sábado, 13 de agosto de 2011

DEUS É PAI ETERNO

"E, porque sois filhos, Deus enviou aos nossos corações o Espírito de seu Filho, que clama: Aba, Pai." Gl 4,6

Deus é entendido como Pai na Teologia cristã. Nenhuma outra religião compreendeu a divindade de forma tão íntima e familiar como o cristianismo. Se houve um pai dos deuses para os gregos, este não era da mesma forma o pai dos mortais. Zeus era o deus dos deuses e pai apenas destes; quantos aos mortais estes eram simples brinquedos ou bonecos para ele. Só no cristianismo, por meio de Cristo, a criatura se aproxima da divindade com o espírito de Filho. Mas Deus não se tornou pai ao criar os homens. Deus é Pai Eterno. Por que eterno? Porque sempre foi pai. E pai de quem? Do universo? De certo que não, porque o universo não é eterno e está no tempo. Surgiu com o tempo se manifesta no tempo. Deus é Pai eterno porque tem um Filho que nunca faltou a ele. Na eternidade Deus sempre é Pai e quem é pai o é porque gera um  filho. E o filho de Deus é o seu Logos, a sua auto-revelação. Se nos fosse permitido perguntar porque Deus existe, ou se fosse possível reduzir Deus a um ente entre os existentes, poderíamos justificar sua existência afirmando: Deus existe para ser o Pai. Para gerar o Filho. Pois só gerando um ser no qual ele mesmo inteiramente se ver, se compreende e se torna claro que Deus de nada necessita ou nada lhe faz falta. Ele basta a si mesmo porque contempla em  um "outro"  as suas próprias perfeições e esta se manifestam no Logos, Verbo, Palavra; o Deus unigênito, como traduz alguns manuscritos do Evangelho de João no capitulo 1,18

Este amor fecundo pelo qual a Dvindade subsiste e se basta, transborda em ação pelo Espírito Santo. É como se o Espírito fosse o reflexo externo desta eterna relação de geração do Filho e da contemplação do Logos em Deus. Por isso atribui-se ao Espírito Santo a criação da vida e santificação das pessoas. É no Espírito que a paternidade unica de Deus em relação ao filho, se doa para nós. O Espírito exterioriza o mistério da divindade que faz com que esta seja criadora sem que necessite criar. Sem que acrescente algo a si mesma ao criar e sem que uma coisa  que foi criada ao deixar de existir lhe faça e menor falta. A plenitude da criação é elevação da criatura à intimidade com o criador. Aproximando-se de Deus, o Pai nos tornarmos cada vez mais imagem do Logos eterno, do Filho unigênito. Nos beneficiamos desta Luz que não diminuiu e nem aumenta. Que é  sempre a mesma e na mesma intensidade. Que de nada sente falta e mesmo assim se doa sem nada perder. E que ao doar-se transforma aqueles  que nada são por si mesmos. Deus é Pai. Se a linguagem humana fez da palavra pai uma expressão que indica dependência, submissão ,autoridade, nada nesta implica que Deus seja pai no sentido humano que esta palavra indica. A Paternidade de Deus é de outro nível.  Faz parte na própria natureza de  Deus. É para ser Pai que Deus é Deus. E é por ser Filho que Deus é Pai. E é por Ser Amor de Pai e Filho que Deus é Espírito Santo. Espírito vivificador, criador, santificador e que sustenta a vida,  a matéria e a consciência.
Ver Deus como Pia em alguns pode alimentar o entendimento de que Deus é como aquele que deve atender os desejos e que pede recompensas...Transferir para Deus as necessidades humanas de um filho. Há sim, o perigo de tornar Deus pai com um pai humano. Humanizando a divindade. Fazê-la segundo a nossa imagem e semelhança. Por isso ainda criança ouvimos de nossos pais: "Não faça isso que o papai do céu castiga." "O papai do céu ver o que você esta fazendo." E a imagem paterna que temos, quando não é positiva muitas vezes  afasta de Deus. Deus como pai no sentido humano do termo,  pode ser questionado em relação ao mal que há no mundo. Porque um pai onipotente deixa sofrer tanto os seus filhos? Porque deixou que o próprio filho feito homem pagasse pelos pecados dos  outros? Compreensão limitada e deturpada da paternidade divina. Deus é pai no sentido de doação absoluta. Incondicional. Dar-se inteiramente a si mesmo no amor que não o conduz ao egocentrismo, mas à geração de si como imagem de suas perfeições. Deus é Pai no Filho e pelo Filho que é imagem do seu Ser. Por isso mesmo, enquanto homem na terra, o homem Jesus, encarnação do Logos, pode dizer a Felipe: "Quem ver a mim ver o Pai." Porque no Filho se reflete a plenitude da divindade que não é para si mas para o dar-se. Para um outro que não é estranho à sua natureza. E nesta paternidade eterna Deus se torna pelo  Espírito Criador e no Espírito Santo Pai também de toda a criação. Mas muito além disso, pai dos seres racionais, os homens. Pois os eleva  da condição de simples criaturas à condição de participantes de sua natureza divina  pelo Espírito do Filho, que  nos faz dizer Abba! Papai. Assim como o dizia o Cristo o Filho unigênito. Deus Pai, Senhor do mundo, que a paternidade humana seja reflexo da vossa eterna paternidade em todos os pais da terra. 

"Toda boa dádiva e todo dom perfeito vêm do alto, descendo do Pai das luzes, em quem não há mudança nem sombra de variação." Tg 1,17

Nenhum comentário:

Postar um comentário