quinta-feira, 7 de abril de 2011

O PECADO E OS PECADOS PESSOAIS

Estamos mais habituados a entender  o pecado apenas como um ato de transgressão a Deus. Uma desobediência. O que não deixa de ser correto. Porem não é so este o siginficado que tem o pecado. Nas cartas do Apostolo São Paulo, nos Evangelhos e na tradição apostólica, pecado tambem indica a ruptura defintiva entre Deus e os homens no inicio do surgimento da humanidade. Aquele que a Teologia denomina de Pecado original. Pois só este é a origem de todos os pecados pessoais, pois enfraqueceu  a natureza em relação ao bem supremo. Este  nos fez perder a vida divina em nós. A graça santificante. Por isto São Paulo afirma: "Em Adão todos pecaram." Neste caso pecado é mais uma situação, um estado, do que um ato pessoal de desobediencia. Indica impossibilidade de fazermos alguma coisa por nós mesmos que nos possa salvar. Sob este  sentido se esclerece todo o misterio da Redenção e as consequencias do pecado original. Não fomos punidos pecado pessoal de  de uma pessoa. No caso, o de Adão que cometeu um pecado pessoal e por isto todos foram punidos. Pessoas que não haviam nascido e que nada sabiam da desobedeincia de Adão. Esta acusação de injustiça é geralmente feita por todos que recusam o pecado orignal; é muito utilizada por espírtias e todas as correntes religiosas que não entendem o pecado original. Porém , quando compreendido em seu sentido biblico e teologico,  o pecado original, este mesmo, indica uma situação da qual não poderíamos nos salvos. Nos despojou de u mestado de comunhão com Deus. E não pelo fato apenas de um homem haver  mas de que a nutureza humana, a humanidade toda, ficou despojada da Comunhão com Deus. Entrou num estado de carencia marcada pelo dominio do mal, que consiste em renunciar ao bem supremo, Deus, em vista de um bem menor. Estando  esta ferida em sua propria natureza, a huminade,  não poderia salvar-se. Tudo o que fez de bom ou fizesse, estava manchado pelo amor proprio, pelo desejo do ter, do poder e do prazer. Percebe-se ao se compreedner o pecado como estado de impossiblidade de salvação, de ruputura, toda a  grandeza do misterio da Redenção. Para trazer de volta a graça divina, abolir a separação entre Deus e  as suas criaturas racionais, Deus assumiu uma natureza humana perfeita e completa. Um homem filho de Adão, pela natureza humana, mas não descendente  de Adão por geração e nem quanto  ao pecado. E pela obediencia perfeita deste homem fomos recolocados em estado de salvos. Nossas ações, nele e por ele novamente adquirem poder e valor, para nos conduzir à perfeição. O próprio Cristo nos disse: "Sede perfeitos como o vosso Pai celeste é perfeito." Embora a Redenção não nos tenha liberado da possbilidade de pecar, de amar mais  as trevas que a luz, de recusar o amor de Deus. Por isso há tambem os pecados. Estes são atos pessoais que causam o mal apenas a propria pessoa que os comete. Mas já não tem o poder de romper a aliança de toda a humanidade com Deus. Pois esta aliança eterna, que nos retirou do Imperio das Trevas e nos colocu sob o reino de Deus, foi realizada de forma definitiva por um só homem perfeito: Nosso Senhor Jesus Cristo. A Ele toda a glória!

Nenhum comentário:

Postar um comentário