quinta-feira, 20 de outubro de 2011

07 COISAS QUE TODO CATÓLICO DEVE SABER E PRATICAR




1. A Igreja Católica não é uma escolha igualmente válida entre muitas.
Cristo fundou uma só Igreja, que é o seu corpo e do qual ele é a  cabeça. Ele não disse fundarei as minhas igrejas. Mateus 16, 18. Desde o tempo dos apóstolos até hoje há apenas uma Igreja, a Católica, que tem no papa o sucessor de São Pedro, o primeiro entre os apóstolos, e nos bispos os sucessores dos apóstolos. Esta Igreja é a mesma desde o tempo dos apóstolos e nela não houve alteração da doutrina, apenas nova forma de expressa-la e maior compreensão das mesmas num desenvolvimento orgânico e harmonioso, sem rupturas e divisões, como aconteceu com os reformadores a partir do padre e  ex-monge e Lutero. Onde cada um fundou a sua Igreja e desta forma, mesmo que tenham só a Bíblia como única autoridade cada um se ver com autoridade pra interpretar a bíblia como quer; por isso entre eles há pastores, que apoiados na Bíblia aceitam o divórcio e até o casamento gay; além de recusarem algumas doutrinas e aceitarem outras. Só a Igreja Católica possui  unidade de governo e doutrina em todo mundo. As paróquias católicas não constituem novas igrejas como as ditas “denominações”  protestantes, pois nestas cada prédio  é uma igreja com um nome diferente, com organização e doutrinas próprias.  Mas Cristo só tem uma esposa. Uma só é a noiva do cordeiro e só a Igreja Católica se refere a si mesma com Católica e não tem o seu nome vindo de um homem, como os luteranos e os calvinistas, ou de uma nacionalidade como os anglicanos (Inglaterra)  ou de um aspecto de doutrina como os batistas, que só aceitam batizar adultos por imersão e há muitos outros exemplos semelhantes; Quando  na Bíblia há referências as igrejas, esta palavra indica os cristãos daquela comunidade e não outra instituição autônoma, com doutrina diferente  e não subordinada ao apóstolos. (Ap 2,29)  Veja : Mt 16:18; Atos 15; 1 Tm  3,5. 14-15:  CIC  (Catecismo da Igreja Católica)  74-100, 811-870
2. O Céu existe fomos criados para ele. Mas o podemos perder, infelizmente.
Deus nos criou para a Vida Eterna, para o Céu. Não são apenas os santos que vão para o céu. Ou melhor, todos que vão para o céu são santos, mesmo os que nunca serão declarados santos ou terão imagens suas nas igrejas. Somos chamados a Santidade. Jesus mesmo disse: “Sede santos, como o vosso Pai é Santo.” Mt  5,48 Se amarmos as trevas e recusarmos a luz ficaremos fora do céu, e isto é o inferno, que consiste em não aceitar a Deus e desta forma não ser apto para a vida com Deus. É uma possibilidade real afirmada por Jesus no Evangelho.
Veja : Lc 16:19-25; 1 Jo 3:2; 1 Cor 3:1; Mt 7:13-14; Ap 21,17; 1Pd 1,15; 1Ts 3,3   CCC (Catecismo da Igreja Católica)  1023-1037
3. Missa dominical é ainda obrigatória.
Quando a Igreja diz que os católicos devem ir à missa no domingo, isso significa que todos os domingos. Mesmo aos domingos, quando estamos em férias. Missa do dia 13 de cada mês ou na semana não vale. Domingo é o dia da Ressureição de Cristo e de adoração a Deus. Uma pessoa que só vai a missa quando quer não deve se declarar católica mas apenas batizada na Igreja.  Nunca devemos faltar à missa quando celebrada da forma correta (sim, por       que muitos padres estão alterado a forma de celebrar a missa transformando-a numa festa ou no comício politico.) E a missa é o sacrifico de Cristo, e o culto perfeito de adoração a Deus e não é do padre, para ele ser o centro e fazer tudo  o que ele quer;    se não tivermos a Santa missa da forma certa  em nossa paroquia, devemos ir a mais próxima ou pelo menos firmar o propósito de ir na ocasião oportuna. Quem se diz católico e não vai à missa aos domingos não deve mais se declarar mais católico, pois católico sem praticar a sua fé não é verdadeiro católico.
Confira: Hebreus 10, 25; CCC 2175-2183
4. Confissão ao padre no confessionário é uma obrigação.
Para aqueles em estado de pecado mortal – A recusa a um mandamento da Lei de Deus de forma consciente é pecado - a confissão é necessária para recuperar a graça santificante. Não podemos ser restaurados nas  relações com Deus, até que confessemos  os pecados, expressemos o verdadeiro arrependimento, e tendo uma intenção sincera de não mais pecar. Não basta confessar a Deus. É preciso confessa-lo ao padre a quem Cristo deu o poder para perdoar os pecados, porque o pecado é também uma separação da Igreja, e a confissão publica é reconhecimento de que pecamos e desejamos reatar nossa comunhão com Deus e com a Igreja.
Veja: Mt 16:19, ; Jo  20,22-23;Tg 5,16 CCC 277, 1422-1470, 1864, 2001
5. Todos os cristãos são obrigados a fazer orações e penitência.
Assim como sem alimento o corpo não vive, sem oração o Espirito morre. Pelo menos devemos agradecer a Deus pela manhã e a noite antes de deitar. São Paulo nos manda: “Orai sem cessar.” 1 Ts 5,17. O ideal seria rezar a Liturgia das horas que nos une a toda a Igreja e ao tempo litúrgico da Igreja: Advento, Quaresma, Pascoa e Tempo Comum.. A Penitência é a renúncia a alguma coisa licita por amor a Cristo. Consiste no jejum, principalmente nas sextas feiras de toda a quaresma ou na renuncia a algo que  for permitido. A principal penitência é dominar a nossa língua para evitar reclamações e a maledicência. E aceitar com paciência as contrariedades da vida.
Confira: Lc 5, 35; Mt 4, 2;  6,17;  Catecismo da Igreja Católica 1430-1433;1434-1439
6.  O Pecado existe e é o maior mal que fazemos a nós mesmos. Devemos viver uma vida santa conforme nos ensina a Igreja Católica.
Um católico não deve defender a pratica do aborto, o direito ao divórcio e o sexo sem compromisso entre pessoas solteiras; o adultério, a pratica de atos homossexuais, as orgias, bebedeiras, a desonestidade e a indiferença para com os pobres, principalmente se estes são católicos como ele. Marcos 7, 21-23.  Todos os que estão na Igreja Católica e faz tudo isto e dizem que ser católico é bom, porque pode fazer o quer, não são verdadeiros católicos e estão em perigo de perder a vida Eterna para a qual Deus os criou. Sexo não é uma coisa suja para a Igreja se for realizado após se receber o sacramento do matrimonio. Para a Igreja, a união entre um homem e uma mulher é um SACRAMENTO, ou seja, indica a união permanente entre Cristo e a sua Igreja. Desta forma todo católico ao casar deveria saber que tem como missão perante o mundo mostrar que ama sua esposa como Cristo ama a Igreja e é fiel a ela. E a esposa ama o marido e é fiel a ele como a Igreja ama Cristo e é fiel a Ele. Efésios 5,21-32.  O Casamento não é uma benção dada pelo padre ao casal. É verdadeiro compromisso assumido perante Deus pelos próprios noivos de viver este amor entre eles como imagem do amor de Cristo pela Igreja e da Igreja por Cristo.
7. A Leitura da Bíblia é útil ao católico e deve ser praticada regularmente.
A Bíblia é  um tesouro da Igreja. Pois a dela  veio a Bíblia e a ela  confiada; foi o magistério da Igreja quem definiu quais os Evangelhos e livros inspirados do Antigo e do Novo Testamento. Sem a Igreja, a Bíblia nem se quer existiria. Antes de ser escrita a Palavra de Deus foi anunciada pelos profetas e apóstolos. É recomendável e útil todo católico ler a Bíblia, principalmente o Evangelho do domingo antes de ir à missa. Bíblia não é o livro  do  protestante ou crente.  A leitura orante da Bíblia, dita em latim  Lectio divina, consiste em ler a Bíblia numa atitude de oração e silêncio diante da Palavra de Deus.



Nenhum comentário:

Postar um comentário