quarta-feira, 7 de março de 2012

SER CRISTÃO É SER CATÓLICO

Não há como existir verdadeiro cristianismo sem que o mesmo seja católico. E isto, não apenas no sentido de que está vinculado à Roma e em união com o papa e os bispos unidos a ele, mas no sentido mais abrangente e literal desta palavra. Católico significa universal. Para todos em todas as épocas e em todos os lugares.
No inicio os primeiros cristãos tiveram a dificuldade de como receber os pagãos se estes não eram filhos de Abraão, e não faziam parte do povo eleito. Foi necessário uma revelação particular a São Pedro, para que eles entendessem que Jesus viera para também os gentios e se era o messais de Israel, para os gentios era era o Redentor e Senhor de Todos. E qual grupo organizado de cristãos expressou com mais evidencia a catolicidade? Não há no decorrer da História do cristianismo nenhum grupo cristão organizado, que tenha manifestado mais a universalidade, se não a Igreja Católica unida à diocese de Roma tendo no bispo de Roma o sucessor de São Pedro. Todos os outros grupos ou se estabeleceram como igrejas nacionais ou estão ligadas ao nome de um homem como os luteranos, calvinistas metodistas ou a um aspecto de doutrina. Tal como na Igreja antiga em que os dissidente do catolicismo eram conhecidos como Arianos, seguidores do patriarca Ário ou Nestorianos seguidores do Bispo Nestório e outros. 
Um batista que sai de sua denominação batista e entre numa denominação pentecostal, passa a defender e viver os carismas extraordinarios do Espirito Santo, como falar em línguas, costume este inexistente na Igreja Batista tradicional. Um luterano hoje, está muito mais próximo do catolicismo do que um protestante das novas denominações. Um católico pode deixar de ser membro da paroquia de Nossa Senhora da conceição, em Cascavel se tornar membro da Paroquia de São João Batista em Fortaleza, mas continua crendo na mesma doutrina e vivendo o mesmo culto, assistindo a mesma missa. E até mesmo se ingressar em uma ordem, associação ou movimento, continua sendo ainda mais católico; assume maiores compromissos. Não acontece assim entre as variadas placas de denominações protestantes que assim mesmas se dizem igrejas. Como podem ser a Igreja de Cristo se não nunca foram católicas? Isto é, se nunca estavam presente com a mesma doutrina, como a mesma organização, como o mesmo rito em todas as épocas para todos os povos e para todas as culturas? Apenas a Igreja Católica possue esta marca inconfundível da verdadeira universalidade. Não é obra de um homem, não é o resultado de uma dissidência doutrinária, embora tenha e esteja enfrentado muitos conflitos internos. E sempre foi assim e será. No tempo do Apostolo São Paulo já havia problemas e irmãos que se comportavam como os mundanos e o apostolo recomenda que os irmãos na fé evitem estes falsos cristãos. Isto porque a Igreja é e sempre foi a boa árvore, a vinha do Senhor, o terreno de Deus. Mas nela o inimigo semeou o joio, que são os filhos das trevas. E também nesta vinha pode acontecer de que alguns galhos, que pertençam a boa arvore, não produzam frutos. Embora seja membro da  boa arvore. Jesus disse que os galhos que não frutificam a seu tempo serão jogados fora. Só há uma vinha. Só um campo do Senhor,. Portanto só há uma Igreja e esta é, no pleno sentido da palavra, simplesmente CATÓLICA. Una em doutrina, una em adoração e una em governo. 
Sou católico por Graça de Deus. Glória a vós Senhor!

Nenhum comentário:

Postar um comentário