quinta-feira, 19 de julho de 2012

OBRAS E FÉ




            Em relação à questão das obras, hoje muitos protestantes, aceitam que estas sejam necessárias à salvação. Já ouvi um "diácono" da Assembléia de Deus dizer que quem tem a  fé necessariamente tem as obras. Agora eles entendem que a fé de verdade produza  as obras. O que nunca foi doutrina da Igreja. A Igreja definiu que a Fé e as obras devem estar juntas. A segunda comprovando a primeira, mas nunca que a segunda é  NECESSARIAMENTE  produzida pela Fé. Ou seja, posso ter fé e não ter obras. Até porque as obras são frutos da minha VONTADE e a FÉ do meu intelecto. Da minha adesão mental a uma verdade revelada. Por isto São Tiago diz que os demônios crêem.(Tg. 2,19) E porque crêem? Simples. Eles sabem que Deus É O SER,  O EXISTENTE. Mas eles se recusam a adora-lo. No caso, a vontade destes firmou-se no mal. De mesma forma posso crer que Jesus é Deus, que ressuscitou dos mortos, que mandou evitar o pecado, mas na hora de agir eu sigo a minha vontade. Por isto Jesus não se fiava em alguns que dizem que acreditavam nele. (Cf. Jo 2,23-25; Jo 12, 42-43)) Porque sabia que estes poderiam, na hora em que se vissem prejudicados, abandona-lo. Aliás como o fizeram os 11 apóstolos, menos o discípulo amado se entendermos que  é João, o filho de Zebedeu,  e um dos doze. Infelizmente está se tornando comum nos grupos católicos, principalmente carismáticos  fazer as obras produtos naturais da fé. Claro que a fé primeira, a que aceita a salvação é dom de Deus. Não vem de nós. Desta foram a nossa passagem do Estado de pecado para o de justificado realizou-se não pelas obras que houvéssemos feitos antes; mas por pura graça de Deus. Porem, uma vez justificados, redimidos, a condição indispensável o para mantermos a salvação,  dada de graça, e realizarmos as boas obras. E não é só evitar o mal. É fazer o bem. E isto compete à nossa vontade. Por sito fazer o bem é difícil. É uma ascese. E também pior isto Jesus diz que seremos recompensados por praticar boas obras. Eis também a razão para que sejamos julgados segundo as nossas obras e não segundo a nossa fé; ( Cf. Mat. 16,27;Jo 3,19;1Pd 1,17;2Cor. 5,10;Jo, 529) Seremos julgados pelo bem que tivermos feito ou pelo mal que fizermos. Esta doutrina é Bíblia. Em nenhuma parte da Bíblia se diz que os homens serão julgados pelo tamanho de sua fé. Principalmente no sentido em que a entendeu Lutero. Apenas confiança no que Jesus fez por mim e que eu não posse e nem devo fazer mais nada. Fui salvo e pronto. Tudo resolvido. Posso cometer os maiores pecados mais se confessa-lo apenas a Deus, arrependido e estou salvo. Nada me fará perder a salvação a não ser a apostasia. Em outras palavras deixar de ser crente. Por  isto os protestantes são conhecidos no Brasil como os crentes seja de qual denominação for e os católicos como os não crentes. Mas esquecem de que somos julgados pelas obras e justificados pela Fé.

Um comentário:

  1. Prezado Profº Francisco Castro,

    Parabéns pelo belo trabalho! O blog do "Movimento dos Amigos da Realeza de Cristo", já está figurando na lista da fraternidade Voz da Igreja.

    Gostaria ainda de observar que o link para o nosso blog está "quebrado", isto é, não permite o direcionamento para a nossa página.

    Abraço fraterno, e a Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo

    Henrique Sebastião

    ResponderExcluir