segunda-feira, 4 de abril de 2011

O CATOLICISMO GENUINO

Se perguntássemos aos católicos, o que os identifica como católicos, por certo, ouviríamos da esmagadora maioria, que se é católico porque se tem devoção aos santos e a nossa Senhora e se usa imagens. Isto é  o que nos de nós pensa a maioria dos cristãos não católicos. Estes, também , vêem o catolicismo como uma religião idólatra, o ressurgimento do paganismo disfarçado de cristianismo. Católicos seriam todos aqueles que colocam os santos e a Virgem Maria acima de Jesus. Para os católicos de nome, a sucessão Apostólica, o magistério Eclesiástico, os sacramentos, praticamente são desconhecidos, ou então quase não se dá  importância a estes.
Então o que nos identifica como católicos? O que é genuinamente católico? Cultuar as imagens dos santos e rezar a eles? Os ortodoxos que não são  católicos, os luteranos e os anglicanos também veneram imagens. Até as religiões africanas ao lado de seus caboclos e orixás, também veneram imagens dos santos católicos e até de Jesus e da Virgem Maria. Então não é esta a característica especifica do catolicismo. A Missa também é celebrada por igrejas cismáticas que não se reconhecem como católicas romanas. Mesmo sendo a missa, a principal forma de culto de adoração a Deus, na Igreja Católica, esta não  é especifica do catolicismo. Pois a celebram validamente os ortodoxos sem comunhão com o Papa.
O que identifica o catolicismo frente as outras comunidades cristãs, é a convicção de que a Igreja dos Apóstolos, não terminou com a morte do último apóstolo. Que esta é uma instituição visível e organizada, desde a era apostólica, até aos nossos dias, para o mundo todo , como o poder de interferência em toda igreja particular, através de um magistério assistindo pelo  Espírito Santo. Esta Igreja não se perdeu no tempo e na história, restado da  era apostólica, para os ortodoxos, apenas uma federação de igrejas autônomas, étnicas  e nacionais; para os protestantes apenas fieis crentes isolados  e a Bíblia com regra de fé absoluta, com se desta houvesse nascido a Igreja e não  o contrario. Foi a Igreja que nos deu a Bíblia. Pois primeiro Jesus falou e anunciou, e só depois de formada a Igreja, os apóstolos escreveram os livros do Novo Testamento. Também foi o Magistério da Igreja, quem definiu  os livros inspirados, usando o poder de ligar e desligar concedido aos Apóstolos. A Igreja católica proclama e se apresenta como a Igreja continuada na história , sem interrupção, sem divisões. Assumindo no decorrer do tempo novas formas de organização; adaptando-se as diversas culturas. Mas mantendo inalterada a doutrina apostólica. Desenvolvendo cada vez mais a compreensão de seus dogmas e doutrinas, mas nunca inventando algo estranho e jamais ensinado. É a Igreja que toma para si o dito de Jesus: "Quem me vos ouve a mim ouve.Quem vos rejeita a mim rejeita." Lucas 10,16. E  que continua fazendo sua as palavras dos apóstolos, reunidos em Jerusalém,  quando estes e os anciãos, interferiram na igreja local de Antioquia, determinando o que valeria para esta e para toda a Igreja em relação aos gregos. "Nós os apóstolos e anciãos reunidos decidimos não vos impor nada além  do que está escrito: Pareceu bem ao Espírito Santo e a nós..." Atos 15, 22-29.
É a Igreja Católica, presente no mundo todo, que não se idêntica pelo nome de uma localidade, embora muitas vezes seja dita romana, apenas por uma questão de manifestar a sua comunhão com o bispo desta diocese, que Pedro santificou com sua pregação e martírio, e da qual os bispos desta, tornaram-se sucessores do primeiro dos Apóstolos de Cristo, Pedro, confirmado pelo Espírito Santo. E que não tem o seu nome de um suposto reformador, como luterana, calvinista, ou de uma aspecto doutrinal,  como Batista, Adventista, Presbiteriana e muitos outros nomes. Enfim, é a Igreja que no credo professamos como Una ,Santa, católica e apostólica. Eis o que nos identifica como católicos. Cremos numa Igreja visível, desde os tempos dos apóstolos até aos nossos dias; organizada e presente em todo o mundo, com poder para definir normas, verdades da fé e punir aos que dela se afastem. Eis a originalidade do catolicismo. A mais importante. O sustentáculo de todas as outras:   A Igreja de Cristo não se tornou invisível com a morte do último dos apóstolos e nem ficou sem os sucessores destes, quando os mesmos morreram. A Igreja é visível e organizada e tem um magistério com autoridade assistido  pelo Espírito Santo. Pois foi a estes que Jesus se referiu quando disse aos apóstolos antes da Ascensão aos céus: "Eis que eu ESTOU CONVOSCO  até o fim do mundo." Mt 28, 16-20

Nenhum comentário:

Postar um comentário