terça-feira, 27 de agosto de 2013

MORTOS E INTERCESSÃO

  

    Os Protestantes admitem que os crentes vivos rezem ou orem por outros crentes vivos. Mas recusam definitivamente a intercessão dos crentes mortos, mesmo que estejam no céu junto do Senhor. Por isto, recusam invocar a intercessão de Maria, dos Apóstolos; no caso dos anjos eles pedem a Deus que mandem seus anjos protege-los.    Se os Anjos, que não são oniscientes e onipresentes, podem ajudar os mortais nesta Terra, porque os servos de Deus, os que creram em Jesus e o serviram nesta Terra, não podem nos ajudar? Deus se serve dos anjos para que estes possam servir aos que vão herdar a salvação. Hb 1,14; At 10,22; 27,23  porque deixaria de servir-se dos santos que já saíram deste mundo? Os protestantes justificam sua recusa em pedir a intercessão dos santos mortos porque não encontram na Bíblia o exemplo de um vivo recorrendo à intercessão dos mortos crentes. Porém, na Bíblia, há o exemplo do batismo pelos mortos (1 Cor 15, 29) e nenhuma seita protestante que eu conheça, mantém este costume, que não foi abolido em nenhum livro da Bíblia e muitos outros, indicando que nem tudo que está na Bíblia se faz e que muito do que  estes fazem, também não consta na Bíblia, como registrar marcas de  "igrejas" em cartórios, tirando CNPJ e alugar prédios com placas  de pitorescos nomes, para reunir fieis e propagar suas doutrinas. Os Anjos tem o conhecimento do arrependimento de um pecador, como afirma Jesus. (Lc 15,10) Ora, arrepender-se é algo primeiramente interior, que só quem sente sabe. E mesmo assim os anjos se alegram por um pecador arrependido e estes não  são oniscientes. Porque os crentes que serviram a Cristo e estão no céu, não poderiam saber o mesmo?

   Também os protestantes não entendem porque pedir ao santo para interceder a Deus se eu posso me dirigir a Deus. Poderiam perguntar por que Paulo pedia aos cristãos para rezar por Ele  em suas cartas, se ele foi um grande instrumento de Deus e em nome de Jesus realizava grandes milagres. Esquecem eles que esta justificativa não anula a intercessão dos mortos, mas até a dos vivos pelos vivos, já que todos podem rezar diretamente a Deus e ninguém poderia pedir a outro para rezar por ele. Quando afirmamos que no céu os santos rezam por nós, não é que eles estão sempre diante de Deus pedido por fulano ou  sicrano, como se Deus fosse um presidente que atendesse seus ministros em favor dos outros.  Na realidade espiritual, em que espaço e tempo diferem deste nosso tempo e espaço, tudo é diferente. Se usamos esta expressão Rogar ou interceder é para salientar que o poder de um santo  vem sempre de Deus e não do  próprio Santo.  Certo é que no céu os santos atendem diretamente os pedidos de oração que Deus os faz conhecer.

   Na Terra São Paulo fazia milagres sem precisar rezar a Jesus dizendo:  "Jesus faça o milagre deste paralítico andar." Mas dizendo: "Levante-se e  ande"  At 14, 8-10. Jesus disse que deu poder aos 72 discípulos e aos crentes. Mc. 16, 17. Os santos fazem milagres em nome de Jesus pelo poder que receberam dele. Não o fazem mais em favor deles; na verdade não  há um só milagre feito por meio de Paulo para ele mesmo, mas para os outros. Porque no céu, junto de Cristo, Paulo não faria milagres em favor dos vivos? Só porque isto justificaria o culto aos santos na Igreja Católica? Parece que sim. Admitir que nossos irmãos no céu podem nos  ajudar, por vontade de Deus, os  irmãos na Terra, faria com que  aceitassem que a Igreja está certa e que nunca errou em permitir a invocação dos santos. Na verdade aos honramos os santos reconhecemos que Deus age neles como agia no Apóstolo Paulo neste mundo. Atos 19, 11
Postado por Prof. Francisco Castro

Nenhum comentário:

Postar um comentário