quinta-feira, 30 de setembro de 2010

JESUS, FILHO DO DEUS VIVO, REDENTOR RESSUCITADO.

A ética cristã fundamentada no amor e serviço ao homem, principalmente necessitado ou marginalizado, é aceita tanto por crentes, como por ateus ou incrédulos e até mesmo por outras correntes religiosas. O Jesus, humanista, que ficou ao lado dos pecadores, dos pobres, dos deixados à margem pela sociedade da época, não causa divisões nem força a uma escolha. O Jesus que impõe uma escolha, uma ato de fé, é o Filho único de Deus, o Deus feito-homem, o Redentor e Ressuscitado. Este aspecto de Jesus é negado por ateus, alguns cristãos liberais e pelas correntes espiritualistas. O próprio Jesus reforçou que a sua pessoa e não a sua doutrina seriam causa de divisão na familia. "...estarão divididos na familia, o filho contra o pai, a mãe contra a filha, POR CAUSA DE MIM." E também elogiou Pedro por confessa-lo o Filho do Deus vivo. Quando curou um cego perguntou: "crês tu no filho do Homem." E quando este quis saber quem era este filho do homem, Jesus disse: "Este que está a falar contigo". Jesus se apresenta inseparável da sua doutrina. Aliás esta doutrina só tem valor porque é a Palavra de Deus dirigida a todos os homens com autoridade. O que vem primeiro é a pessoa do Cristo e depois a doutrina do Cristo. Por isso os apóstolos não anunciavam primeiramente o "Amai-vos uns outros," mas a Ressurreição de Jesus e a Redenção pela fé nele. Hoje em nome de uma falsa concórdia,de uma paz dissimulada, colocamos Jesus, Filho de Deus redentor e ressuscitado abaixo de sua doutrina que é sim, amor, misericórdia, aceitação do indefeso, do marginalizado, mas acima de tudo é a doutrina do salvador dos homens; da Sabedoria eterna encarnada como criatura humana na história da humanidade. É preciso acolhermos o Cristo integral. Sua pessoa é inseparável de sua doutrina, dos seu ensino. Não basta amar e servir. É necessário amar e servir, porque creio que o Filho de Deus,me salvou do pecado e deu a vida eterna por sua morte redentora.Amar porque ele amou e por ser puro e imaculado, único inocente, valorizou e dignificou o amor humano. O humanismo, como amor pelo ser humano, pelo simples fato de sua humanidade, não é cristão. No entanto, o verdadeiro cristão é humanista, porque contempla nos homens, a face do Filho de Deus , salvador e ressuscitado que se deu a si mesmo para elevar os homens, a dignidade de Filhos do Deus vivo.

terça-feira, 28 de setembro de 2010

Não pode ser triste um coração a quem Deus ama.

Infelizmente, muitas vezes nos deixamos levar pelo desanimo. Quando as coisas e as pessoas não correspondem ao que esperamos ficamos tristes, enfraquecidos e nada parece fazer sentido. O cristianismo nesta hora nos dar a resposta mais eficiente. A única religião no mundo que afirma com absoluta certeza que Deus assumiu historicamente a nossa natureza humana, que experimentou nossas limitações e que foi até as ultimas conseqüências, entregando sua vida por amor a criatura, nos deve fazer de nós, que cremos no Cristo Redentor as pessoas mais felizes. Pois Deus mesmo veio ao nosso encontro e nos amou como um amor imenso. Nos retirou da condição de escravo os do pecado e nos libertou para a glória de filhos amados de Deus. Como poderá se entristecer quem foi objeto do amor absoluto do próprio Deus, que veio em busca de sua criatura perdida e por ela deus a própria vida humana que uniu a si mesmo? Somos o mais felizardos dos povos e das pessoas pois Cristo, filho de Deus amou e se entregou por amor em nosso favor. Por isso o Apóstolo São Paulo nos diz na Carta aos Felipenses: "Alegrai-vos sempre no Senhor, Alegrai-vos!" Conceda-nos, o Senhor, a verdadeira alegria de nos sabermos amados pelo Filho e também pelo Divino Pai Eterno que nos deu a graça de nos fazer filhos no Filho, em virtude de sua obediência absoluta, até a morte na cruz. Não deve ser triste um coração a quem Deus ama. E que sabe que Deus o ama compreende que todas as coisas concorrem para o bem daqueles que são por ele amados.

domingo, 26 de setembro de 2010

NOSSA VIDA NA TERRA É UMA GUERRA

Os dias que Deus nos concedeu para viver nesta terra são dias de provação. Dias de tremenda guerra ao pecado que feriu nossa natureza humana. Jesus, ele mesmo, sentiu nas carne a luta entre sua vontade humana e a vontade divina. Entregou-se todo inteiro ao Pai, não desejando outra coisa que fazer a vontade do Pai. Se Jesus, imaculado e separado dos pecadores, sentiu a força da vontade humana querendo-a livra-lo da morte, imagine a nossa natureza que se tornou fraca e inclinada ao mau devido ao pecado.Mas por Jesus e pela Graça que Ele nos mereceu por sua plena obediêbcia a vontade do Pai, podemos vencer o pecado e persistir lutando, pois o mesmo Senhor estará sempre ao nosso lado para nos levantar das quedas, se sinceramente desearmos servi-lo e amá-lo.Os Santos, nossos irmãos na fé, foram verdadeiros guerreiros, mesmo aqueles que nunca travaram uma batalha numa guerra. Como afirmou Jesus, eles conquistaram o Céu pelo violencia que fizeram a si mesmo.Deus me concedeu uma verdadeira devoção fraterna a uma guerreira tanto militar, bem como guerreira mistica. Ele travou guerra em dois campos de batalha. O mundo guerra e o mundo da guerra intima. A guerra que se passa no mais intimo do nosso ser, qunado vemos nossos projetos irem por terra e estamos numa solidão total, pois só Deus conhece nossa dor. Sempre me perguntei porque admirei desde a infância a Virgem Guerreira Joana d´Arc. Tinha tudo para nem se quer saber que ela era uma santa da Igreja catolica. No Brasil praticamente não há devoção a ela. Cresci vendo imagens de Santa Luzia, Santa Rita de Cassia e do grande santo de Assis, de quem tenho o mesmo nome. Seria natural que, como muitos cearenses eu tambem fosse devoto dele. Mas agora entendo que Deus me deu uma irmã no céu. Que quis que me espelhasse numa guerreia. Uma mulher qeu lutou, venceu, mas que tambem perante sua gente, parecia ter perdido. Que sofreu uma tremenda injustiça, mas perserverou na fé. A Divina providencia quis que descobrisse e amasse esta Filha de Deus e que lembrasse dela perante as batalhas da vida, pois comno diz uma hino feita em honra dela "Na batalha que temos na vida, ao pecado que nos quer dominar, se lutares conosco, ó Donzela, a Vitória é Deus quem dará." Sim, pois ela foi vitoriosa pela fé em Cristo Rei. Senhor dos Senhores. Reis dos Reis. Eu te louvo Senhor pois tu és grande em teus santos. Gloria a ti meu Rei, meu Senhor e meu Deus!

sábado, 25 de setembro de 2010

TRIUNFAI, REDENTOR

 

The Ascension.(Detalhe)
 Benjamin West. 


PAX!



        A Festa da Ascensão de Nosso Senhor Jesus Cristo é um momento tão lindo que deve ser relembrado sempre. O Redentor triunfa novamente ao lado do Pai e a nós, resta a missão de vivermos fisicamente sem Ele que já está nos céus. Entretanto, Cristo Triunfante permanece conosco nos Sacramentos, nas Obras de Misericórdia e no seu Santo Espírito. 






TRIUNFAI, REDENTOR!


Ave, Cristo ascendendo ao grande céu!
Ave adorada neste movimento,
Vós que viveis no Santo Sacramento,
Adornado sejais de manto e véu.


Triunfai, Redentor, ó na Ascensão!
Cordeiro sacrossanto imaculado
Triunfai, Redentor, ó Coração!
Homem das Dores, ó crucificado!



Nebulosa de cores e de brilho,
Eis o elixir do Rei, sangue de amor,
Manjar supremo, carne que nos salva!


Triunfai, Redentor ó belo Filho!
Sois a água mais eterna, a luz mais alva!
Triunfai, Triunfai, ó Redentor! 



ROMMEL WERNECK


PAX

Eu vos dou a paz eu vos deixo a MINHA PAZ. Disse Nosso Senhor Jesus Cristo. Dai-nos Senhor Jesus a verdadeira paz. Não a paz que mundo dá. Pois a paz dada pelo mundo é enganadora e passageira. É sustentada pelo bem estar, pela indolência, pelo respeito humano e pelo politicamente correto. Dai-nos a paz dos guerreiros pacíficos que não temem perder a vida quando defendem a fé e vosso reinado no mundo. A Paz dos mártires de três séculos de cristianismo, que preferiam morrer a cultuar o Imperador romano como a Deus. Esta paz que enfrenta tempestades, zombarias, perseguições. A boa e verdadeira paz que dura longamente como falava vosso Serva, a Virgem Joana d´Arc. A Paz que vós nos dais, Senhor Jesus é a tranqüilidade de consciência pela obediência a vossa vontade. Que venha sobre todos a vossa paz.

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Filhos de Deus

"Antes e depois que o cerco de Orleans fosse levantado, e depois, todos os dias as Vozes, quando me falam ,freqüentemente me chamaram "Joana. a Virgem, filha de Deus" (Sta. Joana d´Arc) Não damos muito importância a realidade de sermos de fato filhos de Deus, porque entendemos que ser filho de Deus é o mesmo que ter sido criado por Deus. O que nos torna filhos de Deus é o fato de sermos criaturas humanas. Então todos os homens são filhos de Deus. Mas o cristão e o cristianismo tem uma compreensão mais elevada do significado e da realidade de nossa filiação divina. Ser filho de Deus para o cristão não é sinônimo de ter sido criado por Deus. Somos filho de Deus pela graça santificante, por participamos da santidade de Deus. E só continuamos filhos de Deus se estivermos em estado de Graça. Se pelo pecado mortal perdermos o estado de graça seremos meras criaturas de Deus tais e quais os animais e as plantas. Racionais sim, porém simples criaturas. Pela graça nos tornamos filhos à semelhança de Cristo. Foi por Cristo , unicamente por ele, que nos veio a Graça santificante e por meio dele recebemos a adoção de Filhos (Gl 4,4). Como diz o Evangelista São João em uma de suas cartas: "Vede que grande amor nos mostrou o Pai. Em nos tornarmos seus Filhos. E nós o somos de fato." Então não basta ter nascido humano para ser filho de Deus. É preciso ter renascido por meio da fé mediante o batismo, para a Graça, que nos torna santos. Cristo veio para nos dar a Graça, sem a qual jamais poderíamos ser verdadeiros filhos de Deus. As vozes ouvidas por Santa Joana d´Arc não encontraram melhor nome para ela do que este: Filha de Deus! Sim, filha de Deus porque na sua pureza e na sua reta intenção estava ela na graça de Deus. Ela mesmo disse. "Se não estivesse na Graça de Deus, creio que as Vozes não viriam a mim..." Deus fala aos Filhos. Por isso o pecado é um grande mau, pois, ao nos retirar da Graça divina nos faz tornar ao estado de meras criaturas humanas. Perdemos nossa condição de Filhos. Mas a misericórdia de Deus vem em nosso favor se pelo arrependimento nos voltarmos para Deus e pedirmos perdão. Recebemos a Graça mediante a contrição sincera e acusação dos pecados na sacramento da penitencia. Como disse Santa Joana d´Arc referindo-se ao sacramento da confissão. "Nunca é demais limpar a própria consciência." Estando na Graça que nos santifica somos Filho de Deus. E esta é a maior dignidade a que um ser humano pode chegar. Nem, reis, nem papas, nem doutores possuem dignidade maior do que esta: SER FILHO DE DEUS.

A Ira

A ira é um dos sete pecados capitais. Diz a sagrada escritura: " Não se ponha o sol sob a vossa ira." Que não venha a nós a morte quando estivermos com a ira. Pois esta envenena nossa alma. A Ira não é uma simples raiva ou irritação da qual nenhum de nós pode escapar. Todos têm raiva quando são contrariados. Mas ira é o ódio ao extremo e a vontade de destruir e aniquilar o objeto de nosso ódio. Se tivéssemos poderes paranormais quando irados, seriamos capazes de incendiar apenas com um olhar tudo a nossa volta. A Escritura também chama de ira o zelo pela lei de Deus, mas alerta para que esta não se torne a ira pecado quando diz na carta de Pedro Apóstolo. "Se vos irardes não pequeis.." O Zelo mostra amor e defesa pelas coisas santas. Foi o que Jesus fez ao expulsar e açoitar com cordas os vendedores do Templo. Ele mostrou zelo em sua atitude tendo em vista corrigir um abuso. A transformação da casa de Deus em um mercado. Mas ira não visa nada, ou melhor, só tem um objetivo. Destruir. Aniquilar. A ira nos tira do equilíbrio emocional, nos faz dizer coisas que não deveríamos, nos obscurece o entendimento vendo os fatos distorcidos. Uma simples palavra de alguém que nos critica perante a ira se torna uma agressão física ou de grande significado moral. A Ira nos faz um grande mal. Salvai-nos Senhor, manso e humilde de coração, da Ira e dai-nos o firme zelo dos vossos santos.

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

O PECADO

Muito mais do que desobedecer a um mandamento ou fazer algo que é proibido, embora tenhamos a maior vontade, o pecado é o mau que mata em nós a nossa dignidade de filhos de Deus. Jesus mesmo disse que se algo é muito valioso para nós e nos leva ao pecado devemos rejeita-lo como se perdêssemos uma parte de nosso corpo. Ele também disse que o pecado nasce em nosso coração e que ele é que nos faz impuro. Devemos nos afastar do pecado como de uma doença contagiosa. O Pecado nada faz à natureza divina, porque esta é imutável. Mas fere a nossa condição de filhos de Deus. Nos rebaixa a condição sub-humana. Então em resumo o pecado é o maior mau que fazemos a nós mesmos. Mas para nos livrar do pecado veio Jesus e para também nos dar a graça do arrependimento e o sacramento da penitencia. Assim rendamos graças a Deus por nos levantarmos após cada queda, pois a pior coisa que pode nos acontecer é perdermos o senso do pecado e não pedirmos novamente perdão ou descrer da misericordiosa de Deus. Deus nunca nega o seu perdão ao pecador que confiante diz: "Tende piedade de mim,Senhor. Eu sou um pecador."

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Nunca desesperar da misericórdia de Deus.

Escreve são Bento em sua Santa Regra que é um dos instrumentos das boas obras "Nunca desesperar da misericórdia de De Deus" RB 4,74. Cometemos muitas vezes o mesmo pecado. Pedimos perdão e nos confessamos e no entanto voltamos a cometer o mesmo pecado de novo. Isto poderá nos enfraquecer ou nos habituar ao pecado e achar que este não é mais pecado, porem uma parte de nossa tendência. Mas tenhamos a certeza que enquanto nos arrependermos do que voltamos a fazer, Deus está conosco e não nos abandonou à nossa própria vontade. Ele nos concede a graça do arrependimento e dele nos vem novamente a determinação de não mais pecar e de obedece-lo, de fazer a sua vontade. Se Deus nos permite cair muitas vezes no mesmo pecado é porque estamos ainda presos a soberba e nos orgulhamos quando não fazemos o pecado, achado que a força para não pecar vem de nós mesmos. Mas o arrependimento sincero e a confissão nos fortalecerá e a humildade em nos reconhecermos pecadores e fracos nos fará apelar sempre à misericórdia de Deus e clamar: "Senhor Tende piedade de nós!" E se o mesmo Senhor pediu a nós homens fracos que perdoássemos a um irmão que no mesmo dia veio a nós sete vezes e nos disser "Estou arrependido" Ele é misericórdia infinita e nós dá o seu perdão milhões de vezes. Basta que lhe peçamos e confessemos: "Senhor, pequei, tende piedade de mim, pecador." Glória a Deus que ainda nos faz ver o pecado e nos dá a graça da contrição.

domingo, 19 de setembro de 2010

O Sacrifício Eucarístico

Jesus disse: "Isto (com um pedaço de pão de trigo em suas mãos) é o MEU CORPO que será entregue por vós" (à morte na cruz por vós). E para reforçar ainda mais a realidade desta morte, tendo em suas mãos um cálice com vinho disse: "Isto é O MEU SANGUE que será derramado por muitos ( Durante a sua morte na cruz, devido as perfurações dos pregos) para REMISSÃO DOS PECADOS. Então a missa é plenamente o SACRIFÍCIO REDENTOR de Cristo Jesus em nosso favor. Não é um show de auditório. Não é um encontro de instrução doutrinária. Não é um culto protestante e muito menos uma CEIA FRATERNA em que recebemos um pedaço de pão, fazendo de conta que é CORPO DE CRISTO. Não! A Missa é o calvário agora e a REMISSÃO DOS PECADOS pela morte de Cristo no eterno AGORA de Deus. Tudo converge para este momento chamado consagração do pão e do vinho. Orações, cânticos, leituras e os sermões dos padres. Tudo tem o seu centro na consagração e e seu fundamento nas palavras de Cristo. "Isto é o meu corpo...Este é o cálice do meu sangue." Sem o reconhecimento de que fomos salvos pela morte de Cristo, a missa tornar-se para nós mero evento religioso do domingo. Sem nos unirmos espiritualmente ao sacrifico de Cristo ficamos atentos apenas ao aspecto externo. Aos sermões e as leituras que poderiam e podem ser feitas em casa, em grupos. Bem como as orações. Nenhum encontro de orações, nem uma Celebração da palavra, mesmo em que haja comunhão. se iguala a missa. Pois só esta é o supremo sacrifício de Cristo por todos e em beneficio de muitos.

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

JESUS E A CRUZ

“foi necessário o Sacrifício da Cruz para satisfazer a Majestade Infinita de Deus ofendida pelos nossos pecados.” É justamente esta questão de um Deus irado que exige a satisfação de um inocente pelos pecados dos outros que a nossa época não entende e não aceita.E vê isto como o extremo dos absurdos. Claro que por nós mesmos estávamos impedidos de entrarmos em comunhão com Deus. O Pecado foi uma RUPTURA com Deus Pai, Filho e Espírito Santo. Com toda a Trindade. Então o significado da cruz é um grande ato de amor de Deus que aceita assumir a condição humana, para salvar do pecado, pela obediência à Trindade. Para que houvesse um homem puro e inocente, necessariamente se fez a união da Natureza Divina a um homem verdadeiro no mesmo instante da concepção no ventre materno, resultando daí o único mediador entre Deus e os homens, o homem Jesus, como o afirma o apóstolo Paulo. Enfocar este aspecto de misericórdia infinita de Deus, mostra que o mesmo não fez pelo próprio Filho(salva-lo da morte,embora este o merecesse) o que não poderia fazer por todos os outros, que no pecado, mas inocentes de alguns atos também foram injustiçados. A resposta de Deus à cruz foi a Ressurreição, triunfo sobre a morte e o pecado. Mas para se chegar a Ressurreição Este Assumiu a Cruz. Eis um ato misterioso de Amor e não de satisfação a Deus irado pelos pecados de suas criaturas inferiores e limitadas.Uma frase bela e que resume todo o mistério da nossa Redenção ouvi no filme o Leão, A feiticeira e o Guardaroupa quando o Leão Diz: “Quando um inocente aceita morrer por um culpado, a pedra do sacrifício se quebra e a própria morte é vencida.” Fato este desconhecido pela feiticeira e também pelo próprio Demônio, pois foi este e não Deus que quis e induziu o povo a matar Jesus, crendo que o venceria com a morte forçando- o a usar seus poderes divinos para livrar-se dela. Jesus manteve-se fiel a Deus mesmo perante a morte que o inimigo lhe forjou. Cristo abraçou a cruz que para o demônio era sinal de derrota e onde este esperava vencer Cristo triunfou. Quem não amaria um Deus que amou tanto assim?

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

FIDELIDADE A CRISTO REI, NAS ELEIÇÕES 2010 BRASIL

Tolerância não significa envergonhar-se da fé e aceitar que os homens violem a Lei de Deus. Se os mártires cristãos fossem tolerantes com o culto ao imperador e respeitassem todas as tradições pagãs antigas não teriam sido mortos. E por respeito humano, deixar de usar um crucifixo no pescoço vai de encontro às palavras de Cristo. “Todo aquele que se envergonhar de MIM e de minhas palavras DIANTE dos homens também me envergonharei deles perante o meu Pai.” Está nos Evangelhos. Sou a favor de haver a luta contra pobreza e a miséria. Mas não sacrifico os meus valores cristãos e a minha fé católica por isto. Cristo acima de tudo e amor aos pobres não por serem pobres, mas por amor a Cristo. Eis a principal e maior diferença entre o amor cristão e o materialismo marxista que deseja o paraíso na simplesmente eliminado a pobreza e fazendo do Estado o único proprietário. E ir de encontro aos valores cristãos e os mandamentos de Lei de Deus no fundo são uma faceta do marxismo sim. Pois retira justamente o primeiro mandamento, negando a existência de Deus. “Amarás o Senhor teu Deus de todo coração, de toda tua alma e todo teu entendimento.” Quanto aos Santos eles foram santos justamente por colocarem Deus acima de tudo e por servir aos outros por amor a Deus e não por amor humano baseado em simpatias e afetividades passageiras. Nem semeando o ódio e a inveja entre ricos e pobres, mas pelo testemunho do desapego conseguiram que muitos ricos deixassem suas riquezas e servissem a Deus como pobre. Sou a favor de que todos tenham uma vida humana digna, que não haja fome, miséria desabrigados; mas não é com um Estado laico contra a fé, não é com o aborto e a união matrimonial entre pessoas do mesmo sexo, que iremos construir este nova sociedade. Quando aos gays aceita-los como humanos e como irmãos na fé não e aceitar que se casem, que se equiparem a uma família conjugal, que se beijem em publico na frente das crianças, que adotem filhos. Não é ajudá-los!A verdadeira ajuda é antes de tudo fazê-los entender a sua dignidade de filhos de Deus e que seus corpos e dos outros com que mantêm sexo são templos do Espírito Santo e que um templo é sagrado e é para Deus. E a Igreja tem sim o direito de denunciar o pecado assim como os profetas e Cristo o fez. Com misericórdia e esperança para os pecadores e com firmeza para os soberbos. Rezemos sim, para que não tenhamos que sofrer uma terrível perseguição por se católicos, para que médicos não sejam presos por se recusarem a fazer aborto se funcionários publicou juízes se não aceitarem casar homossexuais. Pois se isto vier a acontecer teremos uma era dos mártires e precisamos de força de Deus para não apostatar. Que ele nos socorra e nos mantenha fiel se isto vier a acontecer em nosso Brasil. Que desperte aqueles, que ingênuos pensam iguais e se associam com os inimigos de sua própria fé.

domingo, 12 de setembro de 2010

Santa Joana d´Arc nos Ensina

Santa Joana d´Arc nos ensina a viver a Fé com simplicidade e convicção. A
pureza de sua fé não se preocupa com problemas teológicos e nem com
conflitos políticos.Seu objetivo é resolver a situação da França.
Sua fé see resume nestas belas frases: "Tudo confio de Deus
MEU CRIADOR. Eu o AMO de todo meu coração." "Meu único juíz é o Rei do
céu e da terra." Perguntada sobre como eram as roupas do Arcanjo São
Miguel que afirmava ver e ouvir, ela responde. "Nada sei de suas roupas."
Ao os juízes que a interpelam: "Eles vos aparece nu?" E ela com ingénua
simplicidade: "Pensais que Deus não teria recursos para vesti-lo?" As
santas do céu a quem venera são mensageiras de Deus. "Elas amam o que
Deus ama e aborrecem o que Deus aborrece." Não se encontra nela o
costume de ver nos santos milagreiros dispostos a nos dar por meio de
promessas que fazemos aquilo que pedimos. Elas os chama suas irmãs e
irmãos do Paraíso e a única coisa que pede para ela mesma e que eles a
levam para onde os santos estão. O Paraíso. Sempre diz que é boa cristã e
morrerá como boa cristã. Desconhecendo a crise recente que havia
abalado a Igreja com três papas, quando questionada sobre o verdadeiro,
indaga: "Há mais que um?" "Da minha parte, creio que devemos obediência
ao papa de Roma." Não duvida que recebeu sua missão diretamente de
Deus, embora Ele se manifeste a Ela por Vozes de Santos e Anjos." Quando
peço a Deus orientações sobre o que devo fazer, Santa Catarina e
Santa Margarida POR ORDEM DE DEUS me dizem como devo Agir." A missa é para ela o encontro com Jesus. "...me impediram de receber O MEU SALVADOR" diz, depois de enganada e mantida na prisão inglesa, após terem
prometido que livre da mãos dos ingleses, iria para um prisão dos padres
e poderia ouvir missa e comungar. E sua fé consiste em aceitar sua
missão tal e qual com a naturalidade com crer que Nosso Senhor Jesus Cristo
sofreu paixão e morte para NOS RESGATAR DAS PENAS DO INFERNO." Quisera eu, viver na paz desta fé autentica, firme e sereno, sem olhar ao lado e
ficar aflito com a crise que há na Igreja e com o mau exemplo dos
pastores...suplico Senhor Jesus, amado Rei da Donzela que por puro amor
vos serviu, dai-me aprender a ser bom cristão e morrer como um
cristão, pois isto é o que basta.

sábado, 11 de setembro de 2010

Servir a Deus por Amor

Faça-me Senhor servi-lo exclusivamente por amor. Não criar expectativas de recompensas temporais. Desejar fervorosamente a Vida Eterna por um só motivo. Poder contemplar a tua face e sentir o teu amor por toda eternidade. Pois nisto se resume céu. Estar na tua presença e em tua companhia. Faz-me meu Rei, que nem tudo busque te amar e te servir e que minhas quedas e fraquezas me conduzam mais perto de ti em busca de socorro e ajuda. Que sempre eu grite. Socorre-me Senhor, eu estou afundando." E que tua mão forte me tire das águas agitadas do mar da vida e eu possa sempre ouvir como ouviu teu discípulo Pedro. "Homem de pouca fé, porque duvidastes?" Se estiveres perto de mim sempre serei erguido e estarei sempre com desejo de servir e amar. Serenai minha alma e que meu coração encontre em ti, meu Senhor e meu Deus o meu tesouro. E o que desejo. É o que eu te imploro.
Amém.

terça-feira, 7 de setembro de 2010

Festa da Natividade da SSma. Virgem Maria, mãe de Deus


Dia 08 de setembro a igreja celebra o nascimento da bem aventurada Virgem Maria, mãe de nosso Deus e Senhor Jesus Cristo. Além de Jesus, só a Virgem Maria e São João Batista tem o nascimento celebrado; os outros santos são comemorados no dia da morte, ou seja, o dia em que partiram para a vida eterna com Deus. O Nascimento da Virgem Maria é celebrado porque ela foi profetizada. Em Saiste 7, 14 e em Gênesis 3, 15 e em Miqueas 5,2. O Nascimento de Maria foi como a chegado da aurora anunciando a vinda do sol, que é Cristo. Ela concebida em graça e livre do pecado original em virtude de ser a mãe do Filho de Deus foi proclamada por Isabel e por todos não como a mais abençoada entre todas as mulheres. Santa Mãe de Nosso Deus e Senhor, teu nascimento alegrou os anjos e trouxe esperança ao mundo todo. Salve, Cheia de Graça. Roga por nós junto aquele que te criou como Filha e te fez sua mãe.

Amigos de Jesus

"Vós sois meus amigos se fizerdes o que eu vos mando" Eis o essencial na fé cristã. Se fizermos o que Jesus nos manda somos mais que servos do Rei do Céu e da Terra. Do homem,único, mais poderoso do mundo. Se o amarmos faremos o que ele nos mandou. E o que Jesus mandou que fizéssemos: Primeiro que acreditemos nele como o Filho do Deus vivo; depois que nos amassemos uns aos outros e também que evitássemos o pecado com coragem, ao ponto de preferimos perder o que nos é mais caro, do que consentir em pecar. "Se tua mão direita te leva ao pecado, arranca-a e a lança fora. É melhor para ti perderes uma mão do que todo o teu corpo ser lançado na geena." Fazer o que Jesus manda é aceitar também os meios que eles nos deixou para nossa santificação. Os sacramentos, o primeiro deles a Eucaristia. Sacramento do corpo e sangue do Senhor oferecidos pelos nossos pecados. É aceitar que Jesus quis uma igreja e que esta teve continuidade histórica e um desenvolvimento orgânico e harmonioso desde os apóstolos até nosso dias; que apesar de acolher nela pastores lobos em peles de ovelhas, de traidores como Judas, assistida pelo Espírito Santo, nunca ensinou nada contra a doutrina da fé e a moral cristã que jamais será vencida pelos poderes do inferno. Eis a base fundamental do amigo da Realeza de Cristo. É um católico por ser cristão convicto e não poderia ser cristão verdadeiro sem ser um verdadeiro e fiel católico.

domingo, 5 de setembro de 2010

DEUS E NÓS

Deus não precisa de nossas migalhas. De nossas obras carregadas de amor próprio. Nós é que precisamos está em comunhão consciente com Deus. Pois assim como a planta necessita de água e da luz do sol para nascer e crescer, nós precisamos de Deus para ter a vida Eterna. A oração, A Eucaristia, os mandamentos, foram deixados por Deus para o nosso beneficio. Somos nós os únicos beneficiados, pois Deus se basta a si mesmo. Ele está acima de tudo e continua sempre Deus. Nós é que nada somos se estivermos sem Ele. Por isso nada de nos vangloriarmos porque cumprimos com nossa parte; ter ido a uma missa rezado um terço, como se tivéssemos acrescentado alguma coisa a Deus. Na verdade fomos os beneficiadas, pois ao fazermos isso, somos os únicos transformados e conformados a Deus por Cristo, Senhor Nosso, que quis fazer-se nosso irmão e por amor, nos salvou da condenação definitiva.

sábado, 4 de setembro de 2010

OBRAS E OBEDIÊNCIA A CRISTO REI

Nosso Senhor Jesus Cristo nos redimiu por seu sacrifico de amor e somos justificados por sua graça e não por nossos merecimentos. Jesus nos libertou de sofrer as penas da condenação eterna por sua vida de absoluta obediência ao Pai e não por causa de obras anteriores que houvéssemos feito. Mas isto não significa que estamos dispensados da pratica de boas obras ou que estas sejam o fruto espontâneo e necessário de uma adesão pessoal ao que Cristo disse sobre ele mesmo ou de confessá-lo como Senhor. Isto não basta, porque o mesmo Cristo também disse: "esforçai-vos para entrar pela porta estreita."e também: "Por que me chamais de Senhor, Senhor e não fazeis o que vos mando?" Embora as comunidades oriundas da reforma preguem que só basta a fé ou confiança total no sacrifico de Cristo para salvar-se são elas que mais exigem uma vida integra renunciando a pratica de todo mal. Evitando costumes e vícios tais como carnaval, bebedeiras, enfim um comportamento humano. Já a Igreja Católica, hoje não prega com ênfase sobre isso, mas reforça a pratica das boas obras, como dar de comer aos famintos, lutar contra a exploração e miséria, acolher os pobres...um católico, ate mesmo de praticas regulares, que vai a missa sempre, freqüenta os mesmos bares, as mesmas boates, as micaretas de quem não é Católico. Diz que bebe socialmente junto com quem bebe para ficar bêbado.O Católico amigo da Realeza de Cristo não é um puritano, que se julga separado dos pecadores. Na verdade justamente por reconhecer-se fraco e tendendo ao pecado é que ele se afasta das ocasiões de pecado e de onde se fazem pecados. O Católico amigo do poder de Cristo não pensa como os evangélicos que se deve evitar o mal e que não se precisa fazer boas obras. Que estas fluem da fé. Afirmação que não se comprova na pratica. Já que muitos sem fé também fazem o bem. E muitos as fazem até com mais lealdade e fidelidade que os cristãos. O Católico, embora sabendo que não se salvou da condenação eterna, por obras que tenha feito antes, entende que as obras são condições sem a qual nunca terá parte na salvação trazida por Cristo. A Responsabilidade do cristão em praticar boas obras é maior do que a do pagão. Este se por falta de conhecimento não crer em Cristo com o Salvador, terá a salvação por Cristo sendo fiel a lei do Amor que Cristo pregou e viveu também será salvo por meio dele, pois só Jesus tornou meritória perante Deus as nossas boas ações. Pois Cristo nos ensinou a fazer boas obras e ele mesmo nos deu o exemplo. Pois o mesmo Cristo diz: "E dará a cada segundo as suas obras..." Além de termos a obrigação de praticarmos as obras de misericórdia em favor do próximo e de seguir os dez mandamentos, devemos também evitar o pecado sob qualquer forma em que este se manifeste. Em resumo: Somo servos do Senhor para obedecê-lo e por o reconhecermos como Senhor e o amarmos queremos fazer o que ele mandou e fazendo isto teremos parte no Reino que ele por sua morte conquistou para nós.

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

Praticas de um Amigo da Realeza de Cristo

-Recitação de uma hora do oficio divino além das orações pessoais;
Leitura diária da Regra de São Bento e Lectio Divina(Leitura diária da Palavra de Deus;
-Comemoração das festas litúrgicas que constam no calendário da Igreja Católica
principalmente as do Senhor e da Santíssima Virgem Maria;Incluindo, claro a festa, para nós, da memória de Santa Joana d´Arc e São Bento;
Estudo da doutrina Católica, com destaque para as virtudes os sacramentos mandamentos da lei de Deus;
-Disponibilidade para o serviço aos necessitados e aos que precisarem, em qualquer momento; Firmeza absoluta em seguir a lei de Cristo negando-se , quer pela objeção de consciência ou pela desobediência civil, a cumprir leis que vão de encontro ao Evangelho tal e qual o ensina o magistério da Igreja;
-Consagração pessoal a Cristo Rei renovada diariamente;
-Participação no sacrifício da missa celebrada conforme as normas litúrgicas.