quarta-feira, 7 de setembro de 2011

ARTIMANHAS DO DEMÔNIO PARA NOS AFASTAR DA VERDADEIRA DEVOÇÃO A VIRGEM MARIA

No dia que a Igreja de Cristo celebra a vinda a este mundo, daquela que fora profetizada e predestinada a ser a mãe do Salvador (08 de setembro) eu os convido a uma reflexão séria sobre a religiosidade popular em relação à Santíssima Virgem Maria. Deixo antes, bem claro, que não recuso a devoção sincera e carinhosa do nosso povo por nomes e certas imagens de Nossa Senhora. Aceito o culto à santíssima Virgem como o ensina e o recomenda a Igreja. Apenas, desejo alertar para as artimanhas do espírito maligno, que se aproveitando da ignorância religiosa e do apego ao mundo, de certos ditos devotos da mãe santíssima, os desvirtua e as separa da pessoa da própria Virgem. Não sou um devoto escrupuloso, apontado por São Luís de Montfort, que ver como exagero ou diminuição do culto ao Filho, qualquer invocação ou oração à Bendita mãe de Deus. De forma alguma! Tenho para com Maria Santíssima uma relação filial, pois a reconheço como minha mãe em particular, e a venero como a mais perfeita dentre todos os salvos por Cristo. A mais elevada das criaturas, abaixo somente da santa e real humanidade de Jesus de Nazaré, verdadeiramente homem. Fico horrorizado quando protestantes escrevem e pregam que o próprio demônio se disfarça de Maria e aparece as pessoas para desvia-las de Jesus. Como o filho permitira que a sua própria mãe fosse causa de perdição eterna para milhares de almas que a amam tanto? Mas o próprio São Luís reconhece que este espírito do mal usa de artimanhas para favorecer uma falsa devoção a Nossa Senhora. E o que faz para que isto aconteça? Primeiramente ele procura separar da pessoa da Santa Virgem os títulos e imagens que os representam. Explico: Muitas pessoas são devotas de Nossa Senhora da Cabeça. Invocam Nossa Senhora da Cabeça para se curar de dores de cabeça e compram a imagem para poder ter mais força de alcançar esta graça; outras se declaram devotas de Nossa Senhora de Loretto e só pede a ela que os proteja em viagens de avião; Já outras, são devotas de Nossa Senhora desatadora dos nós e se apegam à sua imagem para resolver problemas pessoais, os tais nós da vida. E a lista é infindável. Porem, dentre estas pessoas poucas  associam à devoção a Santa Mãe de Jesus.  Quando se referem a Nossa Senhora sem determinação de um título, lembram-se da mãe do Senhor, mas quando se dizem devotas de um nome ou invocação tem em mente a imagem que o representa, ou a proteção que este nome oferece. É assim que se separa o culto à Santa Mãe de Deus de sua pessoa e o direcionam para uma imagem com tal nome, ou poder de resolver determinado problema, geralmente de ordem material. Vejam que as aparições da Virgem em Fátima, levou o povo a venerar a imagem e a se vestir de branco todo dia 13 de cada mês e ir a missa as 12 horas. Faltam a missa no domingo, mas uma vez no mês,  vão a missa às 12 horas. Veneram a imagem da Senhora de Branco e a   veem como se fosse outra santa, se esta imagem estiver ao lado da imagem Aparecida, que é uma imagem de Nossa Senhora da conceição; não tão bonita e bela artisticamente como a representação da Virgem em Fátima. Estas pessoas são devotas de uma imagem e de um nome que "acidentalmente" está ligado à Santa Virgem. Digo, acidentalmente, no sentido de que não é feita esta associação com a Virgem Maria de forma constante e clara; até porque o mais importante, a mensagem deixada por Nossa Senhora, é esquecida. Ela não pediu para que se vestissem de branco todo dia 13 e fossem a missa só uma vez no mês e neste dia as doze horas. Esta foi a artimanha do demônio para deixar em segundo plano a mensagem que foi de oração e conversão. Nossa Senhora pediu em Fátima para que rezassem pelos pecadores e não ofendêssemos mais o Nosso Senhor. E isto não é lembrado. O que mais há são atos externos como procissões, recitações mecânicas de terços e mais terços e nada mais. E porque não ocorrem conversões? Simplesmente porque foi separado da pessoa da Virgem o culto ao titulo. É como se este fosse outra pessoa. O mesmo acontece com o culto à Nossa Senhora Aparecida. Quando o Brasil está com problemas nos dirigimos a Nossa Senhora Aparecida. Só que na cabeça do povo, Nossa Senhora Aparecida, é uma imagem que apareceu nas águas de um rio. Não há uma ligação clara e explicita com a mãe de Deus.  Esta foi uma forma que o demônio encontrou de separar novamente o culto do titulo do pessoa que o representa. Saibamos que geralmente os pedidos e as invocações as imagens de Nossa Senhora são para arranjar emprego, dinheiro, marido, saúde e trabalho; poucos pedem a conversão e o perdão dos pecados ou se firmam no propósito de mudar de vida. Romeiros vão pagar suas promessas, ouvem missas e depois vão aos bares e festas beber e até se entregar à luxuria.  Esta é a falsa devoção e o falso culto a Santíssima Virgem. Porem, é isto  que é o mais popular. É preciso sempre vincular as invocações a Santa Virgem à sua pessoa. E nem é preciso recorrer a um nome especifico dado à Virgem para pedir pelo Brasil. Peçamos, Santa Virgem Maria, padroeira do Brasil proteja nossa pátria que no dia 07 de setembro, completou 189 anos de independência. A imagem aparecida não foi outra santa que nos foi dada e nem outra padroeira. Foi um sinal de que o culto à imaculada conceição era agradável a Maria, e ela quis mostrar esta gratidão nos dado uma simples imagem que representa o mistério de sua imaculada conceição. Mas este culto foi totalmente desviado para imagem, como se ela tivesse um poder em si mesma. Neste blog foi escolhida esta imagem para representar Nossa Senhora, não porque esta imagem seja a padroeira do Brasil. Não! A padroeira do Brasil é a pessoa da Santíssima Virgem. A imagem apenas mostra que ela quer ser venerada sob esta representação por nós brasileiros. Mas ele foi desligado da pessoa de Maria na devoção popular e do seu titulo original: Nossa Senhora da conceição. O Brasil sempre teve para com Nossa Senhora da Conceição um culto especial. O  titulo superava qualquer imagem que o representava. Isto deveria ter continuado, bastando para isso que a imagem aparecida nas águas, fosse oficialmente o símbolo desta invocação no Brasil e que em cada paróquia dedicada a Nossa Senhora da Conceição,  houvesse uma replica desta imagem aparecida. Assim ficaria unido titulo e imagem com a pessoa da Santíssima virgem. O mesmo vale para todos os outros títulos e representações. Tenhamos cuidado, pois é desta forma sutil, que o inimigo, se aproveitando de nossos defeitos, procura separar de Maria o culto prestado aos seu títulos e imagens; porque ele sabe, que a verdadeira devoção a Maria, sempre irá nos conduzir à Jesus, nosso Salvador.

Nenhum comentário:

Postar um comentário