugar Tenente neste reino."
 A realeza de Cristo se estende a todas as nações e mesmo agora, quando se rejeita a lei de Cristo neste mundo, numa evidente comprovação do que Jesus falou na parábola dos vinhateiros maus, quando disseram não queremos que este homem reine sobre nós, a sociedade moderna também diz pelos seus atos, não queremos que o Cristo reine sobre nós. Os seus feriados religiosos, as procissões, romarias podem continuar acontecendo, mas não queremos a sua lei; a lei que valoriza a família, que valoriza os filhos educados cristãmente; que ordena a honestidade, a solidariedade Cristã, a caridade Cristã. Não esta lei nós não queremos. Nós rejeitamos e só queremos a lei do que desejamos fazer. Aquilo que nos dá prazer, poder, esta é a  lei que os governos abençoam. Para estes toda religião que interfere moralmente nos seus atos e em suas leis é incômoda; e o cristianismo é uma religião da ética não é uma religião de meras  devoções, de costumes devocionais. É a religião do sim, sim não, não é a religião da Verdade. É a religião em que Deus exerce a sua vontade e Santa Joana d´Arc é o exemplo do amor a essa vontade acima de tudo, até mesmo acima da própria vida. Nem mesmo a França enquanto nação estava acima desse amor à vontade de Deus; por isso mesmo ela disse que se eu tivesse cem pais e cem mães e fosse filha de rei mesmo assim eu teria ido à luta, porque esta  era a vontade de Deus. Que o exemplo de Santa Joana d'Arc nos leve a amar realeza de Cristo. A obedece-lo  em todos os dias de nossas vidas a rejeitar todas as leis iníquas, mesmo que sejam aprovadas pela maioria e que tenhamos a coragem de dizer em qualquer situação: viva Cristo rei dos céus, eternamente

sábado, 19 de maio de 2018

Dietrich von Hildebrand e os falsos profetas

"Quem nega o pecado original e a necessidade de redenção do gênero humano, anula o significado da morte de Cristo na cruz e é um falso profeta.
Quem esquece que a redenção do mundo através de Cristo é a única fonte de verdadeira felicidade e que nada no mundo pode ser comparado a este único fato glorioso, este não é mais um verdadeiro cristão.
Quem não aceita mais a absoluta supremacia do primeiro mandamento de Cristo – ama a Deus acima de todas as coisas – e sustenta ao invés que o amor de Deus se expressa somente no amor ao próximo, este é um falso profeta.
Quem já não sabe entender que desejar uma íntima união com Cristo e uma transformação em Cristo é o verdadeiro significado de nossa vida, este é um falso profeta.
Quem proclama que toda moral basta-se a si mesma, e portanto não principalmente na relação do homem com Deus mas nas coisas que concernem ao bem-estar da humanidade, este é um falso profeta.
Quem no dano infligido a nosso próximo vê somente o mal causado a este e não vê a ofensa a Deus que está implícita no mesmo dano, este é vítima do ensinamento de um falso profeta.
Quem já não percebe a radical diferença existente entre caridade e benevolência humanitária, este se tornou surdo à mensagem de Cristo.
Quem se encontra impressionado e comovido pelas "conquistas cósmicas" e pela "evolução" e pelas especulações científicas mais que pela luz da Sagrada Humanidade de Cristo refletida em um santo, ou pela vitória sobre o mundo representada pela vida de um santo, este já não está compenetrado de espírito cristão.
Quem se preocupa pelo bem-estar material do homem mais que por sua santificação, este perdeu o sentido cristão do Universo."

http://in-exspectatione.blogspot.com.br

segunda-feira, 16 de abril de 2018




O MISTERIO DA "INSUBIMISSÃO" DE SANTA JOANA D´ARC À IGREJA

"Minhas Vozes não disseram para que eu não obedecesse  à Igreja. Mas no que diz respeito ao que  fiz falaram para que me submetesse a Deus, que me fez fazer o que fiz"     Uma das mais importantes acusações no processo de condenação de Santa Joana d´Arc foi a de que ela não submetia  ao julgamento da Igreja militante, as vozes que ouvia, e que a ordenaram ir em socorro da França e de seu rei, expulsando os ingleses invasores do pais.

           Em todos os interrogatórios Joana d´Arc reafirmou sua fé cristã; Acreditava em todos os sacramentos e em toda doutrina da Igreja. Mas no que dizia respeito à sua missão ela insistia em que devia submissão diretamente a Deus.  Para seus juízes, bispo e padres, que haviam tomado partido pela Inglaterra e que se apresentavam como a própria Igreja, ela estaria em heresia, por não reconhecer a autoridade da Igreja para avaliar suas relações com suas vozes e visões.

              No entanto para compreender esta forma de defender sua missão, numa aparente contradição com a obediência à Igreja é preciso compreender em que consistiu a missão de Santa Joana d´Arc. A Inglaterra e a França eram dois reinos cristãos. Ambos deviam obediência ao papa e à Igreja. Tanto havia clérigos do lado inglês como padres do lado da França. Muitos padres e bispos, principalmente da Universidade de Paris, eram do lado Inglês. A Sé de Roma se manteve neutra no conflito embora houvesse feito algumas tentativas para a paz entre os dois reinos. O clero partidário dos ingleses fez o que Santa Joana d´Arc não fez.  Colocar a Igreja tomando partido entre um reino e outro. Indivíduos poderiam tomar partido. Até mesmo padres. Mas a Igreja tanto como instituição como o corpo místico de Cristo não. Pelo menos  não diretamente colocando o diabo no lado francês como os  juízes de santa Joana d´Arc fizeram. Providencialmente, Santa Joana, orientada por suas Vozes evitou colocar a Igreja contra os ingleses. Ela sempre disse: "Deus quer que os ingleses deixem a França e volte para a Inglaterra." Nunca a Igreja tomou partido por ela contra os ingleses Ela mesma nunca pediu uma bênção direta da Igreja para sua missão. E os próprios padres do lado francês que a interrogaram em potiers,  julgaram sua fidelidade à Igreja, sua piedade, sua devoção, mas não a veracidade de suas vozes. O clero partidário da Inglaterra dizendo-se  a própria Igreja, quis e assim o fez, colocar o diabo ao lado dos franceses. Nem a própria Joana afirmou que o diabo estava do lado da Inglaterra. Ela simplesmente disse; "Quanto aos ingleses, Deus quer que eles voltem para o seu próprio país, a Inglaterra."

 Por este motivo Joana d´Arc afirmou varias vezes que não se submeteria ao tribunal que a julgava. Certa vez ela disse. "Que é a Igreja? Você? (referindo-se ao bispo Pierre Cauchon, seu juiz.) não vou me submeter a você porque é meu inimigo mortal." E quando foi enganada, antes de sua morte, com a promessa de ser levada a uma prisão da Igreja e ser guardada por mulheres, Santa Joana aceitou, para ficar livre da cela inglesa e disse que se submetia a Igreja e ao papa a que se devia servir abaixo de Deus. Fica claro que ela estava se submetendo à verdadeira Igreja instituída por Cristo e não a um clero partidário de uma nação invasora. Mas seus juízes entenderam que ela se submetia a eles e havia reconhecido que eles sempre quiseram que ela aceitasse. Que suas voces eram diabólicas. E  desta foram  colocaram a própria Igreja contra um reino cristão;(no caso a França) algo que Santa Joana d´Arc nunca fez em relação à Inglaterra invasora.