segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Lutero e a doutrina do livre-arbitrio‏

A Igreja Católica defende a doutrina que Deus nos deu livre-arbítrio,e é o que nos torna responsáveis por nossos atos.É também o que permite que sejamos premiados ou castigados,porque um ser sem liberdade não é responsável,e não pode ser premiado,nem castigado.
Lutero negou o livre-arbítrio,a tal ponto,que escreveu um livro intitulado “o Servo arbítrio .“
Sobre o livre-arbitrio:
“Nenhum dos meus livros,é tão bem fundado como  meu servo arbítrio “
“Se Deus está em nós ,o diabo não está ,e não podemos querer senão o bem;se Deus não está,o diabo está e nós não podemos querer senão o mal”.
“Sem esta doutrina(de uma vontade humana escravizada)julgaria dever sempre atormentar-me na incerteza,minha consciência não se sentiria nunca em repouso;oferecesseem-me a liberdade de meu querer  e eu não aceitaria”
“Deus é,obrigatoriamente,um Deus  sob cuja decisão tudo se realiza.Os próprios pagãos não atribuíam a Júpiter uma vontade suprema que chamam Fatum(o destino)?Não reconheceram que nenhuma vontade humana pode se subtrair-se a  esse jugo eterno?O poder supremo de Deus ,somando a sua presciência eterna,fazem desaparecer obrigatoriamente uma razão agindo sobre nós “(De servo arbítrio,1525)
“Sua vontade era dirigida por Deus;Deus o movia com poder supremo”(sobre a traição de Judas)
Sobre as boas obras:
As obras de Deus vem do alto,são de caráter exclusivamente celeste e nos encaminham para as felicidades eternas;as obras humanas são e se conservam exclusivamente terrestres ,nada influem na nossa salvação depois da morte”
  Sobre a predestinação:
“Se o Senhor ,lemos no Evangelho segundo Marcos,não tivesse abreviados os seus dias,nenhum homem teria sido salvo,mas ele  abreviou os seus dias por causa dos eleitos que escolheu”(Mc Xll,20)
“Quando penso na predestinação,tomo Deus por um malfeitor e um carcereiro”(Propos de table,n.1 820)
“A idéia da predestinação,quando nos vem atormentar é como um fogo inextinguível,quanto mais se vira e revira,mais nos desespera .”
Como se explica que esse homem,de alto grande valor de seu tempo,possa ter sido enrodilhado nessa confusão ,nesse tumulto de concepções  e de teorias a um tempo nefastas,ridículas,hediondas e contraditórias? Pior ainda!!! Ainda se encontra elogio feito a Lutero,não por um ferrenho luterano,ou por um protestante de qualquer seita,mas.. pasmem!..por um sacerdote!!!
Consultor e influente personagem do Concílio Vaticano ll:o Pe.Yves Congar!
Eis o que disse de Lutero,o Pe. Congar:
“Lutero é um dos maiores gênios religiosos de toda a história.Eu o coloco,sob este aspecto,no mesmo nível de Sto. Agostinho,de S.Tomás de Aquino ou de Pascal.De certa forma,ele é ainda maior (Pe. Y.Congar)
(LE Monde,29-3-75,apud Lex Orandi:La Nouvelle  Messe et La foi –Daniel Raffard de Brienne 1983)   
 Se Lutero é realmente “superior” em genialidade religiosa a Sto.Agostinho e a S.Tomás, a quem o pe.Congar afirma,sendo sua doutrina tão oposta  à doutrina destes dois santos, ,queria expor a doutrina do livre-arbitrio e a liberdade cristã.
 Que o homem é livre,é uma afirmação tão antiga quanto o próprio pensamento cristão.A insistência com a qual os Padres da Igreja ressaltam a importância dessa idéia deve no entanto reter inicialmente nossa atenção ,assim como a natureza muito especial dos termos com que eles o fizeram.
Ao criar o homem,Deus lhe prescreveu algumas leis,mas deixou-o senhor para prescrever a sua,no sentido de que a lei divina não exerce nenhum constrangimento sobre a vontade do homem.Deus criou o homem dotado de uma alma racional e de uma vontade ,isto é, com o poder de escolher análogo aos dos anjos,já que os homens,como os anjos ,são seres dotados de razão.Fica estabelecido portanto,desde esse momento,que a liberdade é uma ausência absoluta de constrangimento,inclusive em relação a lei divina;que ela pertence ao homem pelo fato  de ser ele racional e se exprimir pelo poder de escolha que sua vontade possui:liberdade, razão,poder de eleição.
Para salientar ,o que importa é querer ser livre;Santo Agostinho vê portanto uma atestação do livre-arbítrio  em todos os textos das Escrituras –e é sabido que são inúmeros –nos quais Deus nos prescreve ou nos proíbe fazer e querer estas ou aquelas ações.Aliás,isso não e´apenas na verdade religiosa,uma peça indispensável da economia da salvação ,é também uma evidência que a experiência interior atesta a cada instante.A vontade é “dona de si mesma”,está sempre “em seu poder”querer ou não querer ,nada está “mais imediatamente à disposição da vontade do que ela mesma”:são fórmulas  que atestam a inseparabilidade natural do querer e do seu ato.É por nascer dela e exprimi-la que o ato da vontade é sempre livre.
Essa primeira liberdade  é essencial.É o que os filósofos cristãos exprimem positivamente,identificando o livre-arbítrio com a vontade,ou melhor,com o ato de escolher que a vontade exerce;porque  quando ela escolhe,ela quer;se ela quer ,é ela que quer,mas também poderia não querer.Na filosofia  de Aristóteles, é verdadeiro dizer que a escolha é essencialmente voluntária,mas ela própria indica,que,se a deliberação racional não precedesse a decisão do querer,esse ato não seria uma escolha verdadeira.Privada  do conhecimento intelectual que a esclarece,a vontade se degradaria ao nível de um apetite animal.
É o que São Tomás ,fiel a uma das exigências profundas do aristotelismo ,sustenta que a escolha é essencialmente um ato de querer ,que o livre-arbítrio depende diretamente da vontade,ou melhor,que ele é a própria vontade.Deste modo,não se pode descrever completamente a livre escolha sem a decisão voluntária que sanciona o juízo da razão,nem sem esse juízo que a vontade sanciona.
É preciso discenir antes  que o livre-arbítrio é um poder físico,logo inamissível,que não se perde,ao passo que a liberdade de fazer o bem se perdeu(Rm Vll,18) . Com a graça  se afeta profundamente o livre-arbítrio.Ela modifica o seu estado,na medida que o confirma e o cura.O próprio livre-arbítrio pela graça ,se torna potência e conquista sua liberdade.
Assim,convidamos dar ênfase  à raiz do livre-arbítrio,que é a espontaneidade do querer,a liberdade que  reside na vontade.Foi neste ponto preciso que a doutrina cristã da liberdade do querer pela  graça penetrou na análise do livre-arbítrio para modificar  profundamente sua estrutura ;colocando a questão num terreno religioso,os Reformadores  protestantes não podiam deixar de se interessar pelo poder do livre-arbítrio e,como o livre-arbítrio não pode nada sem graça,não lhes restava outro recurso senão negá-lo.O De servo arbítrio de Lutero é a expressão mais completa dessa atitude:um querer que perdeu todo o seu poder ,perdeu toda a sua liberdade.
Embora o poder do livre-arbítrio reclamava seus direitos,nenhum filósofo cristão podia conceder a Lutero que toda a questão se resumisse a isso.É por isso que, sem nunca  sacrificar a raiz da livre-arbítrio,chamemos a atenção para a natureza da causa desta,que a razão.O tomismo afirma que longe de destruir o livre-arbítrio,a infalibilidade do juízo exalta a sua liberdade.Tomemos como exemplo o caso dos Anjos.Vendo Deus face a face,não apenas eles não podem querer,como não podem nem mesmo se enganar sobre as escolhas dos meios a utilizar para louvar a Deus e a servi-lo.Ora,longe de prejudicar o livre-arbítrio,a infalibilidade das suas escolhas atesta a perfeição deste.Assim,ele é mais perfeito nos Anjos ,que não podem pecar,do que em nós,que podemos pecar.Assim eles são mais perfeito em sua causa ,que é a própria inteligência ,porque onde há inteligência há livre-arbítrio ,e quanto mais há inteligência ,mais há liberdade.
Notemos que todas as morais cristãs da Idade Média,como os Padres da Igreja ,em que se inspiraram,repousam na afirmação de um livre-arbítrio indestrutível como seu fundamento necessário.Toda essa filosofia dá ênfase à importância do poder e do lugar que ele ocupa na definição do ato livre. Pelo fato de ser cristã,se compreende a  espontaneidade de um querer cuja liberdade é feita pela eficácia para a verdade e para o bem.

Ednardo Cordeiro

Nenhum comentário:

Postar um comentário