quinta-feira, 31 de maio de 2012

VEIO A MIM A MÃE DO MEU SENHOR!

"Mas qual o motivo destra graça maravilhosa, que venha me visitar a  Mãe do Meu Senhor?' (Tradução do Novo Testamento Evangélico King James) Lucas 1,43

Hoje, 31 de maio, o novo calendário litúrgico da Igreja católica, celebra a visita de Maria, mãe do Senhor, à sua parenta Isabel, mãe de João, o Batista. Antes esta festa era celebrada pela Igreja no dia 02 de julho. É uma das poucas festas de Maria que tem explicita fundamentação bíblica. Que está contida nos Evangelhos. Embora as outras, como a Imaculada Conceição, a Maternidade Divina (Maria mãe de Deus) e a Assunção de Maria estejam implícitas na Bíblia. Não são narradas nos Evangelhos mas deduzidas do que os mesmos evangelistas falaram sobre Maria e transmitido na tradição Apostólica.
A fresa de Isabel alegrando-e pela visita de Maria é  o mias forte testemunho do culto da Igreja à  Maria. Nesta simples afirmação percebemos que Isabel reconhece Maria superior a ela, que embora mais velha, julgava-se privilegiada com a visita da Mãe de Seu Senhor. E testifica que Maria não é um mãe comum igual as outras,ou penas a mãe de um homem importante. Ele é aquela que Acreditou. Maior que outra santas mulheres e como a própria Isabel, de quem Jesus mesmo  disse que havia dado à luz o maior dos nascidos dentre as mulheres. Por certo ser a mãe do Senhor e não de um senhor qualquer, mas do próprio Messias e   Senhor dos senhores  não é ser uma mera mãe. Se os evangélicos amassem de verdade a sagrada Estritura não ignorariam estas palavras da mãe do Batista. Estes só veem os gestos exteriores de culto a Maria. as procissões, as imagens com vários nomes, as romarias e as promessas. E julgam que para a Igreja Católica cultuar Maria seja apenas  isto e que esta forma  de culto é adoração, idolatria. Na própria Bíblia se honrava os reis prostrando-se diante deles e dos profeta.( Gn 18,2; 19,1; 23,7.12; 33,3-7; 47,31; 48,12;Ex 4,31; 12,27; 18,7; 2Sm 1,2; 9,6.8; 12,20; 13,31; 14,4; 14,22; 14,33; 18,21.28) Se prostravam-se  diante de Jesus era porque ele era profeta e não porque ele era Deus.(Mc 1,40;Mt 15,25;Mt 17,14; Lc 5,8) Durante a vida de Jesus nenhum de seus discípulos o adoraram como verdadeiro  Deus, pois ainda não sabiam que o mesmo, era o próprio Deus feito homem. Os judeus se prostravam perante a Arca e o Templo porque estas obras feitas por mãos humanas eram dedicadas a Deus. Não as adoravam por este gesto. Ceto que há muito superstição no culto popular a Maria Santíssima. Há até títulos e imagens de muito mau gosto, tais como, Nossa Senhora da estrada, do cadeado, do pilar e outros. Imagens que transformam Maria numa boneca de porcelana. Mas este não o culto legitimo e litúrgico que a Igreja de Cristo presta à mãe do Salvador. São conseqüências das imperfeiçoes dos católicos, da falta de formação religiosa, do sincretismo e costumes culturais. Quem  ler e medita a Bíblia sagrada, estuda o catecismo, os escritos dos pais da Igreja, verá que Igreja não incentiva tais praticas supersticiosas, mesmo que alguns padres as incentivem. Não se pode controlar todos os padres e bispos. Muitos movidos por uma ideia de falsa inculturação, tentam aproximar Maria até de entidades pagãs. Exemplo disto é a invocação "Mariama" de origem afro-brasileira. Até fizeram um canto: "Negra Mariama". Certa autora publicou em uma  editora católica, um livo com o título APARECIDA, A MADONNA NEGRA DA ABUNDANCIA , transformando Maria e a Imagem Aparecida de Nossa Senhora da Conceição, numa especie de deusa da fertilidade. Nada a haver com a devoção do povo brasileiro à Imaculada Conceição de Maria. Não há a  mínima ligação entre a Virgem Aparecida e a ideia de uma deusa da fertilidade. A pesca de muitos peixes apenas foi uma graça  conseguida, pela intercessão da Imaculada,  para pescadores, a fim de   que estes cumprissem o preceito do jejum das sextas -feiras conforme mandava a Igreja na época. E o encontro da imagem de Nossa Senhora da Conceição, foi  a mensagem de que o Brasil deveria ser a pátria da Imaculada Conceição. O país que mais renderia culto a esta graça, dada por Deus, a Virgem mãe de seu Filho. Enquanto de certa forma, temos distorções e exageros entre os católicos na devoção a Maria, há entre os Evangélicos indiferença e desprezo pela Mãe daquele, a quem eles chamam de Senhor e Salvador. Se vissem Maria em pessoa ,teriam a humildade de Isabel e exclamar como Isabel fez dizendo: "Quem sou  eu para vir ter comigo a mãe do meu Senhor?" Creio que seria mais fácil para eles, saírem gritando e dizendo que o diabo estava tentando engana-los,mesmo que aparição na presença deles, exaltasse e louvasse a Deus, como fez Maria em seu hino, após os louvores de Isabel a Ela.
Até na piedade popular encontramos verdadeira joias de verdades teológicas. Na coroação que eu vi neste ano, um dos hinos dizia exatamente assim: "SOIS A SERVA TRANSFORMADA EM RAINHA. SOIS A FILHA TRANSFORMADA EM MÃE DE DEUS. Eis em uma síntese bela e completa, toda razão de ser do culto de vernação à  Maria, mãe do Senhor. Quem tem a Jesus por Senhor jamais é indiferente ou hostil à mãe dele.

quarta-feira, 30 de maio de 2012

30 DE MAIO DE 1431. JOANA É LIBERTADA NUMA GRANDE VITÓRIA!

Hoje a inocência triunfou sobre a corrupção.

Hoje a reta intenção triunfou sobre mesquinhos interesses pessoais.

Hoje a fortaleza se manifestou na fragilidade.

Hoje o amor à verdade foi mais forte do que o amor à vida.

Hoje a santidade mostrou o seu rosto na face de uma guerreira.

Hoje a Igreja triunfou em de seus membros seus seus falsos filhos.

HOJE , 30 DE MAIO, JOANA ENTRA NA MORADA DOS SANTOS E FICA ETERNAMENTE JUNTO DO SENHOR  REI DOS CÉUS E DA TERRA.

GRAÇAS, LOUVORES. HONRA,  GLÓRIA E ADORAÇÃO A DEUS, ADMIRÁVEL EM SEUS SANTOS!

GLORIA AO SENHOR! ELE É ADMIRAVEL EM SEUS SANTOS.



                Joana d´Arc nasceu em Domrémmy, aldeia francesa em 06 de janeiro de 1431. Filha de camponeses viveu no período em que a França estava ocupada por ingleses que reivindicavam o direito ao trono da França. Os ingleses tinham o apoio dos borgonheses, franceses que preferiram apoiar a causa inglesa por não aceitarem o príncipe herdeiro Carlos, chamado o Delfim, como futuro rei. Aos 13 anos de idade Joana começou a ouvir Vozes e ter visões que ela atribuiu a são Miguel Arcanjo e as santas Catarina de Alexandria e Margarida de Antioquia. Estas ordenavam que ela fosse em socorro do rei não corado da França e expulsasse os ingleses do território francês. Após uma tentativa sem sucesso, em 1428, Joana consegue ser enviado ao Delfim e tem um encontro com ele. Diz que é enviada por Deus, O Rei do Céu, para fazer que o mesmo recupere o seu Reino. Conta-lhe um segredo conhecido apenas por ele e Deus.
            Aconselhado por seus auxiliares o rei ordena que Joana seja investigada por teólogos franceses partidários do rei para comprovar se ela é uma boa católica. Após a investigação os padres atestam que Joana demonstra ser uma boa cristã e que o rei não deve temer receber sua ajuda. Ela é enviada à cidade de Orleans que há mais de oito meses está sitiada pelos ingleses e borgonheses. Joana lidera várias batalhas na cidade e consegue libertá-la no dia 08 de maio de 1429. Sua próxima ação é conduzir o delfim para coroação em Reims, onde conforme a tradição deviam ser coroados todos os reis franceses. Percorrendo o território inimigo, sem derramar sangue, Joana conduz o Rei a Coração na catedral de Reims mostrando por este ato que o mesmo é verdadeiro rei e legitimo herdeiro da coroa da França. Tenta libertar Paris, mas sem sucesso.
             Em junho de 1430 é feita prisioneira pelos borgonheses aliados dos ingleses e depois de certo tempo vendida aos seus animosos ingleses. Entregue aos padres franceses partidários da causa inglesa e julgada como herege, idolatra e apostata. Um bispo preside o julgamento. Seu julgamento começa em fevereiro de 1431 e termina em maio do mesmo ano. Submetida a grandes tormentos, aprisionada numa prisão inglesa e vigiada por soldados ingleses a jovem ver em constante perigo a sua integridade virginal. Por este motivo não admite retirar as vestes de homem com as quais foi feita prisioneira. Ela a si mesma, se declarava  “A Virgem". Enganada pelos juízes que prometem sua transferência para uma prisão da Igreja se ela voltar aos trajes de mulher e a ouvir missa que não era permitido a ela. Para salvar-se das mãos dos seus inimigos, a donzela assina forçada, pois um padre segurou sua mão (ela era analfabeta) um papel que na verdade é uma confissão de que suas vozes não eram mandadas por Deus e reconhecendo que estava errada em obedece-las. Joana não sabia ler e nem escrever. Acreditou que estava apenas escapando dos ingleses e sendo amparada pelos padres. Na verdade, fazia parte do plano desmoraliza-la, demonstrando que ela mesma reconhecera ser instruída por maus espíritos com a finalidade de desacreditar a coroação do Rei francês, pois neste caso, o mesmo teria conseguido ser rei ajudado por um bruxa. Joana é obrigada a voltar para a mesma cela dos ingleses e a vestir roupas de mulher. Sendo maltrata e ameaçada de violação, recupera a roupa masculina que deixaram em sua prisão. Este foi o motivo maior de sua condenação como Relapsa, o tipo de erro para o qual não havia mais perdão. Relapso é aquele que tendo negado o erro em matéria de fé, a ele retorna.
            A virgem é conduzida para morrer queimada viva no dia 30 de maio de 1431. Ela suplica por uma cruz aos que estão próximo. Um guerreiro inglês movido por piedade faz uma pequena cruz com dois pedaços de paus retirados da monte de lenha da fogueira. Ela a beija diz o doce nome de Jesus e a guarda no peito. Pede ao padre que vá buscar a cruz da procissão na Igreja mais próxima e este atende ao seu pedido. Tendo diante dos olhos a imagem de Jesus crucificado Joana d´Arc morre gritando várias vezes o doce nome de Jesus. Vinte e cinco anos após sua morte, com a vitória completa dos franceses sobre os ingleses, um novo julgamento é feito e Joana é declarada inocente de tudo o que a acusavam. Em 1869 o bispo de Orleans introduz a causa de sua canonização e finalmente do dia 16 de maio de 1920. Joana d´Arc é declarada Santa (canonizada) pelo Papa Bento XV. Sua festa litúrgica é no dia 30 de maio.

30 de maio de 2012
Bibliografia: O Processo de Joana d´Arc. Sebastião Meirelles Teixeira. Ed Rideel, 1996. Os Grande Líderes, Joana d´Arc; Susan Banfield, Nova Cultural, 1988. Joana d´Arc, Uma Biografia. Donald Spoto, Planeta, 2009.

domingo, 27 de maio de 2012

O ESPÍRITO SANTO: DOM E DOADOR

Nas sagradas Escrituraras do Novo Testamento o Espírito Santo tanto é apresentado por Jesus e os Apóstolos como Dom de Deus para cada pessoa (cf.cf. Lc 11,13; Jo 14,26; 20,22;Rm 5,5) como o próprio Deus que se fonte de todos os dons e doador (Mt 28,19;At 28,25;15,28;13,2; ) Concluindo o Espírito Santo é Dom de Deus mas também é Deus. "Disse então Pedro: Ananias, por que encheu Satanás o teu coração, para que mentisses ao Espírito Santo e retivesses parte do preço do terreno?Enquanto o possuías, não era teu? e vendido, não estava o preço em teu poder? Como, pois, formaste este desígnio em teu coração?   Não mentiste aos homens, mas a Deus." Atos 5, 3-4
Pelo Espírito Santo se pode realizar milagres, falar línguas desconhecidas exercer a caridade e os mais variados carismas e mistérios  (1Cor 12,3-11) O Espírito Santo age na Igreja em todos os dias do ano e o ano inteiro. A festa de Pentecostes recorda apenas o inicio da manifestação do Espírito Santo. O inicio da Igreja. Até podemos dizer o começo do reino do Espírito, porque doravante é por meio do Espírito santo que Jesus está conosco. E no Espírito Santo que podemos testificar que Jesus é o Senhor, o Cristo e o nosso salvador. em nosso batismo recebemos o Espírito Santo que nos santifica. Na Crisma ao confirmar nossa fé recebemos o Espírito Santo, seus dons e frutos. Somos por natureza uma igreja do Espírito Santo. embora não se tenha muita visibilidade do mesmo na Igreja. A ação do Espírito Santo é mais interna. É no inteiros das almas que age. Nada mais evidente da ação do Espírito Santo na Igreja do que o testemunho dos mártires e a vida dos santos. Apenas pelo Espírito Santo doa qual estes receberam a fé eles deram a vida por Cristo e doar-se por amor a Cristo aos outros. Foi o Espírito Santo quem os gerou novamente segundo a imagem de Jesus Cristo. Foi pelo Espírito Santo que converteram pagãos e hereges. Que realizaram milagres. Foi pelo Espírito Santo que os santos padres da Igreja receberam a revelação da verdadeira doutrina, manifestaram os erros dos hereges e lutaram quase contra todos como o fez Santo Atanásio contra o Arianismo, que fazia do Verbo a primeira criatura de Deus. Cremos na Igreja porque isto nos´e concedido pelos Espírito Santo. Por isto no credo dizemos primeiro: "CREIO NO ESPÍRITO SANTO" e depois "Creio na Santa Igreja Católica." É preciso estar ciente da ação de Deus como Espírito em nossa vida e do dom do Espírito a nós, que Deus Pai nos deu no Filho. 
O Espírito  Santo Dom e doador. Santo e santidade. Poder e Onipotente. Que nos conduz sempre mais a fazer a vontade do Pai assim como conduziu Jesus Cristo segundo a natureza humana. Pois o mesmo Jesus estava era Cheio do Espírito Santo. 
A divindade do Espírito Santo é claro porque ele vem de Deus. Sabe o que é Deus e realiza o que só Deus poderia realizar. Concluindo com São Basílio, que indica o Espírito Santo como o Senhor ao citar a carta aos Tessalonicenses  de São Paulo peçamos "Que o Senhor conduza os vossos corações para o amor de Deus e a constância de Cristo nas tribulações." 2Ts 3,5)

quarta-feira, 23 de maio de 2012

MAIO DE SANTA JOANA



O mês de maio, dedicado a mais santa dentre todas as virgens e a mais importante de todas as mãe, Maria Santíssima, é também o mês de Santa Joana d´Arc. Não apenas por ser o mês em que se deu o seu martírio no fogo, mas também porque muitos fatos importantes da  vida de Joana aconteceram no Mês de maio.
Vejamos:
Foi no dia 08 de maio de 1429, que Joana libertou a cidade de Orleans do cerco que os ingleses faziam a esta;
Foi no dia 23 de maio de 1429 que Joana foi feita prisioneira pelos borgonheses aliados dos ingleses;
Foi no dia 03 de maio de 1431, que Joana disse haver recebido consolação de São Gabriel Arcanjo;
No dia 24 de maio  ocorreu a falsa abjuração, para denegrir sua pessoa;
No dia 30 de maio de 1431, Joana d´Arc é queimada viva em Ruan, na França.
Em 16 de maio de 1920 , Joana d´Arc é declarada Santa pelo Papa Bento XV;

Unida a Maria pela dom da Virgindade, partilhou com a mãe santíssima, de certa forma, da maternidade, não física, mas espiritual; fazendo nascer de seu sacrifício toda uma nação cristã; que por sua intercessão  unida à da Virgem, padroeira dos franceses, a Notre Dame, possa a filha primogênita da Santa Igreja, a França, ser  também a primeira nação do mundo a retornar a esta, para o surgimento de uma nova Cristandade, sem fogueiras; mas com a luz da fé e a absoluta submissão à Cristo Rei, por Amor.

sábado, 19 de maio de 2012

A VERDADEIRA UNIDADE


De 20 a 27 de maio, os cristãos são convocados a rezar pela unidade absoluta e verdadeira, entre os cristãos na única Igreja de Jesus Cristo sobre a Terra. A Igreja Una, Santa, Católica e Apostólica, que tem no Papa o pastor visível, querido por Jesus Cristo. Há uma só Igreja. Jesus nunca quis uma federação de igrejas professando fé nele em alguns aspectos e divergindo em outros, e fazendo da Bíblia a fonte para todos  seus erros doutrinários. Nesta semana rezemos a oração Bem-aventurado Cardeal Newman, convertido ao catolicismo, que identificou pela luz do Espírito, ser a Igreja Católica a única Igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo. Jesus não quer uma união de fachada. Que esconde para debaixo do tapete as diferenças doutrinárias em pontos essenciais. Não podemos rezar juntos sem que haja a verdadeira unidade na doutrina e no culto, embora exista a legitima diversidade de ritos. A verdadeira unidade entre os cristãos  consiste na comunhão plena no mesmo batismo, na mesma Eucaristia e sob a autoridade do papa.

Oração Para a UNIDADE
“Senhor Jesus Cristo, que quando estavas sofrendo orou por teus discípulos para que fossem um até o final, como és Tu com o Padre e o Padre contigo, derrubai os muros de separação que dividem os cristãos de diversas denominações. Ensina a todos que a Sé de Pedro, a Santa Igreja de Roma, é o fundamento, o centro e o instrumento desta unidade. Abri seus corações à Verdade, por tanto tempo esquecida, de que nosso Santo Padre, o Papa, é Teu Vigário e Representante. E assim como no Céu existe uma só companhia santa, assim sobre esta terra haja uma só comunhão que professe e glorifique o Teu Santo Nome”.
Cardeal Newman. 
Convertido do Anglicanismo para a Igreja Católica.

segunda-feira, 14 de maio de 2012

CATÓLICOS PELA GRAÇA DE DEUS

Era comum os antigos se declararem católicos dizendo esta frase. "Sou católico, pela Graça Deus." Sim. Ser católico e perseverar no catolicismo é uma graça concedida por Deus. E muito mais em nossa época. Com um pluralismo religiosos intenso, em que da noite para o dia, surgem mais e mais correntes religiosas, e se fundam milhares  de denominações ditas cristãs.  

Por que ser católico é uma graça, se para muitos, o catolicismo é a Igreja mais permissiva,  que faz menos exigências para dela fazer parte? Quem não pratica nenhuma religião geralmente se denomina católico; assim como aqueles que além de freqüentar a Igreja, também freqüentam o espiritismo, terreiros de Umbanda e seguem outras crenças religiosas. É por isto mesmo, que  o Católico fiel e praticante, precisa da graça de Deus para viver o catolicismo, que na maioria das vezes fica restrito ao papel. Não  é estes seguido ou conhecido pelos seus irmãos na fé, que também se declaram católicos. E dentre os milhares e milhares de católicos, apenas de nome e que só receberam o batismo, alguns  só chegando à primeira comunhão, Deus como que escolhe alguns, para viver o catolicismo com fervor e fidelidade. Para estes a doutrina da Igreja é seguida com a plena adesão da inteligência, e as normas da Igreja são obedecidas com o pleno consentimento da vontade.
E em que crer o verdadeiro católico? Acredita este, que a Igreja dos Atos dos Apóstolos, aquela Igreja que sob a liderança de Pedro, o primeiro entre os apóstolos, escolheu Marias, para fazer parte do grupo dos doze, após a ressurreição de Jesus;(Atos 1,21-26) estabeleceu os diáconos para servir as mesas;(Atos 6, 2-6) aceitou os primeiros gentios com o batismo ode Cornélio,(Atos 10,34-43) para professar a fé em Cristo e teve a segurança de dizer após um concilio em Jerusalém, "pareceu bem ao ESPÍRITO SANTO  e a nós nos vos impor outra coisa além de..."(Atos 15,28) não acabou com a morte dos apóstolos de Cristo. Ficando em seu lugar apenas a Bíblia, que muitos interpretam para sua própria perdição, (2Pd 3,15-16) e fazendo desta uma fábrica de milhares e milhares das ditas  igrejas. Crer que Jesus quis, e fundou uma só Igreja, estabelecida sobre a autoridade dos apóstolos e  que estes hoje estão presentes em seus sucessores, os bispos,(Atos 20,28) que pela imposição das mãos, foram indicados pelo Espírito Santo, para apascentar a Igreja do Deus vivo, coluna e fundamento da verdade (1Tm 3,15) e que é por meio desta Igreja, viva e visível que Deus manifestou a sua sabedoria.(Ef 3,10)

Ser católico é pela graça de Deus reconhece-se salvo das penas eternas do inferno pela paixão e morte de Nosso Senhor Jesus Cristo, mas também, crer que todo aquele que fizer o mal, seja judeu ou pagão, escravo ou livre, será punido e condenado à separação definitiva da glória de Deus. E todo aquele que se omite em fazer o bem também comete pecado. Por que minha fé se prova por minhas obras.
A Igreja Católica não é a porta larga, que permite aos católicos fazerem tudo, como muitos pensam. A doutrina da Igreja sempre condenou e condena o adultério, o divórcio, a permissividade sexual. Afirma que as relações sexuais devem ser vividas no casamento e apenas entre pessoas unidas pelo sacramento matrimônio. A castidade não é obrigação só para padres e freiras. Esta o  é  para todo católico, seja ele um simples leigo ou não. Os solteiros, e os que não se sentem chamados ao matrimônio, não devem, sob pena de cometerem pecado, manter uma vida sexual ativa. Devem guardar a castidade ou se não suportarem a continência sexual,  que procurem casar-se.De modo que se fosse perguntado a um católico fiel, "Por não casastes?" Este responderia. "Porque Deus não me chamou ao matrimônio" E dissessem, "Mas tu tens uma vida sexual ativa, não? O mesmo responderia. "Sou católico. E para os católicos relações sexuais só devem existir no matrimônio, por isto guardo a castidade." Os namorados e noivos tem a obrigação de aproveitarem este período, para conhecer-se como pessoas, e não treinarem para fazer sexo. Praticar   sexo é muito fácil. Pode ser coisa de uma noite apenas. Conviver todo dia  com o outro é muito mais difícil. Por isto, tantos casamentos hoje, são desfeitos com tanta facilidade. Não são preparados pelo conhecimento e convivência recíproca, entres os casais, que se limitam apenas ao contato físico  ou então priorizam este. Os casados  ou as familias católicas, devem guardar a fidelidade e não impedir os filhos que Deus os quiser mandar. Seguir a doutrina da Igreja, e não meras opiniões, mesmo que seja de alguns padres ou bispos, no que diz respeito aos meios artificiais de controle da natalidade. Devem utilizar apenas os naturais. Mas isto não  é tudo. É na familia que um batizado católico deve receber a formação na doutrina Católica. É dever  mãe, principalmente,  educar os filhos na fé. Santa Joana d´Arc disse, em seu julgamento. "Não recebi a minha crença de outra pessoa,  mas de minha mãe." A  mãe dela a ensinou a ser uma fervorosa católica, que amava a Eucaristia e a Santa a Missa. Ela também compartilhou  a dor do próximo, em seu sofrimento, como se fosse sua. E esta fé, foi que a fez lutar e desejar a liberdade para o seu país dilacerado pela guerra.

Se procurarmos viver o que está no papel, que manda o catecismo da Igreja Católica iríamos comprovar como ser Católico não é nada fácil. É preciso verdadeiramente a Graça de Deus para sermos verdadeiros católicos, entre tantos católicos de nome e não de fé e pratica. E ser católico não depende de fazermos parte de um grupo de oração, de um movimento da Igreja, de uma ordem religiosa. Deve acontecer o  contrário. É o nosso catolicismo, abraçado com fervor, seguido com determinação, que deve nos  fazer aderir ou procurar um movimento, ou um grupo; para que no apoio recíproco de outros irmãos católicos, possamos viver de forma mais comprometida o nosso catolicismo. Sempre consciente, de que primeiramente somos filhos da Igreja. Somos católicos e por isto mesmo membros daquele grupo,de um  Movimento ou congregação religiosa. Que independentemente de participar destes, continuaremos a obedecer à Igreja.  Seremos  castos conforme nossa situação civil quer solteiros, quer casados, obedientes ao Papa, piedosos,determinados a fazer o bem a evitar o mal, como deve ser o verdadeiro católico.

sábado, 12 de maio de 2012

MARIA SANTISSIMA


Em seu tratado A Verdadeira Devoção à Virgem Maria, São Luís Grignion de Monfort,descreve os falsos devotos de Maria. Entre estes, coloca os devotos críticos. São aqueles, segundo o santo,  criticam qualquer devoção ou orações dirigidas à mãe, por medo de que esta seja mais honrada do que o próprio filho. Por certo, se entendemos que a mãe do Senhor é a mais perfeita dentre todas as criaturas redimidas, dentre todos os que acreditaram em Jesus como Filho de Deus, e salvador, honra-la, venerá-la, celebrar com ritos a sua pessoa, nunca irá diminuir a pessoa e obra de Jesus. E isto porque contemplamos Maria como a mais perfeita obra da Graça, concedida a ela por Deus, em vista de Jesus, o nosso único e eterno mediador, entre Deus Pai e a humanidade. Mas se isolamos a Virgem da Redenção. Se a colocamos à parte, como  segunda Redentora, sem vinculo algum com o Salvador seu filho, esta devoção não só é falsa, como chega próxima à idolatria. Servir antes à criatura e não ao criador. E isto, é muito comum na religiosidade popular. Dia 13 de maio de cada ano, celebra-se uma festa muito popular, que nem se quer faz parte do calendário católico. É uma festa local, em que se comemora a primeira aparição da Virgem Maria em Fátima, Portugal. A Igreja aprovou as aparições de Maria em Fátima.  Mas esta não é dogma de fé. Posso muito bem não crer que a Virgem Maria apareceu em Fátima e nem por isso deixo de ser católico. Revelações particulares não são dogmas de fé. Elas são possíveis, mas também nada acrescentam ao que o Evangelho de Jesus já nos deixou. Não podem e não trazem nenhuma doutrina nova. A Igreja as aprova justamente por isto. Porque não contradizem o que a Igreja ensina e sempre ensinou. O que Maria pediu em Fátima foi conversão e oração pelos pecadores. Reforçou a existência do inferno e a importância de rezarmos uns pelos outros, para que nos livremos da condenação eterna. Solicitou a recitação do terço em que meditamos os mistérios da nossa Redenção. Tudo isto já era ensinado e praticado por alguns. A aparição veio para confirmar e reforçar o que já fazia parte da doutrina católica. Com o crescimento da devoção, foram criando praticas que a mesma Senhora nunca pediu. Missa toda dai 13 de cada mês as 12 horas; Vestir-se de branco todo dia 13. Conheço uma colega de trabalho que se veste branco todo dia 13, mas que diz com certa ufania “ para as missas, eu mesma, não vou não" Fez a crença na aparição de Nossa Senhora em Fátima,  esta pessoa ser católica? De certo que não. As pessoas procuram centros de devoção para pedir e pagar promessas. Este tipo de religião não incomoda ninguém. Nem amedronta governos. Por isto é que prefeituras incentivam procissões, erguem nas praças imagens de santos e santos, quando ao mesmo tempo, desejam tirar os crucifixos de repartições  públicas. Como se praças não fossem ambientes públicos pertencentes ao governo. E isto porque a cruz incomoda. Ela indica Redenção e pecado. Ela mostra o poder e a presença da Igreja Católica, que levou o mundo ocidental, a adorar um crucificado. Vejam com eles reagem  quando há uma marcha contra o aborto ou contra o casamento gay. Já chama os que participam de tais marchas de fanáticos e medievais. O governo não teme religião popular ou mágica. Não se incomoda com os terreiros de Candomblé ou de macumba. Porque visam apenas resolver problemas pessoais. Não exigem uma mudança de vida. Não exigem conversão! Devoção aos santos também são bem vindas. Desde que não façam as pessoas a viveram a santidade. E infelizmente é isto que acontece. São  devotos de Maria que se enquadram na falsa devoções apontadas por São Luís de Monfort,  interesseiros e os presunçosos. Que  permanecem no pecado e mesmo assim se dizem muito devotos de Nossa Senhora de Fátima. Aliás, para alguns pouco importam se é  a mãe de Jesus. Acredito que muitos não entendem isto a  vejam como outra santa, diferente de Nossa Senhora aparecida, já que se guiam pela visão e o que vem para os dois títulos são imagens diferentes. Muito diferentes. Não associam estas à mesma pessoa. No caso, a imagem branca e bela, que representa aparição de Fátima, é  muito mais querida e admirada do que a pequena e negra imagem aparecida em 1717. Pelo menos no nordeste do Brasil.  Mesmo que haja mais romarias à Aparecida, sem dúvida.  O que estou tentando, dizer é que os devotos de Nossa Senhora de Fátima, apreciam mais a imagem, do que a pessoa mesma da Virgem Maria. Creio que pelo escrevi até agora, muitos já me incluiriam entre os devotos críticos, apontados por São Luís Maria de Monfort. Mas eu vejo outra categoria de verdadeiros filhos da Santíssima Virgem. São os devotos ESCLARECIDOS. Aqueles que contemplam a Virgem  como a Mãe de Deus, Nosso Senhor Jesus Cristo. Que entendem, que ela, dentre todas as criaturas, é a mais santa e mais glorificada por Deus Pai, em vista dos merecimentos do filho único de Deus. Que a recebem em seu coração como verdadeira mãe. Que deixam em segundo plano seus milhares de  nomes e suas milhares de imagens. Sua devoção tem raiz bíblica e se fundamenta na autoridade da Igreja. São continuadores do grito, que Elisabete deu ao receber a saudação de Maria: "E donde a mim isto? Que venha me visitar a mãe do meu Senhor?" Estes sim, são católicos que entendem o papel de Maria no contexto da Redenção. Que nunca separam mãe do Filho. Que obedecem à Mãe quando adoram e louvam o Filho. E que alegram o Filho, quando reconhecem a graça e e fé que este concedeu à mãe. E que acima de tudo, defendem e vivem segundo a doutrina da Santa Igreja. Romarias, terços, novenas, imagens, são boas apenas se  produzirem bons frutos;  se houver uma verdadeira devoção à Santa Mãe de Jesus. E os sinais da verdadeira devoção são estes: Tem raiz bíblica; Contemplam Maria, à luz da redenção como a mais prefeita dentre os redimidos; (porque concebida sem pecado, pela morte de Cristo já em sua conceição) Percebem em cada título ou imagem, a mesma e única mãe de Deus; evitam o pecado e defendem a fé católica, mesmo que se prejudiquem por causa disto. Estes são os devotos que denomino esclarecidos e que nada tem a ver como os críticos, pois estes só enxergam os defeitos na devoção à santa Mãe de Deus. São como os protestantes que só se referem à Maria para criticar os católicos e ignoram tudo o que a Bíblia diz sobre Maria.  Os devotos esclarecidos procuram   mostrar a  verdadeira grandeza de Maria e as maravilhas que nela Deus realizou. Peçamos ao Espírito Santo que nos faça verdadeiros filhos desta Santa mãe, que recebemos de Jesus, na pessoa do discípulo amado. Sejamos verdadeiros filhos da  Mãe de Deus e nossa!