sábado, 6 de agosto de 2016

Imagens e Superstição


As imagens dos santos devem ser utilizadas apenas para honrar a memória de quem as representa. Para informar sobre a vida dos santos. Infelizmente na religiosidade popular muitas vezes são vistas como objetos que possuem um poder próprio ou que confere poder aqueles que as possuem.  Possuir em casa uma imagem de São Miguel para alguns é como que ter o poder de se ver livre do maus espíritos; ter a imagem de santa Luzia é se ver livre de d e doença no olhos.  Virar o Santo Antonio de cabeça para baixo é conseguir ser atendido em algum pedido. Roubar o São José fará com que chova e muitas outras ações que indicam  uma crença supersticiosa. Oferecer velas e fitas como pagamento à imagem por alguma graça alcançada é como que oferecer uma espécie de sacrifício. Era assim que os pagãos faziam com os ídolos representados em estátuas. Faziam bolos e ofertavam a rainha dos céus.(Jer. 44,17-19)
 A Igreja considera legítimo o culto as imagens porque este se dirige à pessoa que esta representa e não a imagem enquanto objeto.  Quando rezamos diante de uma imagem elevamos nosso pensamento aquele que esta representa. Assim é que deve ser feito ao rezar perante o crucifixo. Ao pedir a intercessão de Maria perante sua imagem rogamos à própria virgem Maria,  pois acreditamos que ela está com Deus e que por vontade dede deus poderá conhecer nossos pedidos. Não falamos com uma imagem de barro ou outro material.
O concilio de Trento foi claro em determinar que não se deve crer que nenhuma imagem possua um poder próprio. Pode ser usadas e honradas unicamente porque indicam a memória de pessoas que amaram e serviram o único e verdadeiro Deus e porque creram em Jesus como Filho de Deus. A Igreja aceita que sejam expostas em altares nos templos e nas residências . Que  no dia em que se celebra a festa do santo sua imagem seja destacada e enfeitada e que sejam conduzidas em procissão. Mas esta é uma honra inferior à idolatria porque a mesma não consiste em oferecer sacrifícios de coisas vivas para os ídolos e suas estátuas, como faziam os pagãos e fazem no Candomblé, que oferecem comidas e animais aos orixás.  As sagradas imagens devem elevar nosso pensamento ao santo que esta representa estimular-nos  a conhecer suas vidas e a imitar suas virtudes e recusar toda foram de superstição e crendice em relação as mesmas.

terça-feira, 2 de agosto de 2016

A REDENÇÃO DE MARIA NA CARTA AOS ROMANOS CAPITULO 3,23-25





Um trecho da carta de São Paulo aos romanos, precisamente o capitulo  3, versículo 23 a 25 sempre me deixaram insegura quanto à Imaculada Conceição de Maria. Eu da minha parte aceito e acredito com católico no dogma da Imaculada Conceição, mas nunca soube com conciliar este texto com a Imaculada Conceição quando são Paulo afirma categoricamente: "Todos pecaram e estão destituídos da gloria de Deus..." Observo que a afirmativa está no presente. Todos pecaram... estão destituídos...são salvos por sua graça mediante Jesus Cristo...” O texto não diz eram destituídos mas estão privados da gloria de Deus. Não há exceção. As explicações que li procuram exceções para esta regra mas não as há em todo Novo Testamento.



No que se refere a segunda  parte  São Paulo diz que todos obtiveram a graça em virtude da redenção realizada pro Jesus Cristo. Neste pondo a Igreja afirma com São Paulo que Maria fo salva por meio de Jesus e em virtude de sua redenção. Porem como responder ao todos pecaram se para salvar-se é preciso precisar de salvação? Pode se salvar quem não tem pecado? A afirmação de são Paulo





"A justificação se dá gratuitamente por sua graça" e



"Deus destinou Jesus Cristo a ser, por seu próprio sangue, instrumento de expiação  mediante a realidade da fé.





Estas frases podem ser conciliadas com a redenção preventiva de Maria, ou seja, ela foi salva não do pecado, mas de contrair o pecado pela redenção de Cristo.  Como prova-lo? Se  compararmos estas afirmações com o texto da anunciação percebemos que o anjo no anuncio a Maria do nascimento de Jesus e afirmou que ela já tinha a graça e Isabel proclamou que ela tinha a fé.



Vemos isto em Lucas 1, 30





"Não temas Maria, encontrastes GRAÇA diante de Deus."



" Alegra-te, Cheia  da Graça!"  Lc 1, 28



Esta graça não indica um favor passageiro dado naquela ocasião. Não se identifica com o fato de conceber Jesus porque o anjo afirma isto antes de revelar que Maria ficará gravida. A maternidade biológica é por si inferior a fé  em Cristo como ele mesmo proclamou.  (Lc 11,27) Estas frases  revelam o caráter de Maria. A identifica. Ela é a A Agraciada de Deus de forma continua e permanente.



A graça excluiu o pecado. Como não está indicado o tempo se deduz que esta graça de Deus sempre esteve com Maria em sua concepção, no momento do anúncio do Anjo e até sua morte, ou seja em toda sua vida E a graça é dom de Deus em Cristo Jesus e por isto Maria esta incluída na afirmativa de são Paulo:



 "A justificação se dá gratuitamente por sua graça"







Isabel saudou Maria como aquele que acreditou:  "Feliz é aquela que acreditou!" Maria já tinha  o dom da fé antes de saber que Jesus era o redentor de todos. Sua resposta ao anjo é uma resposta de fé. “Eis a escrava do Senhor”. Cumpra-se em mim segundo a tua palavra e desta forma comprava-se que Maria estava antes de todos incluída entre aqueles que são salvos mediante a fé.



 “mediante a realidade da fé."





Deste  modo lendo o texto de Romanos em seu sentido completo entende-se que o todos pecaram remete à Redenção. E a Igreja nunca afirmou que Maria não foi redimida. Mas compreendeu  que sua redenção foi antecipada e se deu mediante os meios pelos qual nós também somos redimidos. Pela graça e pela fé. Graça e fé  obtida por Cristo  dada por Deus. Se Maria não pode arrependa-se do pecado, no entanto ela é a criatura mais grata e mais devedora a Deus do que todos nós. sua gratidão a deus ultrapassa a nós todos pois sem sua predestinação a afirmação de são Paulo " todos pecaram seria uma realidade também para ela.  A dignidade de sua filho, por ser ele uma pessoa divina,  e a ralação única entre ela e ele a redimiu do pecado antes de nele cair. Nesta perspectiva o texto de são Paulo em romanos não nega  a imaculada  Conceição mas a insere no mistério da redenção realizada de cristo na qual tanto nós como a Virgem Maria estamos incluídos.