domingo, 15 de fevereiro de 2015

A Graça e a Fé em Maria







            A doutrina da imaculada conceição de Maria - que afirma que a mãe de Jesus foi concebida em graça e livre do pecado original em virtude dos merecimentos de seu filho Cristo - é o maior exemplo da salvação pela graça e pela fé. Pois, neste caso, não só a eleição da virgem à Maternidade divina foi inteiramente um dom da parte de Deus mas também sua santidade singular. Não os foram de fato em virtude de nenhuma obra a que houvesse praticado, nem mesmo as obras morais da Lei, porque recebeu a graça e a fé infusa por Deus em sua alma no mesmo instante em que foi concebida no ventre de sua mãe. Insista-se, a Virgem Maria por si mesma não produziu boa obra nenhuma. Pois bem, é como se a Virgem Maria houvesse sido batizada na morte de Cristo em seu próprio ventre; não antes do nascimento, mas no momento de sua conceição; no mesmo momento em que se deu a união das células reprodutivas de seus pais e em que sua alma foi infundida por Deus no corpo gerado por eles.

            Sabemos que nossa justificação ou a passagem do estado de pecado original para o estado de graça é sem merecimento algum de nossa parte. Em ordem à nossa salvação, tal se dá unicamente em virtude da paixão e morte de Nosso Senhor Jesus Cristo, porque, ainda que uma pessoa houvesse feito o maior bem possível, mas não cresse em Cristo e não fosse batizada, não se salvaria em razão deste bem praticado. Sem o mérito de Cristo, todas as nossas obras seriam mortas diante de Deus: somente quando estamos na graça de Deus, em comunhão com ele, nossas obras têm valor e mérito. A Virgem Maria tal como as crianças que são batizadas não possuem nenhuma obra. Neste caso, o batismo de crianças expressa de forma radical a gratuidade da Redenção. Batizadas na fé da Igreja e representada pelos pais, a criança recebe no batismo a graça e a fé e se liberta do pecado original sem merecimento algum, sendo assim unicamente pela Redenção de  Cristo.

            Pela Imaculada Conceição de Maria, manifesta-se o amor gratuito de Deus em favor de uma criatura que nada fez por merecer; a predestinação é livre, portanto. Concebida em graça, por certo a Santíssima Virgem cresceu cada vez mais em todas as virtudes e em obras de modo que se tornou a criatura mais agradável a Deus. Isso, então, por ter sido salva de forma mais eminente. Portanto, pela imaculada conceição, manifesta-se claramente que na vida da Virgem Maria que  tudo se deu mediante a graça e a fé, e ainda logo no início de sua existência, desde sua santa e imaculada conceição no ventre materno.



Prof. Francisco Silva de Castro


sábado, 7 de fevereiro de 2015

Cristo ressuscitou do tumulo

Nosso Senhor Jesus Cristo não ressuscitou da cruz. Não desceu glorioso dela com queriam os seus inimigos, que o teriam temido mas nunca o teriam amado. (Mc 15, 30)






Jesus quis ressuscitar de um sepulcro, após três dias de morto, para mostrar por sua morte o seu infinito amor pelos homens e por sua Ressurreição do túmulo  o seu infinito poder sobre a morte.