quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

Contracepção, Não!








Se crermos em um Deus pessoal que criou tudo com perfeição e fez tudo correto não podemos corrigir sua criação. Diz a Sagrada Escritura que após criar o mundo Deus viu que isto era bom. Ao fazer o home e a mulher Deus os fez férteis e os ordenou: "Crescei e multiplicai-vos." O macho é fértil constantemente. E potencialmente pai todos os dias. Não importa quantas vezes mantenha relações sempre atingirá o prazer semeando células reprodutoras. Isto é patente de forma inegável.

Todo casal que procura evitar por meios artificiais e concepção de um novo ser humano é como se estivesse corrigindo a obra de Deus. A não ser que este não acredite num, Deus pessoal que sabia o que estava fazendo. E não justifica afirmar que Deus deu inteligência ao homem para melhorar a criação. Neste caso não há nada o que melhorar e aperfeiçoar. Pois se trata de um bem maior. A perpetuação da espécie.



 Então devem os casais procriar de forma irresponsável? De certo que não. E por ser plenamente sábio Deus fez a mulher fértil em apenas certos períodos. Uma vez por mês; De forma quer se homem semear num período não fértil a semente não germinará. E isto não significa corrigir Deus, mas usar o meio que o próprio Deus disponibilizou. De comum acordo, esposo e esposa podem programar a sucessão dos filhos para ocasiões mais propicias para trazer mais um filho ao mundo.



Porem toda forma artificial de evitar filhos como preservativos, pílulas, esterilização e outras  é um atentado a soberania e sabedoria divina. É dizer a Deus. Fostes irresponsável ao nos fazer férteis sempre e ao nos dar o desejo associando-o à procriação. Quero o prazer apenas não a prole. Vou corrigir o seu feito. Vou impedir por meios artificiais a procriação. Sei mais o que é melhor do que você. E isto é um ato de rebeldia. Que os casais católicos de verdade se esforcem para louvar e obedecer a Deus vivendo conforme sua Sabedoria infinita e tenham de forma responsável filhos para a glória de seu nome.