domingo, 24 de fevereiro de 2013

Pecado e Condenação

     
        O Pecado mortal nos faz perder a Graça santificante que Jesus nos mereceu. Sem a Graça perdermos a comunhão com Deus e nos condenamos as penas ternas. É doutrina da Igreja que morrer em pecado mortal resulta na condenação ao inferno. Porém, mesmo que um só pecado mortal nos torne condenados, Deus justíssimo, jamais coordenara um ser humano por um só pecado mortal, desconsiderando toda a vida desta pessoa. Sem duvida, quem morre em pecado mortal é porque se obstinou  nos pecados ou não fez sério propósito de não pecar mais. E mais importante, não recorreu à misericórdia de Deus para resistir às tentações. Cada pecado mortal que cometemos enfraquece nossa vontade e escurece nossa consciência. Como afirmou Jesus, as coisas do mundo endurecem nosso coração e o que sai de nosso interior, como a luxúria, a avareza, os planos de assassinatos e outros maus pensamentos, nos tornam impuros. Um abismo atrai outro abismo. E a luz que há em nós, pelo pecado, vai se tornando trevas. 
        Maior do que nosso livre arbítrio é o pecado mortal. Porem maior do pecado e também do que nosso livre arbítrio é a misericórdia de Deus. Ninguém escolhe  inferno enquanto inferno. Escolhe o que lhe parece um bem real. Mas se  submetermos nossa vontade à de Deus e se logo tendo pecado, reconhecemos que pecamos, fizermos uma sincera contrição e arrependimento, confessando a Deus pela a Igreja nosso pecado, seremos perdoados e teremos forças para pedir perdão se viermos a pecar de novo. Mas sem sincero arrependimento nossa a vontade enfraquece e  nossa natureza fica insensível ao amor de  Deus. E como a arvore tomba para o lado que pende assim também uma vida de pecados leva a uma morte no pecado.
        Certa piedade mística mostra o inferno de forma tão cruel que faz de Deus um tirano. Afirma que um só  pecado de blasfêmia de um menino de oito anos, um só pecado, levou este menino, morto aos oito anos, ao  inferno.   Isto é repulsivo à justiça de Deus  que conhece as mínimas intenções para quem  todas as limitações são conhecidas. Só faz de sua vida um eterno inferno quem se obstina no mal. Uma criança que não teve todas as oportunidades e uma vida longa não poderá ser condenado ao inferno eterno por  um só pecado mortal. Na verdade creio que como muitas pessoas morrem crianças, estas são almas arrebatadas pela misericórdia de Deus das garras de satanás. De um mal, Deus tiram um bem. Se muitas delas ficassem adultas, devido à sua índole provavelmente má,  se tornariam pecadores e se condenariam. Mas ao morrer jovens, mesmo  tendo pecado, pagam as penas dos mesmos no purgatório. Deus é justo. Nenhuma brecha ficará entre os que se condenam para questionar a justiça de Deus. A Sagrada Escritura afirma: O que o homem plantar sito colherá. O inferno deve ser entendido como uma corrupção do Ser humano que o faz inapto para o Reino dos Céus. Corrupção feita pelo pecado. E nunca como uma sanção judicial declarada por um juiz irado. Embora em algumas partes das Sagradas Escritura seja descrito assim é apenas um recurso para que seja mais compreensível a pessoas endurecidas que só compreendem o castigo como ato externo. Mas a realidade do inferno e a simples constatação pelo que se condenou de que a luz é insuportável para ele; de que o sal perdeu o sabor, a árvore não produziu os frutos  e de que os peixes que não servem para alimentação e o joio, não são aptos para o celeiro de Deus. Deus apenas comprova. A natureza do pecador é  que o exclui da comunhão com Deus.

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

A LITURGIA DAS HORAS

A Liturgia das Horas, ou o Breviário, como antigamente era chamado, é uma das formas litúrgicas mais ricas e apropriadas para a santificação do dia e o seguimento do templo litúrgico da Igreja. Mesmo que seja obrigatórias apenas para padres e religiosos é altamente recomendado para os fieis leigos. Pessoalmente, vejo a Liturgia da Horas em completa igualdade com o Santo Rosário e percebo que a sua pratica pelo povo de Deus, de forma a torna-la tão popular como   o terço traria muitos benefícios para os leigos.

Na Liturgia das Horas santificamos todo  o dia iniciando com a oração da manhã em que alem de agradecermos a Deus pelo inicio de mais um dia, também recordamos a Ressurreição do Senhor; temos as horas intermediárias das nove horas, em que recordarmos a vinda do Espírito Santo e das doze horas, que é a memória da crucificação de Jesus e das 15 horas,  a da sua santa morte. Nas Vesepras (ao por do Sol) louvamos ao Senhor o termino do dia e nas completas (oração da noite) recomendamos nosso alma a Deus e pedimos um repouso tranqüilo. A Oração das Horas consiste na recitação dos 150 salmos da Bíblia distribuídos em quatro semanas.e intercalados com louvores de hinos, Palavra de Deus e orações. E seguindo o tempo litúrgico da Igreja. Advento, Tempo comum, Quaresma, Páscoa. Alem de comemorar as Solenidades, Festas e Memórias, do Senhor, da Santíssima Virgem Maria e dos Santos. Esta é a mais eficaz forma de estarmos unidos com o Culto publico a Deus que a Igreja oferece a Deus  em todo mundo.

Mas não é só com a Igreja na Terra nos unimos ao rezarmos a Liturgia da horas. Também nos unimos à Igreja triunfante. Por esta participamos da liturgia eterna e celeste em que os anjos glorificam a Deus. Estamos unidos em espírito aos santos anjos e aos santos, quando estamos em oração.  Participando daquela liturgia gloriosa de louvor a Deus que é Descrita no  livro do Apocalipse

Portanto muito mais do que uma mera formalidade, uma obrigação, a liturgia das horas é um dom de Deus para toda a Igreja. Que seja cada vez mais popular e incentivada pelos padres para que, também os leigos participem  deste tesouro.

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

CARNAVAL E CRISTIANISMO

De forma alguma somos menos pecadores do aqueles que estarão no carnaval nestes cinco dias. Somos tentados a cometer o pecado da soberba que arrastou um terço dos anjos do céu sob a liderança de Lúcifer. A fazer a oração soberba do fariseu, seguro de si e de suas praticas religiosas, ao dizer que não era um pecador como o publicano que estava próximo a ele. Sem dúvida somos pecadores! Mas temos a consciência de que o carnaval, se no inicio já não era cristão, agora mesmo é que não é uma festa cristã. E que participar  deste, até como meros espectadores nos tornaria mais pecadores, do que o que já somos.

O carnaval não é a festa da alegria cristã, porque a alegria genuína não precisa ser sustentada com música ensurdecedora, com sexo,  bebidas e drogas. Nem é também a festa da amizade, porque encontros passageiros, movidos por interesses meramente físicos, não coresponderá nunca à verdadeira amizade. Tornou-se a festa para a quebra de todos os limites, a liberação de todos os desejos. E o governo sabe disto. Tanto é que ajuda e incentiva, distribuindo camisinhas aos montes. Façam sexo! Transformem seus corpos em um circo onde pessoas desconhecidos virão fazer o seu espetaculo  nem um pouco interessadas em  seus sentimentos e você apenas interessado em alguns minutos de prazer... Afinal tudo irá acabar depois da Quarta-feira. Extravase todos os seus desejos; eis o objetivo do carnaval.
Mesmo que em todo carnaval nunca houvesse um acidente fatal se quer; até seria bom que não haja, para que muitos irmãos nossos não morram sem confissão em perigo de perdição eterna. ( Rezemos por isto.) Mesmo assim jamais seria uma festa crista. Porque na festa cristã a verdadeira alegria consiste na paz e amor no Espirito Santo. Na consciência de saber-se amado e salvo por Deus, em Cristo, do pecado e da condenação eterna. Na certeza de que a amizade em Cristo, começa aqui e dura por toda a eternidade, pois nos aproximamos da Assembléia festiva dos justos que chegaram à perfeição. 

Durante os dias deste carnaval rezemos primeiramente por nós, para que Deus nos livre da tentação de nos considerarmos menos pecadores, só porque não iremos para esta festa demoníaca, mas também por nossos irmãos, para que descubram o amor de Deus, que os  fará considerar o carnaval , como São Paulo, um lixo diante do amor em Cristo que nos dá a verdadeira  alegria, que nunca terá fim.

domingo, 3 de fevereiro de 2013

CATOLICISMO E ESTADO LAICO



            Separação absoluta entre o Estado e o catolicismo é impossível. Mesmo que seja defendida até por alguns  clérigos.  O cristianismo se diferencia de outras religiões, principalmente as religiões animistas ou esotéricas pelo seu aspecto social e político. Na medida em que admite mandamentos ordenados por Deus que devem orientar toda a vida social. Em relação ao cristianismo e principalmente em sua vertente Católica, a Religião jamais e uma questão ode foro intimo. Não há como separar no catolicismo o cidadão laico  do cidadão da fé. Ele é católico todos os dias o dia inteiro em todos os lugares. Não pode agir com católico na missa e como um agnóstico ou ateu no gabinete. é justamente nesta sua ação no século que o laicismo estatal cria enormes dificuldades para o político, o medico ,o professor, enfim para o cidadão católico. Porque em determinada situação ele deverá obedecer a Deus ou a Estado  se este for laico ou indiferente ao catolicismo. Preferir Deus ou os homens e suas leis.
            O cristianismo foi perseguido durante três séculos porque não admitia obedecer a lei romana de oferecer sacrifícios aos deuses. Não impedia ou mandava perseguir os pagãos, mas rejeitava sues cultos aso deuses e ao imperador. Por sito forma considerados subversivos. Enquanto o cristianismo foi a  religião  do povo, mas não do Estado foi fácil aos cristãos  à margem da vida política do Império. Bastava se afastar de suas praticas. Mas quando este por meio de Teodósio em 395 se tornou a Religião oficial do Império, o imperador e conseqüentemente o Estado tinha que se sujeitar aos mandamentos de Deus. Seria um contra senso, um absurdo, um i imperador cristãos freqüentar um templo pagãos e  seus ritos.  Ele não poderia fazer sito sem pecar contra o primeiro mandamento que manda adorar apenas um,  Deus e não aceitar mais que um. Por sito um governador ou presidente que vai à missa de manhã e a tarde oferecer presentes para Iemanjá não é de fato católico. E qualquer autoridade, mesmo religiosa que com sua presença apoiar outras religiões, está pecando contra o primeiro mandamento. O Deus, revelado em Cristo Jesus e por Cristo, deve se dar Adoração exclusiva.
            Mas não é só no culto que o católico  tem deveres para com Deus. O governante católico jamais poderia apoiar financeiramente o carnaval como suas orgias e devassidão. Sancionar leis que descriminalizando o aborto, a lei que estabelece punir quem denúncia que praticas homossexuais são pecados mortais, que apoiasse e incentiva o divorcio, que  permite  casamento entre pessoas do mesmo sexo. Por isto na Cristandade um rei que sancionasse a lei do aborto seria logo excomungado e seus súditos liberados de obediência a ele. E entenda-se. Esta ação não seria ingerência do poder religioso no poder civil. De forma alguma Porque neste caso e nos outros exemplificados se estaria punido primeiramente os católicos e cristãos, que deveria agir segundo a sua fé enquanto governante medico, professor ou em qualquer situação.
            Quando Jesus diz que o Reino não é deste mundo ele não esta dizendo que as nações deste não lhe devem obediência. De forma alguma. Ele apenas está afirmando que o  Reino dele não é uma das nações que existia em sua época. Um território delimitado com seus exércitos. Mas Jesus mesmo disse que todo poder lhe foi dado no céu e na Terra  e também que ele iria apascentar as nações com cetro de Ferro. Além disso, as Sagradas Escrituras afirmam que o Messias está submetendo todos os seus inimigos debaixo de seus pés. Os inimigos do Messias são aqueles que não admitem a sua lei e não o reconhecem como Senhor e Deus.  Este aspecto do Reinado social de Cristo foi amenizado e hoje é ignorado e substituído por uma atitude individualista e afetiva de que Jesus tem a ver apenas com a minha vida pessoal, que Jesus é unicamente amor, bondade tolerância pra com todos inclusive para com o erro, as falsas religiões, a mentira, enfim, aceita tudo. E sito não é o Evangelho. Jesus insiste muito em que devemos rejeitar o mal e fazermos o bem. Ele mesmo foi vítima do ódio do mundo porque mostrou que as obras do mundo eram más. O cristianismo trouxe nova mentalidade em relação à política, à economia e as relações pessoais. Por isto não impossível Estado laico no sentido deste ser  indiferente aos mandamentos de Cristo. Estado laico e catolicismo se excluem porque o católico vive no Estado e deve está sujeito a Cristo e a lei do Evangelho na Igreja. E nenhuma lei humana pode ser contra a lei de Cristo. Por isto não há como haver Estado laico numa sociedade católica e os que defendem a  separação absoluta do Estado e da Fé Católica   estão indo de encontro com a doutrina de Jesus. Claro que o Estado por ser veiculado à Cristo não deve perseguir ou obrigar pessoas de outras crenças a se tornarem cristãos e muito menos definir dogmas e doutrinas, indicar cargos eclesiásticos e outras ações exclusivas da Igreja.  Jesus também jamais ordenou isto. Mas não  este deve apoiar, incentivar, freqüentar crenças pagãs.  E suas leis devem fundamentadas na Lei natural e nos princípios do Santo Evangelho de Cristo. Se em nossos dias de certa forma não há como humanamente se expressando,  retornarmos a viver como nos tempos da Cristandade só resta aos fiel católico se abster de qualquer cargo político e de imiscuir-se nas cosias do mundo, para se manter fiel à sua fé e professar sua fidelidade à Cristo Rei obedecendo só e apenas às leis que não estão de encontro com  que ensina a Santa Igreja.

sábado, 2 de fevereiro de 2013

NOSSA SENHORA DAS CANDEIAS

          http://st-takla.org/Gallery/var/albums/Saint-Mary/03-The-Presentation-to-the-Temple/www-St-Takla-org--Saint-Mary-Presentation-of-Jesus-in-Temple-08.jpg?m=1295730322
        A Liturgia Católica festeja a 02 de fevereiro, a Apresentação do Senhor. Fato narrado no Evangelho de Lucas, capitulo 2, versículos 22-38. Na ocasião em que foi apresentado no templo de Jerusalém, levado pelos braços de Maria, o Senhor foi reconhecido pelo velho Simeão e pela profetisa Ana. Simeão louvou a Deus cantando o "Afora meu Senhor já posso descansar, em latim "Nunc Dimittis.” Hino cantado todas as noites na liturgia das horas ou breviário. E  nesta ocasião ele declarou sobre Jesus: "...meus olhos viram a tua salvação que preparastes para todos os povos,  LUZ para todas as nações e  glória do teu povo,  Israel.” Lucas 2,31-32.
         Na religiosidade popular festeja-se neste dia Nossa Senhora das Candeias. Uma das milhares invocações de Maria, Mãe do Senhor. Como no dia da festa da Apresentação do Senhor se fazia em Roma uma procissão com candeias, ou lâmpadas de azeita, ficou conhecida como Procissão das Candeias. Por  esta festa unir Maria e Jesus num mesmo tornou-se a mesma um festa mariana também e daí a extensão do nome candeias ligado à Virgem Maria. Se tentarmos um pouco, poderemos cristianizar mais esta festa. Como Jesus é mencionado como luz do mundo para todos os povos, Maria em cujos braços ele repousou é como o candelabro, em que esta luz quis ficar, para a partir dela iluminar o mundo todo.
http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/nossa-senhora-das-candeias/imagens/Nossa-Senhora-das-Candeias-5.jpg
         O Espírito Santo fez a Igreja assimilar toda a cultura do feminino presente nas nações e centraliza-las na pessoa de Maria. Erram os que acusam a Igreja de Idolatrar a mãe de Jesus. “Se não fosse  a figura forte e marcante de Maria ainda hoje estaria os povos gritando ‘Viva a Diana dos Efésios.” Porem, ao mesmo tempo em que se deve respeitar a religiosidade do povo, é preciso instrui-los na fé. A Igreja Católica tem grandes oportunidades de ensinar a doutrina da  fé, porque nas romarias consegue reunir milhares de pessoas. Em Juazeiro do Norte, no Ceará, a romaria de Nossa Senhora das Candeias é a segunda maior. Infelizmente muito é perdido em comentários vazios quando se deveria explicar os artigos da fé e os mandamentos de Deus. Reforçar que Nossa Senhora das candeias é a mesma Nossa Senhora das Dores, que é a mesma Nossa Senhora da Conceição que é a mesma Nossa Senhora de Fátima e assim por diante. Mas que não é a mesma Santa Luzia, que não é Santa Teresinha e que não é Santa Edwiges  explicando que há outras santas a quem não se pode chamar de Nossa Senhora, porque este nome só pode ter a mãe de Nosso Senhor Jesus. E afirmar que Iemanjá é uma entidade africana quem vive no mar segundo acreditam os pagãos e que nada tem a ver com a Serva do Senhor, a Santa Mãe de Cristo e que um católico que vai a missa no dia de Nossa Senhora depois de oferecer presentes de manhã a Iemanjá n no dia 02 de fevereiro comete pecado mortal porque é idolatria. Dizer sito sem medo de ofender os afrodescendentes. Ate porque isto vale para  católico e não se está mandando  prender o perseguir o s que não são católicos ou seguem outra fé.
Que Maria nos conduza à verdadeira e única luz,  Jesus Cristo,  Nosso Senhor.