segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

CATEQUIZAR POR MEIO DA RELIGIOSIDADE POPULAR

Nenhuma instituição religiosa no ocidente tem maior facilidade de reunir multidões para cultos religiosos do que a Igreja Católica. E isto se repete todos os anos pelas festas dos padroeiros e das romarias aos santuários famosos. No Brasil esta é a forma predominante de catolicismo. Nosso povo não é católico por convicção e não conhece quase nada da doutrina católica e da organização da Igreja. Mas é católico de devoção. Tem uma profunda veneração pelos santos pois para o povo, estes servem unicamente para se fazer promessas e pedir milagres. Quando escutam o nome de um santo já perguntam"Ele protege contra o o que?" Foi esta a pergunta que me fizeram quando falei sobre Santa Joana d´Arc. Ficaram surpresos quando eu disse. Ele faz com que você ame Jesus mais ainda, como ela o amou." Bom seria que incluíssem no curso de Teologia para formação de padres a disciplina de Hagiografia. Muitos deles não sabem nada praticamente, da vida dos santos padroeiros de suas paroquiais ou capelas. No entanto eles não irão discutir com o povo Teologia fundamental, eclesiologia ou escatologia e muitas outras disciplinas teológicas. Mas encontrarão a religiosidade popular que é um grande meio de catequizar. Nosso povo gosta de ouvir, não gosta de ler. Até mesmo os formados, muitos destes não apreciam a leitura. Infelizmente a festa dos santos não é aproveitada para a catequização. A partir da vida do própria santo poderia se instruir o povo de que ele nada mais foi do que um católico fiel. Se batizou, crismou-se, freqüentava a comunhão com imenso amor; enfim foi um filho da Igreja. Viveu no mundo com as mesmas limitações e dificuldades que ele. O povo sabe que os santos não podem mais do que Deus e nem do que Cristo. Vêem os santos como pessoas que nunca pecaram. Perfeitos. Eles não o julgam iguais a si. Como não são Deus mas humanos perfeitos o povo se aproxima deles r os invocam porque acreditam que eles tem poder junto de Deus. São capazes de fazer milagres. Seria apenas necessário que se explicasse que nenhum deles fará um milagre para uma pessoa que vive uma vida irregular, no pecado. Como disse com bastante clareza, Santa Joana d´Arc, quando perguntaram se as santas que apareciam a ela odiavam os ingleses. Ela disse: Elas AMAM O QUE DEUS AMA E ODEIAM O QUE DEUS ODEIAM." Necessário dizer que Deus não odeia mas para a mentalidade medieval tudo que Deus não queria, que era por ele rejeitado, significava que ele odiava. Neste sentido Deus não queria os ingleses na França. Então ele os rejeitava não como ingleses, mas como invasores. Foi isto que Santa Joana d´Arc explicou quando escandalizados seus inimigos perguntaram."Deu odeia os ingleses?" Disse ela: "Do amor ou do ódio que Deus possa ter pelos ingleses eu nada sei...mas ele quer que estes deixem a França e voltam para os seu país, a Inglaterra." Os santos amam a Deus. Logo não podem amar o pecado. Isto é o que todo católico deve fazer. Amar a Deus e rejeitar o pecado. Então na festa de um padroeiro é necessário explicar que os santos não pedirão a Deus por benefícios materiais, saúde, emprego, para quem vive no pecado. Ele intercedem para que todos se voltem para Deus. Santa Joana d´Arc quando visitou o Duque de Lorena doente este lhe pediu que o curasse e ela o aconselhou a abandonar a amante e voltar para a sua legitima esposa. Os santos viveram na obediência a Cristo apesar de também serem humanos e pecadores. São eles modelos e irmãos na fé cristã. Não seres humanos de outra categoria preparados para não pecar. Então o verdadeiro devoto de um santo procura conhecer o que ele fez. Neste caso os padres deveriam contar a cada noite de novena de um santo padroeiro toda a sua vida dando destaque para o fato dele ter sido católico fiel. De se confessar todos as vezes que pecava,. do amor que tinha por Jesus na Eucaristia. O povo não faz muito esta associação entre catolicismo e santidade. Não lembra que os santos amavam a Igreja e os sacramentos. Por isso a relação entre o povo e os santos é só uma espécie de troca. Me alcança uma graça e eu te pago dando tua imagem a capela ou caminhando de joelhos,comprando uma vela, me vestindo como a sua imagem.Não tenho nenhum conhecimento de uma promessa que assuma o compromisso de pedir perdão a quem se ofendeu. De falar com uma pessoa com quem não se fala, de confessar-se todo mês, de Rezar em grupo num dia certo, de ajudar uma família carente ou de ler a vida do próprio santo.Tudo que é prometido são coisas materiais. A conversão de vida, sacrifícios nem lembrados são. Mas a oportunidade para catequizar o povo nas festas religiosas populares está aí disponível. Quanto se poderia ensinar nestas festa. Porem o que vemos muitas vezes são apresentações de temas políticos e ideológicos. Assuntos que diz mais respeito as coisas do mundo e deixam a doutrina católica desconhecida, esquecida. Que nossos irmãos, os santos que já estão no céu com Cristo, intercedam para que suas festas sejam aproveitadas para a catequese dos católicos.

Um comentário:

  1. BRILHANTE! Adorei esse texto!
    Isso é algo em que tenho insistido enquanto ainda participava da vida paroquial.
    Fui rechaçado pela "galera" da TL e da evangelização com Bíblia e sem catecismo (comunistas e ecumênicos). Nem uma noveninha esse pessoal queria.
    Nossas paróquias estão tornando-se igrejas protestantes ou associações de bairro.
    Os santos são sempre uma ótima forma de catequese e de modelos de vida. Parabéns e continue escrevendo belas lições!

    ResponderExcluir