domingo, 9 de novembro de 2014

Missa: O Rito e os novos ritos


 A Missa sob qualquer Rito é a memoria ou atualização do único e eterno sacrifico de Nosso Senhor Jesus Cristo no Calvário para remissão do pecado. Compete ao rito tornar mais evidente, o mais claro possível esta ideia de Sacrifício. Quanto mais aparecer o Calvário, o sacrifico, mas o rito é fiel ao significado da Santa Missa.

            Porem se por missa entender-se o encontro da comunidade para louvar, cantar e rezar compreende-se a variação do rito. Porque não se oferece a Deus um sacrifico, mas se propicia aos homens um encontro em comum com Deus. E esta é a ideia da Santa Ceia protestante; se reúnem pra recordar um ceia que Cristo realizou no passado. O Centro é a Assembleia e não Cristo que se doa e oferece ao Pai.  Por isto não há Santa ceia sem povo. Mas poderá haver sacrifício sem povo. Para haver uma missa basta o sacerdote que oferece a missa e a vitima. No caso a Igreja Católica sempre ensinou que o Sacerdote único é Cristo que age pelo sacerdote ou pelo padre e a vitima é também o próprio Cristo. Não havia necessidade de haver plateia no calvário para que houvesse o sacrifício de Cristo; bastava ele mesmo e Deus. Por isto, no passado havia a missa sem povo.

            Outra questão é a língua da missa.  Se a missa é para Deus não importa que seja num idioma entendido por todos. É ate mais conveniente que não seja assim  pois se evita dos padres colocarem tantas papalvas  desnecessárias na hora da missa. Cristo quando quis se dirigir ao Pai na hora de sua morte falou em uma língua que só Deus entendia. (Mt 27,46;Mc 15,34;) Porque Deus entende todas as línguas e o  que importa não é entender as palavras mas compreender o sentido. Os santos do passado  entediam  muito mais o sentido da missa, celebrada em latim,  do que muitas pessoas de hoje.

            Se a missa é oferenda de uma vítima a Deus não podem estar todos voltados para uma pessoa que prega. Isto é culto protestante não é missa. Devem estar todos voltados para a mesma direção. Não é para uma parede. Mas para o Altar.  De frente para Deus. O judeu quando queria orar a Deus ficava de frente  para o templo e não para o seu vizinho.( A comitiva quando vai falar com a autoridade  dá as costas para o povo e fala de frente para a autoridade. Ou será o povo, mas importante que Deus?

            Por isto a Igreja estabeleceu um Rito que deixa bem claro a ideia do sacrifício do Cristo. O Rito Damaso Gregoriano, erradamente chamado de missa em latim.  Porque a missa não é o  lugar para shows, para criatividade do celebrante ou da dita equipe celebrativa. É o culto da Adoração da Igreja, oferecida unicamente a Deus Pai. Pois é Cristo que se oferece ao Pai da mesma forma e com os mesmos sentimentos que fez no  calvário. Pular, dançar, bater palmas na missa é agir como os soldados e os fariseus aos pés da cruz que debochavam de Cristo e os soldados que faziam apostas com suas vestes. (Lc 23,34-38) Devemos ter na missa os sentimentos da Santa mãe de Cristo ao pé da cruz, do discípulo amado, das santas mulheres (Jo 19,25-27) e a confiança do bom ladrão (Lc 23,40-43) que ganhou o paraíso. Esta é sim a única e salutar foram de participar da santa Missa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário