sábado, 30 de junho de 2012

O AUMENTO DOS EVANGÉLICOS?




Tem duas coisas que devem ser bastante notadas:


1 – Quando se fala que existem muitos católicos não praticantes, a imensa maioria, é verdade; mas em relação ao fato dos evangélicos serem praticantes, bem… são de fato, praticantes em relação às denominações deles. Acontece que, para que a seita protestante crescesse, eles tiveram que abolir tudo o que começaram a pregar no início. O uso de calças pelas mulheres passou a ser largamente permitido. Eles podem se divorciar. Podem praticar o famigerado planejamento familiar, com o uso de anticoncepcionais. Em algumas seitas, como tj, aprovam a eutanásia de certa forma. E isso não é nem de longe é praticar o cristianismo. Daí a facilidade do crescimento deles e também deles serem praticantes, pois praticam as regras do mundo. isso um ateu também pode fazer.

2 – Tenho notado, contudo, um (pequeno) aumento no número de católicos praticantes. Isto é bastante animador. Há uns dez anos atrás seria impossível encontrar tanta gente como vejo hoje procurando ser realmente católico. Em Salvador, por exemplo, ficamos mais de 40 anos sem a verdadeira Missa, e agora temos. Se isso não é amostra que estamos melhorando, não sei o que é. Resumindo: protestantes se mundanizaram (ainda mais do que eram) pra crescer. Os católicos não praticantes estão indo embora, mas os católicos praticantes estão aumentando (bem pouco, mas estão).

Um comentário:

  1. POR ISSO NÃO PODEM SALVAR-SE AQUELES SABENDO QUE A IGREJA CATÓLICA... Catecismo Católico, n° 846

    A Igreja não perde fiéis, mas de quem se diz católico, desconhecedores de sua fundamentação teológica, de Jesus, Ele mesmo, veja Cl 1, 18; Cl 1,22, Ef 1.22-23 e 1 Cor 12.,12+ etc cujo número confiável, sabedor do porque de ser católico é muito baixo. A prova disso que tantas injustiças grassam e há muita participação de supostos católicos, inclusive aliando-se a seitas, espiritismo nas mais diversas manifestações, maçonaria, partidos socialistas e comunistas e a outras graves incompatibilidades na fé.
    Quanto ao crescimento supostamente evangélico é muito relativo; subdividem-se em milhares de seitas formais, sem contar as de fundo de quintal, onde cada um faz o que quer ou convém com a Bíblia; até a homilia do pastor é submetida a crivo pessoal, sujeita à aprovação ou não de cada um. E quase todas têem cultos semelhantes a centros espíritas, com gritaria, rodopios, expulsão de supostos maus espíritos e pessoas em aparentes transes... Afinal, que evangélicos dissensos são esses? Antes, não eram católicos de fato; agora uma porção de desagregados reunidos fisicamente, porém com as mentes e os corações distantes uns dos outros no contexto teológico-exegético-doutrinário, cada vez mais em quantidade aumentando, porém, em Mt 12,25 ...reinos divididos contra si mesmos...", não passando de massa religiosa disforme; tanto na Igreja ou doutro lado são os mesmos, inclusive migrando de seita em seita, sempre se batizando - um pastor de uma igreja não confia no outro - à procura de uma "igreja boa, mais ideal"... E quando saem para doutrinarem as pessoas nas casa, cada qual ensina a seu modo pessoal: uma babel doutrinária,tudo dentro do mais absoluto relativismo bíblico-hermenêutico! Que vantagem há nisso?
    Convém possuir apenas 1 amigo confiável ou nenhum mas dispensam-se 100 aparentando-o; aliás, certos supostos católicos da Igreja, por sinal, por serem infiéis, indesejosos de mudanças, talvez o lugar ideal para eles seria nas seitas; sentir-se-ão à vontade nessas ideologias religiosas, sem nenhuma fundamentação teológica, as quais funcionam de acordo com a mentalidade de cada fundador assim como permanecer em qualquer seita ou montar outra para si dá no mesmo. Há-as aprovando aborto, outras adultério, outras homossexualismo, outras aliando-se a socialistas-comunistas... Há 1 adequada para para cada gosto ou opção; são supermercados religiosos, com grande diversidade de ideologias cristãs das várias tendências e nuances, à escolha de cada cliente.

    1 Jo 2,19: Eles saíram de entre nós, mas não eram dos nossos. Se tivessem sido dos nossos teriam permanecido conosco.

    Veja no You Tube pastores famosos em recíprocas acusações nas diversas modalidades, inclusive de pertença à maçonaria...

    Ou, se desejar, é aliar-se a Satanás em seu espírito anti teológico-unificista e sistemático desagregador fraternal.

    ResponderExcluir