domingo, 5 de dezembro de 2010

E O VERBO SE FEZ CARNE!

Período de Natal, lojas enfeitadas, comércio cheio. Triunfo do consumimo. Crianças festejam a chegado do Papai Noel. E ele vem helicóptero e recebe a chave das cidades. As pessoas se preocupam em comprar presentes em preparar a cheia.Alguns pensam nos pobres que não tem ceia todos os outros dias do ano, nas crianças que não possuem brinquedos e para aliviar a consciência compram presentes e dizem que o Papai Noel atendeu os pedidos delas enganando os inocentes. Natal ainda é uma festa cristã? O natal sobreviveria por si mesmo se não lembrássemos o Nascimento de Jesus. Alías poucos lembram. Este é só um detalhe ou uma mera coincidência, um elemento a mais. Afinal o Natal é comemorado por ateus, agnósticos, umbandistas e tantas outras religiões mas como a festa da confraternização universal. Da harmonia entre as familias, os povos. Jesus, o Deus que se faz homem divide. Nem todos suportam esta doutrina de um Deus que se faz homem. Nem mesmo a idéia de um Deus pessoa aceitam. Jesus colocaria um imperativo de opção no meio dessa unidade toda. Um muçulmano não celebraria o mistério da encarnação. Um budista ate que poderia, um hindu, afinal seus deuses se manifestam com forma humanas, mas para eles Jesus seria apenas mais um e não o unico. Não o aceitam como o Salvador deles e de todos os povos.
O Natal teve sua origem numa festa pagão. Assumiu muitos elementos anteriores ao cristianismo, como arvores, coroas de flores que tinham outro significado. Estava associado ao surgimento do Deus sol invencível e era celebrado em Roma no dia 25 de dezembro. Com o crescimento do cristianismo e sua instituição como Religião oficial do Império Romano pelo Imperador Teodósio em 395, não havia mais sentido em cultuar o Deus Sol. Também não seria fácil eliminar por completo uma festa enraizada na cultura do povo. Como Jesus é chamado no cântico de Zacarias o Sol que veio do alto para nos iluminar e também porque no oriente já se celebrava no dia 06 de jneiro a natividade de Nosso Senhor Jesus Cristo os cristãos de Roma começaram a festejar a vinda do Salvador no dia 25 de dezembro mudando por completo o significado pagão da festa. Não sabemos nem o dia, nem o mês e nem o ano certo em que Jesus nasceu. Os judeus não comemoravam aniversários. No entanto o Evangelho de Lucas narra com grande destaque o nascimento do Salvador porque não importa o dia mas o mistério da festa. Não comemoramos o aniversário de Jesus porque estando ele noutra dimensão de tempo e vivendo para sempre não completa anos como uma pessoa da terra. Talvez esta idéia de que estamos comemorando um aniversário tenha contribuindo para esquecer o verdadeiro sentido desta festa. A encarnação de Deus na condição humana. O mistério de um Deus que se une de forma completa a um homem verdadeiro em tudo igual a nós e no utero de uma mulher. Que desce à condição de criatura para saber o que é nascer, aprender, sofrer, enfim para se tornar um de nós. Este mistério foi esquecido. Até mesmo para os que vêem o natal como o aniversário de Jesus é a unica festa de aniversário em que o festejado aparece depois: Depois do Papai Noel, depois dos presentes, depois da ceia... Só uma forma para recuperar o verdadeiro significado do Natal. Só quando os cristãos confessarem com entusiasmo e convicção, quando entenderam que o Salvador que nasceu em Belem é Deus feito nosso irmão. Aquele por meio de quem todas as coisas invisíveis foram feitas. Quando voltarmos nossa atenção para o grande mistério: " O verbo estava como Deus e o Verbo era Deus e o VERBO SE CARNE E ARMOU SUA MORADA ENTRE NÓS."

Um comentário:

  1. Realmente, esse negócio de sair por aí comprando tudo : TÔ FORA

    ResponderExcluir