segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

NÃO HAVERÁ MAIS MORTE Ap. 17, 4


NOTA DE ESCLARECIMENTO: Leiam o texto até o final para compreende-lo. Não é uma defesa do espiritismo e muito menos da reencarnação. Por isso é preciso ler até o final. Agradeço.

Ontem(14/01/11) assisti ao DVD "Nosso Lar", filme de temática espírita sobre a vida no além. Não vos escandalizeis. Eu já li todos os cinco livros fundamentais da doutrina Espírita de Alan Kardec. Para estar preparado frente aos que discordam ou não crêem é necessário conhecer as próprias armas primeiramente e depois o território inimigo, para não acabar atirando no próprio pé como ocorreu numa homilia em que, para criticar o filme Nosso Lar o padre disse: "Senti dor neste mundo e ainda sentir depois de morto é de lascar..." Um espírita responderia prontamente. Ora, a Igreja Católica é que prega um tormento eterno para os pecadores depois da morte e este decerto como sofrimento horrível, num fogo eterno, embora hoje não se fale ou descreva tanto os horrores do inferno." E desta forma pegar o católico em flagrante contradição. Analisando a concepção de vida depois da morte acreditada pelos espíritas, a primeira vista, esta parece mais lógica, mas conforme a justiça e a misericórdia de Deus. Não existe penas eternas, mas há punição pelos erros cometidos. No entanto, todos chegarão a um estado de felicidade completa. A vida na terra é um aprendizado que possibilita ao Espírito evoluir como ensinam. Por isso são dadas a este Espírito muitas vidas no planeta em corpos diferente. Um espírito pode estacionar ou paralisar em sua evolução, porem nunca retroceder a um um estado inferior ao que se encontra. Isto mostra o filme com a historia de um medico, que ao morrer se percebe numa espécie de purgatório e depois é conduzido a uma cidade espiritual para se recuperar. Em resumo tudo nesta cidade, com exceção de seu maior desenvolvimento é uma reprodução da vida na terra. Os espíritos possuem roupas, trabalham e ainda se alimentam. Poderia se passar em qualquer condomínio fechado e de luxo do planeta mesmo. Na verdade creio que muitos já vivam esta realidade sem precisar sair desta vida. Como uma visão tão material da vida espiritual, não se tornar atrativa para as pessoas de nosso tempo que se apegam ao que vêem e ao que os sentidos apreciam? As descrições do céu cristão são vagas, imprecisas e reduzidas a um simples espécie de bem estar mental. Já ouvi até um padre dizer que depois da morte iremos nos misturar com Deus. Isto mesmo. Parecido com o Nirvana Budista não? Mas ouvi mesmo. Não é de surpreender que a visão espíritas se presta as mentes ditas racionais de nossa época. Porem o que pude perceber é que a concepção espírita do além desta vida centraliza morte e não a vida. Como assim? Explico. O Espírito é pré-existente ao corpo e morrer no mundo espiritual ao encarnar. Esquece tudo e morre na terra quando desencarna. Volta ao mundo espiritual lembrando que morreu, passa o tempo devido e morre novamente lá, para nascer na terra. Tem que voltar na carne e deixar saudade nos espíritos que estão com ele no outro mundo. Uma cena do filme Nosso Lar mostra uma mulher voltando e um seu sobrinho, ainda por lá, chorando porque ela vai reencarnar. E olha que esta nem precisa segundo dizem, reencarnar mais. Mas ela quer adquirir experiência que só tem na terra, embora onde está seja quase tudo igual a terra. Apenas mais sofisticado, mais desenvolvido. Ela quer passar pela morte de novo sem precisar. E o espírito volta sabendo que vai esquecer tudo. Esquecer até que depois da morte há o mundo onde ele estava. Vai passar pela milionésima vez pela experiência terrível da morte. Vai deixar dor novamente naqueles com quem firmara laços de sangue e que também esqueceram o que vem depois da morte. Novo sofrimento. E este processo é eterno porque só os espíritos puros e perfeitos não precisam morrer mais para nascer na terra. Porem sempre haverá a morte. Tanto para sair de um mundo, como para voltar ao mundo. Na verdade os ciclos de reencarnação são ciclos de morte. É a morte que conduz o espírito. Morrer nascer, nascer morrer e este ciclo é eterno, porque sempre haverá espíritos morrendo (desencarnado) e espíritos encarnando, ou seja morrendo no além para morrer de novo na terra. Foi bom ter assistindo ao filme porque esta percepção eu não tivera antes, ao ler as obras espíritas. Na verdade achava até lógica a questão da reencarnação. Principalmente seria um meio para os que morrem antes de nascer ou que morrem antes de completar a idade da razão. Mas vejo que a mesma endeusa a morte. Embora sejam os primeiros a dizer que não há morte é a concepção de vida após a vida em que se morre mais. Outra coisa que não dizem ou entendem mal. Não é a pessoa que reencarna. É o espírito. Não será mais o Francisco, ou José, ou Maria. No filme diz uma personagem “É a mesma pessoa só que com outro corpo..." Mentira. O espírito reencarnando nasce falando uma outra língua, com uma visão de mundo diferente, em suma, ele volta como outra pessoa e não com um outro corpo. Se assim fosse ele lembraria pelo menos que teve algum anterior corpo antes. Afirmam que há casos em que certas pessoas lembram, mais elas lembram de um outro que não existe mais, que não tem nada em comum com ela na presente vida e alem disso lembram bem pouco. Então a reencarnação é a destruição da pessoa. A pessoa morre para sempre. E em cada encarnação surge uma outra pessoa. Isso eles não dizem. Não é um desenvolvimento pessoal. É um aniquilamento, isto sim. Da pessoa. De Seu corpo e sua personalidade. E o que nos Ensina Cristo. Digo Cristo, porque eles admiram muito Jesus e se consideram espíritas cristãos. Jesus diz categoricamente: "Os que forem considerados dignos de ter parte no outro mundo(...) não podem mais morrer, porque são iguais aos anjos e são filhos de Deus, tendo já ressuscitado." Lc. 20,36. Não podem mais morrer. Isto afirma Jesus. É o triunfo da vida sobre a morte. O ressuscitado não pode mais morrer. Não há mias morte para quem saiu deste mundo pela cruel experiência da morte. Há vida eterna. Nós cristãos católicos celebramos a vida e não a morte. Porque se morremos é para o Senhor que morremos. Não saiamos deste mundo para voltar a morrer, a morrer, a morrer inúmeras vezes. Deixamos o mundo para a vida eterna. Eis aí a grande diferença. Não cultuamos a morte. A até a própria morte como finalização da vida humana será banida para sempre após o juízo final. E livro do Apocalipse confirmando Jesus diz sem deixar nenhuma duvida."E não HAVERÁ MAIS MORTE, nem LUTO, nem choro, nem dor, pois O MUNDO ANTIGO JÁ PASSOU. Ap 21,4. Eis a nossa grande esperança. A nossa verdadeira vitória. Para os espíritas só não haverá mais morte em mundos superiores. Mas sempre haverá morte tanto no mundo de lá, para ir a outro planeta, como do lado de um mundo para outro. Cristo Jesus nos liberta da morte. Ele que venceu a morte para sempre nos dá a vida eterna. E nos teremos preservado o nosso eu. A nossa identidade atual. O Francisco será sempre o Francisco, embora possa melhorar muito ainda neste mundo, conhecer mais ainda no outro, pois verá a Deus tal como ele é, se for digno da ressurreição e da vida terna. Contemplará face a face a glória de Deus. Dou graças a Deus por haver visto este filme não pelo filme em si. Ele não passa de uma fantasia, de uma ilusão. Mas porque foi a partir dele que percebi esta característica silenciada entre os espíritas. A celebração da morte. Da morte constante, das idas e voltas na dor da separação, no esquecimento, da volta ao medo de morrer, de não saber que se tem outra vida, da dor que deixa inúmeras vezes nos que ficam chorando a morte de um ente querido. Um culto a morte. Na verdade isto é a reencarnação. A ressurreição é o triunfo da vida. Vida eterna trazida por Cristo, aquele que venceu a morte em si e para todos nós.

Nenhum comentário:

Postar um comentário