domingo, 18 de outubro de 2015

Alem do Tempo







Além do Tempo só a Santa missa. Porque na Santa Missa Calvário e altar se tornam uma só coisa e um só sacrifício que supera o passado e fica apenas o presente. Uma só é a vítima, uma só a oferta e o mesmo Deus a quem é ofertada a hóstia pura, santa, imaculada e separada dos pecadores. Nenhuma realidade do passado e presente tem um sacrifício tão perfeito quanto a Igreja Católica em que sem haver sangue derramado, há verdadeira oblação, real holocausto muito maior que todos os holocaustos judaicos. Maior que as oferendas de seres vivos das religiões passadas, pois é um ser que tem a consciência divina e natureza humana que se oferta à Suprema e eterna divindade fazendo presente sua morte no calvário. Só a santa missa é uma realidade além do tempo  e do espaço e nenhuma outra deste mundo.

quarta-feira, 7 de outubro de 2015

O Brasil e o culto à Conceição de Maria

       


         


O Brasil deixou de receber muitas bênçãos de Deus no decorrer de sua história, porque não tem prestado o culto devido à Imaculada Conceição de Maria. Na verdade, muitas dificuldades tanto politicas como econômicas são resultados da grande incompreensão do povo brasileiro em ralação à imagem da Imaculada Conceição aparecida nas águas em outubro de 1717. Deus não visava estabelecer um novo culto mariano a uma outra imagem da virgem com outro título; porém manifestar que aquela imagem devia centralizar o culto à Imaculada Conceição em todo território nacional e Nossa Senhora sob o título de Conceição continuaria a ser a padroeira e ser invocada diante da cópia desta imagem, em todas as igrejas que fossem dedicadas à sua Imaculada Conceição.

         Para cumprir hoje, esta missão faz-se necessário que em cada diocese, paroquia, que for dedicada à Nossa Senhora da Conceição se celebre missas da mesma forma que é celebrada no Santuário Nacional de Aparecida. Hoje há missas em paróquias que tem como título Nossa Senhora Aparecida no dia 12 de outubro.
 Que a imagem aparecida seja exposta e se façam procissões com esta, para que fique bem evidente ao povo que se está cultuando a Senhora da Conceição representada naquela pequena imagem, dada por Deus ao povo brasileiro mediante a intercessão da Virgem. Só desta forma nossa Nação poderá receber mais bênçãos e proteção divina e cumprir sua missão de ser a Pátria da Imaculada Conceição.

quinta-feira, 1 de outubro de 2015

Teresinha e Joana: almas gemeas





Santa Teresinha tinha para com Santa Joana d´Arc, sua conterrânea, a quem chamava de querida irmã, muito mais do que uma devoção. Era uma identificação de espirito. Pode se dizer que o que Joana não transmitiu em palavras o faz Teresinha ao indicar o caminho da infância espiritual. Ambas eram com crianças abandonadas ao amor misericordioso de Deus. Joana viveu este caminho em ações e Teresinha em Atos e mensagens, Que ambas, agora no céu, nos façam partilhar das alegrias de verdadeiras amizades em Cristo, além do tempo e do espaço.







"Oh! não, eu não teria tido medo de ir à guerra. Com que alegria, por exemplo, no tempo das cruzadas, teria partido para combater os hereges. Sim! eu não teria tido medo de levar um tiro, não teria tido medo do fogo!" (4)
"Quando penso que morro em uma cama! Eu quereria morrer em uma arena!" (5). 


"Adormeci por alguns instantes ­contava ela à Madre Inês - durante a oração. Sonhei que faltavam soldados para uma guerra contra os prussianos. Vós dissestes: É preciso mandar a Irmã Teresa do Menino Jesus. Respondi que estava de acordo, mas que preferiria bem que fosse para uma guerra santa. Afinal, parti assim mesmo. 


""Um soldado francês defensor da Igreja, admirador de Joana d'Arc". Assim a pequena Teresa assinava seu Cântico para obter a canonização da venerável Joana d'Arc.
Joana, a Virgem de Orleans, e Teresa, a Virgem de Lisieux, dois modelos do católico militante e combatente contra os inimigos da Santa Igreja e da Civilização Cristã. Duas grandes santas que embora tendo levado gêneros de vida tão diversos - a vida estritamente militar de uma, e a vida contemplativa da outra - conservam, contudo, profundas afinidades de alma entre si.
Santa Teresinha não viu Joana canonizada. E esteve longe de imaginar que o Papa Pio XI haveria de apresentá-la ao mundo católico como "uma nova Joana d'Arc” (18 de maio de 1925) e que, no decurso da 11 Guerra Mundial, a exemplo da Pucelle d'Orleans, Pio XII a declararia "patrona secundária de toda a França"!' Da revsita Catolciismo, Prof. Plinio correia de Oliveira.

" como Joana d’Arc, minha irmã querida, queria murmurar teu nome na fogueira, ó Jesus…