terça-feira, 30 de maio de 2017

A Virgem Singular










Em 16 de maio Joana d´Arc foi Canonizada pelo Papa Bento XV no ano de 1920. Foi declarada santa como virgem e não mártir embora tenha sofrido uma morte cruel, ao ser queimada viva, pelos franceses vendidos aos ingleses, que se apropriaram da Inquisição por meio de maus clérigos. Morta em defesa da pureza da fé e não por ódio à fé; por isto não é considerada mártir pela Igreja.

 Dentre todas as virgens cristãs canonizadas, e há milhares, Joana é a única em sue gênero. Consagrou-se a deus por voto privado. Não se santificou em um convento junto a outras virgens, mas nos campos de batalha ao lado de guerreiros violentos. Esteve no meio de questões politicas e militares, em convívio com os nobres. Teve uma missão eminentemente politica e guerreira.  É a única heroína nacional guerreira canonizada. Santos guerreiros e heróis nacionais há muitos. Dentre eles São Nuno de Santa Maria e São Fernando rei da Espanha. Mas uma Virgem guerreira só há uma na história da Igreja. A donzela de Orleans, Joana d´Arc.

Dentre todas as santas, a única vitima de uma condenação pela própria Inquisição, uma instituição estabelecida pela Igreja Católica. Talvez daí venha o incomodo para o clero, quando se toca em sue nome. Sempre se tem que explicar porque foi homens da Igreja que a condenaram a morte. Ela, que tanto amava a Igreja. E para os pacifistas modernos, católicos da paz amor, a perplexidade em ver imagens de uma santa, com aparência masculina, vestida de armadura e espada na mão.  Realmente Deus neste aspecto como disse o papa Francisco, é o Deus das surpresas. Mas da surpresa que ao final é pura sabedoria, porque Deus escolhe o que o mundo despreza e o que é aparentemente frágil para agir na história. Foi assim que agiu ao enviar o Cristo como mero filho de Carpinteiro. E Joana compreendeu bem esta escolha de Deus em querer agir  não através do que o mundo glorifica. Perguntada porque ela e não outro. Disse. "Agradou a Deus agir assim; por meio de uma simples Virgem, expulsar os inimigos do rei" Queira Deus por sua intercessão, expulsar os inimigos da santa Igreja, infiltrados em seu interior. Amem.
 

segunda-feira, 1 de maio de 2017

O FILHO E O PAI

Quem tem o Filho tem o Pai. Quem nega o Filho, nega tambem o Pai.

         Não basta crer no Pai ou seja num unico Deus. Os judeus criam num só Deus, mas se recusaram a reconhecer em Jesus o unigênito de Deus. O seu unico Filho. Por isto Jesus disse a eles. Quem me rejeita rejeita tambem aquele que me enviou.  Quando Deus revelou-se pelo Filho e manifestou  o seu maior misterio, o de sua própria essencia, não basta adorar um unico Deus para ser uma religião verdadeira. O cristão não deve ser apenas um deista ou monoteista. É preciso reconhecer que Deus é unico mas tem um filho, expressão eterna de si mesmo e que neste Filho manifesta todo seu amor a si mesmo e à humanidade. E este amor é tambem uma pessoa. O Espirito Santo que procede do Pai e do Filho.
        Jesus disse claramente. Que todos honrem o Pai assim como honram o Filho. E quem me ver  vê o meu Pai. Eu e Pai somos um. É muito mais importante crer no Filho, porque crendo no Filho, aceitamos que o Pai o enviou ao mundo como um  ser humano, do que crer em Deus em rejeitar o Filho. Por isto muçulmanos e judeus de hoje não creem no mesmo Deus dos cristãos, apesar de crerem apenas num só Deus; porque rejeitam o Filho, que é unico, que estando no seio do Pai  o revela ao mundo. Só quem tem o Filho pode ter a verdadeira fé em Deus, porque Deus nos fala agora unicamente pelo Filho, que se fez homem, assumiu o nome de Jesus e como homem foi exaltado a condição de Rei e Senhor do mundo. Ninguem tem Deus se não crer no Filho, porque só pelo filho temos acesso ao Pai num mesmo Espirito. O Espirito Santo.E esta é a unica crença revelada pelo próprio Deus, mediante seu Filho unico.