sábado, 15 de janeiro de 2011

O AMIGO DA REALEZA DE CRISTO NA IGREJA E NO MUNDO

Fiel e ciente de seu deveres civis e religiosos o católico que reconhece a realeza social de Cristo num mundo secularizado deve portar-se como se estivesse sob a autoridade de Cristo, mesmo perante as autoridades civis e religiosas, preferido obedecer antes, ao seu soberano Senhor que é Cristo quando estas exigirem deste a renuncia a Doutrina do Santo Evangelho de Nosso Salvador. Os cristãos foram o grupo religioso mais perseguido na história de que se tem conhecimento. Primeiramente os perseguiram os judeus que recusaram crer em Jesus como o Messias prometido por Deus; depois os pagãos que os viam como inimigos da ordem e do Estado romano. Os próprios inimigos da Igreja e do cristianismo reconhecem esta originalidade cristã frente as demais religiões do mundo antigo. Anne Besant, Esotérica Teósofica, escreveu em 1913 , no artigo a Fraternidade das Religiões:"No mundo antigo havia muitas religiões, e em sua maior parte a religião era coisa nacional, de modo que o homem de uma nação não tinha o desejo de converter o homem de outra nação.(...) No poderoso Império da Roma Antiga todos os credos eram bem vindos ,todas as religiões eram respeitadas, e mesmo honradas. No Panteão -templo de todos os deuses- de Roma eram encontradas as imagens que simbolizavam os deuses de todas as nações súditas. e os cidadão romanos demonstravam reverencia a todos." Em referencia aos cristãos a mesma autora faz este comentário: "A primeira vez que a perseguição religiosa manchou os anais da Roma Imperial foi quando o jovem cristianismo entrou em conflito com o Estado, e derramou-se o sangue dos cristãos, não como sectários religiosos, mas como traidores políticos, e como perturbadores da paz publica.Eles reivindicavam supremacia sobre as antigas religiões, e assim provocaram ódios e tumultos; eles atacaram as religiões que até em então haviam vivido em paz lado a lado, declarando que só eles estavam certos, e os outros todos errados..." Estamos retornando a este período da Roma pagã. Por meio do ecumenismo eclético o importante é que todas as religiões viviam em paz uma ao lado da outra. O cristianismo e o catolicismo não podem ter mais o direito de apresentar-se como a unica religião verdadeira e a Igreja católica como a unica Igreja de Cristo, porque isto perturba a paz entre os povos, suscita divisões e amarguras. É necessário haver o respeito entre a verdade da sua religião e a verdade da minha. De modo que tanto faz se as duas estão com a verdade ou se ambas estão com a mesma mentira. Caminhamos progressivamente para este retorno ao paganismo romano, em que só o povo judeu mantinha com firmeza o seu monoteísmo e adoração ao unico Deus Por meio dos encontros ecumênicos e celebrações ecumênicas não só entre cristãos mas com credos africanos, indígenas e esotéricos. Como exemplo cito o encontro para a Nova Consciência em Campina Grande, do qual confesso publicamente, cheguei a participar duas vezes. Porem por se amor Deus me conservou católico mesmo quando afastado e me trouxe para dentro de seu rebanho de novamente. Queria ele me sustentar na perseverança da fé, mesmo tendo encontrado uma Igreja em crise, com tantas divisões internas. Entendi que Cristo sendo o unico Senhor devemos submissão absoluta a Ele e que nada de bom que haja em outras religiões, falta na Igreja que ele deixou para nós. A Igreja Una, Santa, Católica e Apostólica. A espiritualidade da Realeza de Cristo que descobri de forma evidente na vida de Santa Joana d´Arc, mostrou-me que Cristo deve reinar em cada um de nós por meios de gestos concretos frente ao Estado. Os cristãos de Roma foram os primeiros a exercer a desobediência civil e a não violência tão propagada como feita só pelo indiano Ghandi, a quem muitos, inclusive católicos, consideram mais cristão do que nossa santa Donzela. Porem o Amigo da Realeza de Cristo é antes de tudo catolico. Tal como nossa santa amiga Joana d´Arc o seu lado é o lado do Rei do céu. Não é tradicionalista ou conservador e nem RCC. É o fiel católico à doutrina de sempre e também à Igreja de hoje, com suas contradições internas, com os maus exemplos de seus lideres. Porque maus ministros, a Igreja sempre os teve. Que o diga Santa Joana d´Arc acusada de heresia por um tribunal composto por mais de 40 clérigos entre eles um cardeal e um bispo. Os amigos da realeza de Cristo não são os membros santos de uma Igreja pecadora, o resto fiel e puro desta Igreja; são os membros pecadores de uma Igreja Santa e por se saberem pecadores são vigilantes em relação a fé e oram a Deus para manter fidelidade a doutrina da Igreja, sempre pregada por esta desde o primeiro concilio ecumênico. A respota destes para o mundo é um não total quando este deseja os obrigar a aceitar o adultério, a promiscuidade sexual e também, sem duvida, a injustiça social, principalmente se esta ocorre entre os irmãos na mesma fé; um cristão autentico jamais suportaria ver um cristão passar fome ou sofrer necessidade ao seu lado. Um medico católico não aceitaria fazer uma reprodução assistida de um casal gay que deseja impor a uma criança por nascer dois pais ou duas mães, quando a lei natural exige para haja a procriação um homem, o pai, e uma mulher, a mãe. Fico pensando como serão estes filhos da homossexualidade na juventude e na idade adulta. Que mundo eles irão construir para si e os outros. Peçamos a Deus a força para perseverar na fé, porque a volta do ecumenismo pagão do Império romano está próxima, ou melhor já esta presente. E com este sem duvidas virá as perseguições aos cristãos fiéis à sua fé. Fortalecei-nos Senhor para que permaneçamos fieis a vós, nosso único e soberano Rei.

Nenhum comentário:

Postar um comentário