sábado, 4 de fevereiro de 2012

OS CATÓLICOS DEIFICAM MARIA?





Os Católicos tornaram Maria , a mãe de Jesus, uma deusa? Não! Mesmo que na religiosidade popular, a Mãe do Senhor, seja festejada de forma semelhante  como eram festejadas as deusas pagãs. Com procissões, a confecção de imagens e outros artigos representando a pessoa de Maria, como pequenos templos ou medalhas. (Atos 19,24) Mesmo que alguns títulos de Maria, estejam unidos apenas a um aspecto da vida humana, como Nossa Senhora dos Navegantes, ou Nossa Senhora da Saúde, parecendo que aquela Nossa Senhora, seria como uma deusa daquela situação apenas, e só conseguíssemos saúde se invocássemos a da Saúde e não outro titulo. Também isto, muito parecido com as deusas pagãs, que eram presas a um aspecto da natureza ou da vida, como Atenas, a deusa da Sabedoria ou Diana a Deusa da caça e da fertilidade. Mas tudo o que foi exposto antes, não prova que se substituiu as deusas pagãs pela mãe de Jesus? Não prova. E veremos por qual razão. 
Um aspecto  original do judaísmo é a fé num Deus único, e mais  isto: Num Deus de tudo. Deus criador dos céus e da Terra. Diferentemente dos pagãos, a quem não interessava uma unica divindade, mas milhares de deuses, tendo cada um poder sobre uma parte da natureza ou uma necessidade da vida. Netuno, deus do Mar, Afrodite , deusa do amor e tantos outros. Há uma fato interessante na vida de São Patrício, cristão e  evangelizador  da Irlanda. Tendo sido raptado por piratas, foi deixado na Irlanda que era pagã. Conversando com uma jovem ele disse que confiava que o seu Deus o haveria de salvar. E a jovem perguntou. Seu deus é o deus de Que? E ele responde. DE TUDO! Sim, o cristianismo trouxe a fé do judaísmo não só de um único Deus, mas em um Deus de Tudo. É o que professamos no salmo "A nossa proteção está no nome do Senhor, que fez o céu e a terra." (Salmo 124, 8) Deus de tudo, de toda a natureza, criador das coisas visíveis e invisíveis, como afirmamos no credo ou profissão da fé. A Igreja nunca, em nenhum momento, em nenhum concílio ou  escrito, afirmou que Maria é uma deusa da saúde, da paz, dos Navegantes e de outras coisas. Estes títulos indicam apenas que A Virgem intercede por estas pessoas ou pelas  necessidades de quem a invoca. Exprime a fé no poder de intercessão da mãe junto ao coração do Filho. Se para alguns santos, Jesus concedeu o dom de fazer milagres apenas para certo tipo de doença ou problema, para sua mãe, concedeu  o dom dos milagres para qualquer situação. Pois desta forma ele a honra no céu, já que na Terra, veio para fazer a vontade do Pai e sua missão estava acima do mandamento de honrar pai e mãe; por mais que ele a tenha amado e se preocupado com ela aqui na terra, porém não havia tempo, para se dedicar a ela como os filhos comuns. É desta forma que devemos compreender a mediação de graças de Maria. No sentido de que toda a Graça pedida por ela é  alcançada. E não que todas as graças pedidas a  Cristo só venham por meio dela,  porque a graça santificante, não veio por ela, mas unicamente por Cristo, inclusive para ela mesma.
Então os católicos engrandecem sim, a mãe do Senhor. Pode até isto ser visto como um endeusamento, mas não é uma deificação. Ou seja, Maria não é transformada numa deusa igual as deusas pagãs. O catolicismo cultua e engrandece Maria, por reconhecer que dentre todas as criaturas redimidas, ela é e foi a unica:
-Sempre Favorecida por Deus: Lucas 1, 28
-A Mãe do Senhor de Todos; Lucas 1, 43
-Aquela em que Deus fez grandes coisas; Lucas 1,49 
-A Serva do Senhor. Lucas 1, 38
-A  unica que, todas as gerações que existirem na terra, proclamarão bem-aventurada e bendita. Lucas 1,42.48
- E a mãe a quem Jesus, na pessoa do discípulo amado, nos entregou para ser a nossa mãe e nós os seus filhos. João 19, 28
Pode parecer pouca coisa, se comparado ao culto intenso e universal, com tantas festas e nomes da Virgem Mãe de Cristo, dirão alguns. Mas nestas poucas palavras está resumido o tudo o que poderia ser dito de uma simples criatura humana e que não foi dito de nenhuma outra. Nem de Paulo, o grande apostolo, e de nenhum dos apóstolos. Deus em poucas palavras,  revelou a grandeza singular e a dignidade ímpar de Maria Santíssima. Natural é que o cristianíssimo ao se espalhar por um mundo pagão cheio de deuses e também de deusas adotasse alguns aspectos do culto a estas deusas para Maria. Porem, mas admirável ainda e não te-la deificado, ou tornando uma deusa apesar disto. Pois o católico com menor conhecimento da doutrina católica nunca dirá que Nossa Senhora é o Deus criador de todas as coisas. Nem mesmo que foi ela quem morreu para nos salvar. E estejamos certos, se o Espirito Santo não nos tivesse dado Maria, ainda hoje estaríamos adorando as deusas pagãs como os ourives em Éfeso,  que gritaram para São Paulo e o expulsaram da cidade: 'Grande é a Diana dos Efésios!" (Atos 19, 27-35) Séculos depois, em 431, nesta mesma cidade os bispos da Igreja católica, confirmavam que a Bendita Virgem de Nazaré, irmã nossa pela natureza humana, era verdadeira mãe de Deus, porque dela e por ela veio o Verbo de Deus, o Filho , Deus verdadeiro do Deus Verdadeiro, segundo a natureza humana. E a Diana dos Efésios perdeu sua grandeza e hoje está  esquecida por todos.
Tudo para a Glória do único e Verdadeiro Deus, a quem Maria proclamou, como aquele que fez grande coisas por ela e cujo o nome é Santo. Lucas 1,49.


Os Católicos tornaram Maria , a mãe de Jesus, uma deusa? Não! Mesmo que na religiosidade popular, a Mãe do Senhor, seja festejada de forma semelhante  como eram festejadas as deusas pagãs. Com procissões, a confecção de imagens e outros artigos representado a pessoa de Maria, como pequenos templo ou medalhas. (Atos 19,24) Mesmo que alguns títulos de Maria, estejam unidos apenas a um aspecto da vida humana, como Nossa Senhora dos Navegantes, ou Nossa Senhora da Saúde, parecendo que aquela Nossa Senhora, seria como uma deusa daquela situação apenas, e só conseguíssemos saúde se invocássemos a da Saúde e não outro titulo. Também isto, muito parecido com as deusas pagãs, que eram presas a um aspecto da natureza ou da vida, como Atenas, a deusa da Sabedoria ou Diana a Deusa da caça e da fertilidade. Mas tudo o que foi exposto antes, não prova que se substituiu as deusas pagãs pela mãe de Jesus? Não prova. E veremos por qual razão. 
Um aspecto  original do judaísmo é a fé num Deus único, e mais  isto: Num Deus de tudo. Deus criador dos céus e da Terra. Deferentemente dos pagãos, a quem não interessava uma unica divindade, mas milhares de deuses, tendo cada um poder sobre uma parte da natureza ou uma necessidade da vida. Netuno, deus do Mar, Afrodite , deusa do amor e tantos outros. Há uma fato interessante na vida de São Patrício, cristão e  evangelizador  da Irlanda. Tendo sido raptado por piratas foi deixado na Irlanda que era pagã. Conversando com uma jovem ele disse que confiava que o seu Deus o haveria de salvar. E a jovem perguntou. Seu deus é o deus de Que? E ele responde. DE TUDO! Sim, o cristianismo trouxe a fé do judaísmo não só de um único Deus, mas em um Deus de Tudo. É o que professamos no salmo "A nosso proteção está no nome do Senhor, que fez o céu e a terra." Deus de tudo, de toda a natureza, criador da coisas visíveis e invisíveis, como afirmamos no credo ou profissão da fé. A Igreja nunca, em nenhum momento, em nenhum concílio ou  escrito, afirmou que Maria é uma deusa da saúde, da paz, dos Navegantes e de outras coisas. Estes tútulos indicam apenas que A Virgem intercede por estas pessoas ou pelas  necessidades de quem a invoca. Exprime a fé no poder dei intercessão da mãe junto ao coração do Filho. Se para alguns santos Jesus concedeu o dom de fazer milagres apenas para certo tipo de doença ou problema, para sua mãe, concedeu  o dom dos milagres para qualquer situação. Pois desta forma ela honra no céu, já que na Terra veio para fazer a vontade do Pai e sua missão estava acima do mandamento de honrar pai e mãe; por mais que ele tenha amado e se preocupado com ela aqui na terra, porém não havia tempo se dedicar a ela como os filhos comuns. É desta forma que devemos compreender a mediação de graças de Maria. No sentido que toda a Graça pedida por ela é  alcançada. E não que todas as graças pedidas a  Cristo só venham por meio dela,  porque a graça santificante, não veio por ela, mas unicamente por Cristo, inclusive para ela mesma.
Então os católicos engrandecem sim, a mãe do Senhor. Pode até isto ser visto como um endeusamento, mas não é uma deificação. Ou seja, Maria não é transformada numa deusa igual as deusas pagãs. O catolicismo cultua e engrandece Maria por reconhecer que dentre todas as criaturas redimidas, ela é e foi a unica:
-Sempre Favorecida por Deus: Lucas 1, 28
-A Mãe do Senhor de Todos; Lucas 1, 43
-Aquela em que Deus fez grandes coisas; Lucas 1,49 
-A Serva do Senhor. Lucas 1, 38
-A  unica que, todas as gerações que existirem na terra, proclamarão bem-aventurada e bendita. Lucas 1,42.48
- E a mãe a quem Jesus, na pessoa do discípulo amado, nos entregou para ser a nossa mãe e nós os seus filhos. João 19, 28
Pode parecer pouca coisa, se comparado ao culto intenso e universal, com tantas festas e nomes da Virgem Mãe de Cristo, dirão alguns. Mas nestas poucas palavras está resumido o tudo o que poderia ser dito de uma simples criatura humana e que não foi dito de nenhuma outra. Nem de Paulo, o grande apostolo, e de nenhum dos apóstolos. Deus em poucas palavras,  revelou a grandeza singular e a dignidade ímpar de Maria Santíssima. Natural é que o cristianíssimo ao se espalhar por um mundo pagão cheio de deuses e também de deusas adotasse alguns aspectos do culto a estas deusas para Maria. Porem, mas admirável ainda e não tê-la deificado, ou tornando uma deusa apesar disto. Pois o católico com menor conhecimento da doutrina católica nunca dirá que Nossa Senhora é o Deus criador de todas as coisas. Nem mesmo que foi ela quem morreu para nos salvar. E estejamos certos, se o Espirito Santo não nos tivesse dado Maria, ainda hoje estaríamos adorando as deusas pagãs com os ourives em Éfeso,  que gritaram para São Paulo e o expulsaram da cidade: 'Grande é a Diana dos Efésios!" (Atos 19, 27-35) Séculos depois, em 431, nesta mesma cidade os bispos da Igreja católica confirmavam que a Bendita Virgem de Nazaré, irmã nossa pela natureza humana, era verdadeira mãe de Deus, porque dela e por ela veio o Verbo de Deus, o Filho , Deus verdadeiro do Deus Verdadeiro, segundo a natureza humana. E a Diana dos Efésios perdeu sua grandeza e hoje está  esquecida por todos.
Tudo para a Glória do único e Verdadeiro Deus, a quem Maria proclamou, como aquele que fez grande coisas por ela e cujo nome é Santo. Lucas 1,49.

2 comentários:

  1. Eu queria saber se você poderia disponibilizar um livro de Santa Joana d'Arc pra mim, sou muito curiosa para conhecer a história dela. Caso tenha me envie por e-mail por caridade: alencaryas@gmail.com

    Deus lhe pague.
    Yasmin Alencar

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Yasmin, tenho vários livros sobre Santa Joana d´Arc, mas não há nenhum no computador. Fiz uma novena com o resumo da vida dela. Mandarei esta por email.
      Cordialmente
      Francisco
      Eu vos recomendo à proteção de Deus.
      +Jesus-Maria+

      Excluir