terça-feira, 3 de abril de 2012

NA MORTE DE CRISTO, TEMOS A VIDA EM PLENITUDE.

Jesus disse aos seus discípulos e ao povo: "Eu vim para que todos tenham Vida e a tenham em plenitude!"  João 10,10. Como devemos entender estas belas palavras de nosso mestre? Ou melhor, como a entenderam os apóstolos e a Igreja do Senhor? Em que consiste a verdadeira vida? Por todo o texto em que estas palavras estão coladas, percebe-se que Jesus se refere sempre à vida como fé nele. (Cf. Jo 5, 26.39-40; 6, 40-47; 11,25; 17,3) Pelas parábolas de Jesus, sobre rico e o mendigo lázaro (Lucas 16 19) e do homem que com abundância de bens, (Lucas 12, 18; ) pensou em aumentar seus celeiros, para colocar mais bens, entendemos  que Jesus não entende que a vida em plenitude fique restrita aos bens materiais. Ele também disse: "quem é capaz de aumentar um dia à sua vida" e "...a vida de um homem não depende dos bens que possui."

Os ricos pensam que possuem vida plena. Podem gastar como quiser, comprar o que quiser. Mas nenhum dinheiro no mundo comprar a paz da consciência e como disse o salmo não libera o homem da morte, pois tanto morre o pobre como o rico.  A Igreja sempre compreendeu que a vida a que Jesus estava se referindo não consistia em viver de modo melhor, com menos dificuldades, acumular bens, como pregam certas correntes cristãs da prosperidade. Entendeu Vida como estado espiritual de quem está pleno de Deus. Repleto da confiança em Deus que liberta do pecado e perdoa. Daquele que não põe sua confiança no poder dos homens que mandam no mundo, porque nenhum deles é capaz de salvar. Dos verdadeiros humildes, que não o são por ausência de bens materiais ,mas pela ausência da soberba, e pela plena confiança e amor a Deus. Aqueles a quem a Santa Mãe de Deus se refere como os  " os humildes ( que Deus exaltou) e derrubou os soberbos nos pensamentos de seu coração."Por certo há muito pobre socialmente falando cheio de soberba e ansiosos por ter muitos bens. Que gostariam de ganhar o mundo inteiro em fama e poder. Que se revoltam com sua condição de pobreza material, mas não  com a injustiça social, porque ao chegar no topo ou ficarem ricos, se esquecem dos pobres e muitas vezes agem pior dos que aqueles que nasceram na riqueza. Quantos ricos abandonaram tudo por causa do Evangelho. Se fizeram monges  pobres. Santo Tomás de Aquino e São Bernardo são penas dois exemplos entre muitos.
A que vida Jesus se refere, se também ele mesmo disse, quem ama esta vida  NESTE MUNDO, vai perde-la, mas que perde-la  por causa de mim vai ganha-la? João 12, 25.

Para Jesus vida é mais do que uma situação econômica e social boa. Até mesmo digna. O Filho do homem, ao contrário   das  aves  do céu e das raposas com suas tocas, não tinha onde repousar a cabeça. Vida é plenitude. É eternidade. É ausência do pecado. É amor a Deus acima de tudo o que é material. Se os ricos soubessem o valor desta vida que Cristo nos garante, sim, porque ele é a verdade e jamais nos enganaria, teriam o  coração desapegado de seus bens. Usufruiriam apenas do necessário e desta forma não havendo ganância por ajuntar cada vez mais, como o rico da parábola, os bens seriam abundantes e aliviariam a miséria de muitos. Principalmente dos irmãos na fé. Por certo não é justo, nem em conformidade com a vontade de Deus que muitos tenham tanto, mesmo precisando de tão pouco e milhares não tenham quase nada. Mas não serão as ideologias materialistas, as lutas de classes, os partidos políticos, os socialistas,  que irão garantir um mundo mais justo e fraterno. Só por meio da fé em Cristo, da adesão pessoal à sua pessoa é que se pode chegar a imitar o exemplo de Zaqueu. (Lucas 19,8) Repartir metade de seus bens com os pobres. E porque Zaqueu agiu assim? Porque havia entrado em sua casa não só aquele que veio nos trazer a vida eterna, mas a própria Vida: Cristo Jesus. Ele não  era apenas o portador de uma mensagem: "Que  todos devem ter vida em plenitude." Ele é a Vida "Eu sou a ressurreição e a Vida. Aquele que crer em mim nunca morrerá" Os mártires morreram. Como não imaginar que eles ficassem se perguntado, que vida foi esta que nos trouxe o Filho de Deus? Não dissera ele no Evangelho, "Eu vim para que todos tenham vida e nos somos perseguidos e mortos por causa de seu nome?" E os apóstolos também sofreram perseguição e morte. Se para estes, vida fosse uma situação de conforto e abundância na terra, por certo teriam desistido de continuar crendo e anunciando Jesus. Pois veriam que haviam sido enganados. Sabiam à que vida Jesus estava se referindo. A vida que nasce do amor a ele, que vem por meio dele e que nos induz a agir como ele. No amor aos pecadores, no amor aos inimigos e até mesmo no amor aos ricos, porque  até estes podem espiritualmente,  ser mais desapegados de seus bens, e por graça de Deus, deixa-los por amor de Cristo, do que muitos pobres materialmente falando, que não tem outro objetivo na vida a não ser ficar rico. As apostas em casas lotéricas o comprovam.
A vida em plenitude, que Jesus diz ter sido o motivo de sua vinda ao mundo, não é para este mundo, mas começa neste mundo. E começa pela fé em Cristo. "Aquele que crer em mim tem a vida eterna" E transforma a vida das pessoas neste mundo. É vida espiritual , mas não significa também deixar de ver o sofrimento dos pobres; as injustiças sociais; significa assumir pela fé e o amor a Cristo e por Cristo o amor  ao pobre. E também a pobreza. Sim. Esta tão temida e  rejeitada  pobreza. Muitos para livrar-se dela lutam para  que o Estado se torne o unico rico e poderoso, a fim de tirar as pessoas da miséria. E terminam por socializar a pobreza e não a riqueza. E acabem fazendo como Esaú. Vendendo por um prato de lentilhas a sua dignidade de filhos de Deus e  tornando-se escravos da ditadura do Estado.  A vida em plenitude é a Vida de Cristo em nós e nossa vida em Cristo. O que nos leva a dizer como São Paulo: "Tudo o mais, considero como escória, para ganhar Cristo Jesus." Fl 3,8. É a agir com o pensamento de São Pulo: "Já que nada trouxemos para este mundo também nada dele levamos. Tendo o que comer e o que vestir demo-nos por satisfeitos. "1Tm 6,7
Jesus nos deu esta vida, que dura até a vida eterna, no alto da Cruz. Por sua morte é que recebemos Vida e vida em plenitude. Vida que nenhum  poder do mundo será capaz de nos tirar e que nenhum poder do mundo, por mais que faça obras sociais que melhorem a condição dos mais pobres, será capaz de nos dar. Porque esta Vida é Cristo! Veio com ele e por ele vem até nós. E vem por meio da fé. Quem crer tem a vida eterna. Eis a vida em abundância que Cristo afirma ter sido a razão de sua vinda ao mundo.



Nenhum comentário:

Postar um comentário