terça-feira, 25 de setembro de 2012

CATÓLICOS VOLUNTÁRIOS

       
                O número de batizados se tornou tão grande, que até o próprio batismo, ficou sendo apenas uma convenção social. Os pais levam os filhos ao batismo,  não para que se tornem membros da Igreja, mas porque os pais deles o batizaram e quando nasce uma criança, é costume se batizá-la. Depois de batizado esta criança cresce  como se não seguisse religião alguma. Fica sendo apenas mais um mero assistente dos ritos católicos em certas ocasiões. Muitos chegam a fazer a primeira Eucaristia e alguns a se crismar. O próximo contanto com a Igreja é no  dia do casamento ou eventualmente quando morre uma pessoa da família. São batizados na Igreja católica mas não são de fato,  católicos.

              As pessoas que se convertem à fé, que assumem as promessas do batismo, são católicas como que voluntários. Por decisão pessoal. Não por seguir as normas da Igreja. Este é um fato comprovado. As maiorias dos batizados não cumprem com os preceitos da Igreja. Não conhecem a sua doutrina. Não entendem os seus sacramentos. A vida religiosa destas pessoas consiste em ir a romaria de  santuário de um santo,  que para eles,  faz muitos milagres e a frequentar eventualmente a missa. O caminho, para quem deseja realmente assumir o catolicismo é ingressar em um movimento religioso ou em um grupo de oração da Renovação Carismática. De modo que aprende muito mais sobre o grupo do que sobre a Igreja. E se por acaso vier a deixar o grupo volta a não seguir o mundo. O outro caminho, para os que não são de fatos católicos  é ingressar em  uma seita protestante. Quando se convertem assumem todas as obrigações. Vão aos cultos todos os dias da semana praticamente. Deixam de ir às festas, de beber, fumar e assumem uma vida diferente  ainda dizem que quando católicos podiam fazer tudo. Que adoravam imagens e os santos. Eis o resultado de um catolicismo de massa, em que o batismo se tornou apenas uma tradição. Sem personalidade. Sem identificação. Infelizmente é isto mesmo que acontece.

             O católico fiel, quando o é por uma decisão pessoal. Por isto, a razão do título acima. São na verdade católicos voluntários. Segue a Igreja porque obedecem ao que ela ensina. Por que amam a Igreja e desejam viver como verdadeiros filhos desta. Convivem com outros irmãos que também se dizem católicos, mas nada fazem do que a Igreja manda. E quando digo Igreja não estou me referindo a um bispo, padre, mas a toda a doutrina sempre ensinada pela Igreja. A doutrina definida nos concílios e reforçada pelas encíclicas dos Papas. A doutrina contida no Catecismo católico. Infelizmente, devemos ter muito cuidado até com o que muitos padres ensinam. Há padres que defende o acordo da Igreja com  o mundo. Que são a favor do casamento gay, do aborto, do divorcio, e defendem os valores do mundo, que é por si mesmo inimigo de Cristo. Pois  o  mundo valoriza o prazer, a  libertinagem , o poder. Jesus valoriza a humildade, o continência, o querer o bem do próximo por amor a Deus, a verdade sobre Deus, o mundo e o homem.

            Peçamos a Deus a graça de permanecer católicos. De sermos fieis a Igreja ao cumprir os seus mandamentos Amemos a Igreja com todas as nossas forças e rendemos graças a Deus, porque nos fez ESCOLHER,  ser católicos comprometidos.

Um comentário:

  1. Blogueiros católicos e povo fiel, por favor divulguem o vídeo do Padre Luiz Carlos Lodi da Cruz:

    http://www.youtube.com/watch?v=2rREUfWwfXw&feature=player_embedded

    Na Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo

    Henrique Sebastiao
    Blog Voz da Igreja

    ResponderExcluir