terça-feira, 23 de julho de 2013

NAÇÃO CATOLICA E ESTADO LAICO

         Dados estatísticos apontam o Brasil com a nação mais católica do mundo. Mesmo o Estado não tendo uma religião oficial, percebemos que há no Brasil feriados religiosos que contemplam os católicos, como dias dos padroeiros nos municípios, estados e na federação, como o feriado de Nossa Senhora da conceição, a Aparecida, padroeira do Brasil. Porem, em questões da moral cristã o Brasil e até mesmo os ditos católicos brasileiros, em sua grande maioria, não segue a doutrina da Igreja. Principalmente em relação à moral sexual. E também quanto ao respeito pela vida pela família entendida como a união indissolúvel entre um macho e uma fêmea.

         Recentemente o congresso aprovou uma lei que na pratica facilita o aborto. Grupos católicos conservadores pedem o veto total a esta lei enquanto a própria Conferência dos Bispos do Brasil solicitam apenas o veto a dois artigos. Muitos que não  são católicos poderiam argumentar que como o Estado é laico competiriam a Igreja católico formar as mulheres da Igreja a não fazer o aborto. Se fossem realmente católicas as que se dizem tais, esta lei não as atingiria. Acontece que no Brasil e ate de forma geral no mundo  o que é legal é aparentemente correto, já que não implica em punição se praticado. O Estado dá o seu consentimento para uma ação que perante a lei de Deus é má e  além de ser um crime.  E o povo entende que se é  lei então não há nenhum mal. E ainda, o Estado cria uma dificuldade para os profissionais na área de saúde  que sendo católicos não poderiam obedecer a uma lei que autoriza o aborto e para o próprio Estado, ao ter que acatar a abjeção de consciência que o mesmo perante a grande maioria de católicos, já  deseja abolir. O Estado não pode obrigar  pessoas a agir contra a sua consciência. Um chefe de Estado não pode se católico, agir como se não o fosse, afinal ele tanto é católico como cidadão, como chefe de Estado.

         Jesus é Senhor também das nações e dos governos. Uma nova Cristandade será guiada pela moral do Evangelho em todos os aspectos políticos, econômicos, sociais e morais. Não se trata de uma unificação do Estado com a Igreja, mas de uma subordinação das leis ao Evangelho. A doutrina de Cristo. É incoerente uma nação apresentar-se como cristã e católica em sua maioria e agir com se não fosse. Afinal,  cristianismo não é devoção popular, romarias e promessas. É muito fácil ser católico fazendo só isto. Santa
         Joana d´Arc por sua missão militar e política nos deu mensagem que os governos de todos os países pertencem a Cristo e o mesmo disse a Pilatos. “Nenhum poder terias sobre mim se doa alto não te fosse dado.”  São Paulo também afirma que toda a autoridade vem de Deus. Por isto os maus governos, sempre foram entendidos na doutrina cristã como punição aos povos que não vivem em conformidade com a vontade de Deus.

         Nação católica e Estado laico é uma incoerência. Traz problemas para o Estado,  e para os católicos e para a Igreja. O Estado deve ser cristão  e católico por suas leis  cristãs e a Igreja livre e soberana. Este é o  ideal da nova Cristandade, e suplicamos a Deus que venha ao Brasil e ao resto do mundo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário