terça-feira, 30 de novembro de 2010

CONHECENDO A REGRA DE SÃO BENTO


"Nada antepor ao amor de Cristo que nos conduz juntos para a vida eterna." RB 72,11-12
A amor de Cristo nos impele (2Cor 5,14) escreveu o Grande apóstolo dos gentios São Paulo. Só o amor que temos a Cristo e que pelo Espírito Santo foi nos dado em nosso batismo e na crisma nos faz preferir a Cristo antes que a qualquer lei ou autoridade. Na verdade se obedecermos as autoridades e servimos aos outros é no amor de Cristo que o fazemos. Porem quando uma lei promulgada ou doutrina é ensinada que se coloca contra Cristo e sua doutrina vale a máxima do Apóstolo São Pedro. "Devemos antes OBEDECER A DEUS que aos homens (At 5,29). São Bento colocou como fundamento de sua Regra monástica a obediência plena a Cristo e nos apresentou os meios. Oração contrita, serviço humilde e prontidão em obedecer aos que foram instituídos como chefes visíveis por vontade de Deus. Porem conhecedor da natureza humana e sabendo que muitas vezes quem é constituído autoridade pode se encher de soberba e mandar fazer coisas que não sejam da vontade de Deus, alertou para que o abade nada fizesse que fosse pecado ou contra a lei de Deus."Por isso o Abade nada deve ensinar ou mandar que esteja fora do preceito do Senhor" RB 2,4 Santa Joana d´Arc compartilhou dessa deste mandamento expresso na Regra "Nada antepor ao amor de Cristo" embora não tenha sido monja. Para ela importava servir a Deus primeiro e por amor a Deus aos homens na medida em que eles fossem fiéis a Deus e não buscasse para si mesmos a honra devida só a Deus. O Amigo da Realeza de Cristo tem este mesmo lema "Nada antepor ao amor de Cristo" Ele tem o Senhor como seu único soberano e ao ama-lo, ama os que ele ama e na perseverança neste amor a Cristo, aquele que o conduz com os irmãos na mesma fé para a Vida eterna, o obedece prontamente e com grande alegria.

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

CONHECENDO A VIDA DE SANTA JOANA D´ARC

"Preferia ter sido arrastada por quatro cavalos a ter vindo para a França sem a ordem de Deus." (Do Processo de condenação de Santa Joana d´Arc)
Só Deus poderia fazer da simples pastora e camponesa uma guerreira, voltada à luta em favor da França. Em Joana a fé em Deus e a disposição para obedece-lo vem primeiro do que o patriotismo. É por amor a Deus que se volta para o amor à Pátria. Se Deus a houvesse mandado lutar em favor dos ingleses, mesmo sendo francesa, ela o teria feito com todo o entusiasmo. Como ela mesma disse em outra ocasião, os santos amam o que Deus ama. E por amor a Deus fazem o que Deus manda. A partir da fé em Deus, da disposição em servi-lo em primeiro lugar é que nasce a amor à nação. Embora Santa Joana d´Arc seja conhecida mais como heróina nacional da França, foi por sua santidade (Santidade no sentido de está voltado para Deus, de entregar-se à sua vontade e não no sentido de perfeição moral absoluta) que ela se dispôs a ser guerreira. Viu o chamado de Deus em favor do seu povo a partir da fé. Deus não ama a injustiça, a iniqüidade. Ela sempre desde a infância desejava muito que o rei tivesse o Reino da França de volta. Só Deus poderia concede-lo de forma que nenhum outro rei poderia retomo-lo, porque o Rei do Céu é o Senhor das nações da Terra Ap 15,3) e Ele dispõe delas conforme a sua vontade. Pois como ela afirmou perante o príncipe herdeiro do trono da França,o reino não pertencia a Ele, mas ao seu Senhor,(Deus) mas Deus o queria fazer rei. Então é a vontade de Deus que prevalece sobre a amor à pátria. Joana torna sagrado o patriotismo. Na mesma medida em que luta contra os ingleses, reconhece que eles tem um Reino e devem voltar para sua própria terra; isto ela disse muitas vezes perante os juízes. "Quando aos ingleses a vontade de Deus é que eles voltam para o seu próprio país, A Inglaterra. (Do Processo de Condenação)Quando nos dispomos a servir primeiramente a Deus temos de Deus a graça para o fazer de forma correta. Mesmo na guerra, onde a vinculo da paz é quebrado e muitas vezes o ódio domina a ação, pode se manifestar o amor a justiça e a própria luta em prol da paz, que não se fundamenta a não ser na verdade e na extinção do mal. Este exemplo nos deu a Santa Donzela Joana por sua vida, toda voltada a cumprir a vontade de Deus, seu único e verdadeiro Rei.

domingo, 28 de novembro de 2010

VEM SENHOR JESUS! Ap 22,20


Iniciamos neste Domingo o tempo do Advento. Advento é uma palavra que indica vinda, chegada. Nós os católicos celebramos com muita alegria a vinda em carne do Senhor Jesus. Mas o Advento indica também a esperança da segunda vinda do Senhor. Vinda esta que também deve ser esperada com alegria com desejo intenso de ver o triunfo de Cristo sobre os seus inimigos e o inicio do reinado de Deus. Só os que querem continuar pecando e induzindo ao pecado temem o Advento ou volta do Cristo glorioso como juiz. Os que tem fome e sede de justiça, os que anseiam pelo triunfo do bem e a destruição do mal, esperam ansiosos a volta de Cristo e dizem como o apóstolo São Paulo "Maranathá! Vem Senhor Jesus." 1Cor 16,22

sábado, 27 de novembro de 2010

ROGAI POR NÓS AO PAI, CUJO O FILHO DESTES À LUZ!

A RELIGIÃO TERAPÊUTICA

Antes se professava a Religião Católica tendo em vista a vida eterna, a salvação da alma. Hoje se pratica a Religião tendo em vista uma vida melhor na terra, tornando o catolicismo parecido com as religiões não cristãs. Por isso proliferam tantas terapias com florais, essências, meditações e técnicas para relaxar, evitar o stress, produzir mais, enfim senti-se bem consigo mesmos. No entanto a unica religião que não esconde o sofrimento, mas que o inclui como um meio de ascensão e de entrada na paz é o cristianismo. Na verdade o Cristianismo não é uma técnica para se sentir melhor, não é uma terapia. É uma relação de amor e de absoluta confiança ao extremo da obediência com uma pessoa real, com o outro e esse outro é o Deus unico e verdadeiro que se fez nosso irmão e compartilhou nossa fraquezas. Jesus disse "No mundo havereis de ter perseguições. Mas tende confiança:eu venci o mundo." O cristo quis entrar em sua glória passando pela cruz e e pelo mesmo caminho quer nos conduzir a ele. Mas o cristão não é um individuo a quem o sofrimento agrade por si mesmo. Que sente prazer em sofrer, Não! Na verdade ele encontra forças na fé em Cristo e pelo Espírito Santo para estar em paz e ser instrumento do amor mesmo no meio do sofrimento. E a nossa fé não tem o seu fundamento na emoção, mas na vontade. Devemos conformar a nossa vontade à vontade de Deus e no amor enfrentar até mesmo o sofrimento que o mundo pode nos impor, porque através de nossa vida mostramos, tal e qual Jesus que obras do mundo são más. Que Nosso Senhor Jesus nos dê dom da fortaleza para perseveremos até o fim triunfarmos sobre toda adversidade e ter ao final da vida a glória terna para a qual fomos criados.

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

A VERDADEIRA RELIGIÃO

A apóstolo Tiago em sua carta dirigida à Igreja escreveu: "A religião pura e sem mancha diante de Deus é esta: visitar os órfãos e viúvas em suas necessidades e manter-se afastado do mundo. "Tg 1,26 Estaria São Tiago afirmando que a Religião verdadeira consiste unicamente em fazer boas obras e evitar o mal? Dessa forma a Religião não teria verdades obrigatórias. doutrinas corretas. ?Bastaria evitar o mal e fazer o bem. Claro que o apóstolo jamais escreveria isto. Ele estava escrevendo para cristãos que reconheciam em Jesus o Messias prometido, o filho de Deus e Redentor de todos.Tg 1,1 O que são Tiago quis reforçar foi que o verdadeiro cristãos devem aliar a sua fé às obras de misericórdia. De nada adianta acreditar em verdades ou no ensino se não se vive em conformidade com os mesmos. A fé em Cristo está vinculada à obediência da fé.Rm 16,26 Quem ama Cristo como o seu verdadeiro Senhor faz o que ele manda. E um dos mandamentos mais reforçando por Jesus foi o do amor recíproco. Primeiramente para como os irmãos na fé. Aliás, isto como quase um dever, pois quem diz amar a Deus e não o seu irmãos que tem a mesma fé que ele é um mentiroso. Neste amor entre irmãos na fé deve se estender nosso amor aos outros que ainda não compartilham da fé cristã. Primeiramente anunciando Cristo como Salvador e demonstrado ao mundo o amor sem interesses, o amor doação principalmente dentro da Igreja , em união de fé e ação. Foi isto que o apóstolo ensinou. A verdadeira forma de se religar a Deus é através do amor prático em relação aos que precisam. Mas este amor nasce da fé em Cristo e de aceita-lo como Senhor e Rei.

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

CATOLICO PELA GRAÇA DE DEUS

Ser verdadeiro católico e perseverar na fé é verdadeiramente graça de Deus. Perante tantos exemplos maus, muitos vindos até de autoridades da Igreja, fica-se confuso e desalentado. Ser católico não se resume a ir a missa aos domingos, usufruir dos sacramentos e mesmo assim fazer tudo os que são do mundo fazem. Não estamos mais em um mundo de cristandade, em que as nações e os governos eram cristãos e submetia-se ao poder espiritual presente no mundo pela Igreja Católico. O Mundo atual assemelha-se ao mundo pagão Romano nos princípios do cristianismo. Para o católico file resta viver com fidelidade sua fé tal e qual a viviam os primeiros cristãos. A forma de vida destes está resumidamente descrita na carta a Diagneto, um documento do século II em que um cristão apresenta a um certo Diagneto em que crêem e como viviam os cristãos. Um grande modelo a ser seguido pelos católicos de hoje que vivem num mundo pós-cristão. A seguir um pequeno trecho do referido documento."1Os cristãos, de fato, não se distinguem dos outros homens, nem por sua terra, nem por língua ou costumes. 2Com efeito, não moram em cidades próprias, nem falam língua estranha, nem têm algum modo especial de viver. 3Sua doutrina não foi inventada por eles, graças ao talento e especulação de homens curiosos, nem professam, como outros, algum ensinamento humano. 4Pelo contrário, vivendo em cidades gregas e bárbaras, conforme a sorte de cada um, e adaptando-se aos costumes do lugar quanto à roupa, ao alimento e ao resto, testemunham um modo de vida social admirável e, sem dúvida, paradoxal. 5Vivem na sua pátria, mas como forasteiros; participam de tudo como cristãos e suportam tudo como estrangeiros. Toda pátria estrangeira é pátria deles, e cada pátria é estrangeira. 6Casam-se como todos e geram filhos, mas não abandonam os recém-nascidos. 7Põem a mesa em comum, mas não o leito; 8estão na carne, mas não vivem segundo a carne; 9moram na terra, mas têm sua cidadania no céu; 10obedecem às leis estabelecidas, mas com sua vida ultrapassam as leis; 11amam a todos e são perseguidos por todos; 12são desconhecidos e, apesar disso, condenados; são mortos e, desse modo, lhes é dada a vida; 13são pobres, e enriquecem a muitos; carecem de tudo, e têm abundância de tudo; 14são desprezados e, no desprezo, tornam-se glorificados; são amaldiçoados e, depois, proclamados justos; 15são injuriados, e bendizem; são maltratados, e honram; 16fazem o bem, e são punidos como malfeitores; são condenados, e se alegram como se recebessem a vida. 17Pelos judeus são combatidos como estrangeiros, pelos gregos são perseguidos, e aqueles que os odeiam não saberiam dizer o motivo do ódio."

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

QUE TODOS SEJAM UM ( Jo 17,20)

Jesus em sua oração sacerdotal descrita no Evangelho de João roga primeiramente pelos apóstolos e depois pelos os que haveriam de crer nele, pedindo ao pai para que todos fosse um."Já não fico no mundo, eles porém ficam no mundo - porque vou ter contigo ´o Pai . Pai santo, guarda-os em teu nome, o qual me deste, para que sejam um assim como nós." Jo 17,10. " Mas não rogo somente por eles, senão também pelos que por sua palavra chegarem a CRER EM MIM, para que todos sejam um." Jo 17,20. Que unidade Jesus pede ao Pai? Como a Igreja de Deus entendeu durante a história esta unidade? Certamente não é a unidade com o erro,com a dissidência, a heresia, Jesus roga ao Pia primeiramente para seus apóstolos, encarregado-os de anunciar a palavra dele e de fazer todos se tornarem seus discípulos. A não escandalizar por divisões internas as pessoas a que se destinava o anuncio da palavra dele. Os apóstolos e os sucessores destes devem ser um pelo amor a Cristo e à verdade. O que um bispo diz em uma diocese não pode ser desmentindo por outro a não ser que o outro bispo esteja ensinando uma doutrina diferente do que sempre foi ensinado. Foi assim que Igreja agiu com os antigos hereges. Se esta unidade implicassem mero respeito humano e na acentuação de uma crença comum, encobrindo as divergências fundamentais, o cristianismo não teria superado paganismo e ainda hoje haveria dentro da mesma Igreja cristãos Arianos, que não reconheciam Cristo como Deus Filho eterno, e dizima que este era criatura do Pai e com muitos outros hereges. A Unidade que Jesus quer é entre aqueles que crêem nele pelo anuncio dos apóstolos e não com outros pregadores, pois o mesmo Jesus alertou que nos últimos dias haveriam falsos profetas que enganariam a muitos.(Lc 21,8) Devem ser uma coisa só os que crerem em Jesus, em virtude da fé nele e não motivados por amor humano, para evitar atrito e partidos, porque também o próprio Jesus afirmou que o seu nome seria casa de divisão dentro das próprias familias. A unidade de fé e de amor entre os que crêem no que anunciaram os apóstolos. Este é o objetivo da oração de Jesus. Unidade que deve haver na unica Igreja de Cristo. Igreja Católica espalhada por todo mundo, que professa a mesma fé, administra os mesmos sacramentos e possuem a sucessão apostólica. Não, união com dissidentes, para celebrações comuns, congressos e participação em ritos litúrgicos que não expressam a unidade da fé e forçam a silenciar outros pontos fundamentais da doutrina católica. Orar pela unidade é pedir que na Igreja Católica todos os bispos sucessores dos apóstolos estejam em acordo em questão de doutrina e moral. Pois os que deixaram a Igreja não eram doso nossos, como bem diz São João em sua carta, se fossem dos nossos teriam permanecido conosco.1Jo 1, 19. Sem criar intolerância, no devido respeito por sua condição humana e com a necessária distancia evitando discussões inúteis,mas sem misturas indevidas, como se o simples fato de ser cristão, tornasse todos os que se dizem seguidores de Cristo uma só coisa. Este deve ser o nosso proceder com os dissidentes cristãos que se separam da unidade da Igreja. Fazer oração em favor destes para que se convertam e creiam em Cristo anunciado por seus apóstolos desde o dia de Pentecostes e por seus sucessores até o dia hoje.

terça-feira, 23 de novembro de 2010

CRISTO NOS SALVOU PARA O SEU REINO

Bendito seja Deus que nos arrancou do poder das trevas e nos colocou no Reino do seu Filho bem amado, no qual temos a remissão e o perdão dos pecados. Assim se expressa o Apóstolo São Paulo referindo-se à nossa mudança de estado. Do estado de pecado e condenados à perdição, unicamente por graça Deus, nos salvou por meio de seu Filho Jesus, o Cristo, o único sem pecado. Tendo sido resgatados de tão terrível escravidão, na qual não havia a mínima possibilidade de por nossas próprias forças alcançar a santidade e nos salvar, Deus nos revelou sua misericórdia que foi alem de todas as expectativas humanas. Se pela graça fomos salvos pela obediência aos mandamentos mantemos a salvação, de modo que o juízo será conforme suas obras e não apenas unicamente conforme a fé. Podemos confiar e no entanto não obedecer embora na maioria das vezes a confiança induza a obediência. Quando a obediência se consegue pela força, esta não é verdadeira é antes uma violência ao nosso livre arbítrio e também a obediência com interesses materiais não é aquela que nasce da fé, dom de Deus para nós. O Amigo da Realeza de Cristo obedece por amor porque crer que um só, inocente e separado dos pecadores, aceitou dar sua vida por todos e obedeceu até a morte e morte de cruz. Que o Espírito Santo, Amor de Deus, recebido por nós, nos faça fiéis cristãos obedientes ao nosso Rei, Cristo Jesus.

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

NÃO VOS CONFORMEIS COM O MUNDO

O católico fiel à doutrina de Cristo expressa pelas sagradas escrituras e pelo ensino de sempre do Magistério da Igreja não se conforma com o mundo e não vive segundo ele. Pois como diz o Apóstolo São Tiago a amizade como o mundo é inimizade com Deus. (Tg 4,4). O mundo incentiva ao prazer sem amor e responsabilidade. Faz das pessoas instrumentos de prazer. Nestes a imoralidade ou perversão sexual é aceita e até elogiada. Só se torna um escândalo ou crime, no caso de estupro ou pedofília. Mas o adultério, a relação consentida de qualquer forma de sexo entre adultos é vista como normalidade. Isto gera a pornografia, a prostituição e as orgias sexuais. No entanto Deus não no chamou à imoralidade, pois o corpo é para o Senhor e o Senhor é para o corpo.Ts 4,7; 1Cor 6, 15-20 " Não sabeis que vossos corpos são membros de Cristo? E eu tomaria os membros de Cristo e os faria membros de uma prostituta? Nunca! ou ignorais que quem se entrega a uma prostitua se torna um só corpo com ela? Pois foi dito que serão dois em uma só carne. Mas quem se entrega ao Senhor fica um só espírito com ele.FUGI DA IMPUREZA! Todos outro pecado que o homem comete não lhe atinge o corpo; mas quem se entrega à impureza peca contra o próprio corpo. Não sabíeis que os vossos corpos são TEMPLOS DO ESPÍRITO SANTO, que habita em vós e que de Deus recebestes, de modo que não pertenceis a vós mesmos? Fostes comprados por alto preço. Glorificai a Deus no vosso corpo." Para o católico fiel não há precisão do uso do preservativo. Pois este tem obrigação de guardar a castidade conforme o estado. Deve pedir a Deus forças para perseverar na castidade como solteiro ou casado. E se chegar a cair pedir perdão, confessar-se receber a absolvição e orar com mais insistência para que Deus o sustente. Para os que são do mundo não é necessário indicar situações em que o uso dos preservativos se justifica.Até memso porque já há organismos suficientes para dizer a estes profissionais do sexo, aos que possuem uma vida sexual ativa, que o uso do preservativo é fundamental para não contrair doenças. A televisão, os programas de saúde já os indicam. Os que não glorificam a Deus no seu corpo entregando-se à prostituição devem ser convidados com amor a descobrir a dignidade que é própria dos filhos de Deus e chamados à conversão. Mas o católico fiel não é do mundo nem vive segundo o mundo. submete-se unicamente a Cristo o seu Rei que enviou o Espírito Santo e resgatou nosso corpo da corrupção para faze-lo um corpo gloriosos pela ressurreição. Corpo semelhante ao dele. Por isso é desnecessário e até escandaloso indicar situações em que um individuo deva usar preservativos. Os católicos fiéis a Deus já sabem de antemão pela doutrina da Igreja que devem guardar a castidade e não cometer adultério ou relações pré-matrimonias. Os do mundo já tem o que precisam. Inclusive os próprios os preservativos dados de graça pelo governo aos montes. compele ao católico fiel rezar por ele para que se converta e viva.

sábado, 20 de novembro de 2010

CRISTO REI DO UNIVERSO: DE TODAS AS COISAS VISIVEIS E INVISIVEIS ( Col. 1,16)


"em Cristo foram criadas todas as coisas, no céu e NA TERRA, as visíveis e as invisíveis." Carta do apóstolo Paulo aos Colossenses 1, 16. A solenidade de Jesus Cristo comemorada pelo atual calendário litúrgico no ultimo domingo do Tempo comum pode trazer dois significados e um deles ser mais enfocado do que outro. Para os que vêem Cristo como um mestre de vida, um grande sábio ou mesmo o Senhor e reforçam sua vida humilde e o desprezo que ele teve pelo poder do mundo e pela rejeição a um reino terreno, Rei do universo significa apenas, o Senhor da criação, e o soberano escatológico após o fim dos tempos. Certo é que Jesus é o senhor do universo mas precisamos entender universo como o conjunto de todas as coisas criadas. Inclusive das que forram criadas pelo homem. As nações, as leis, a ética. Como afirma o próprio Apóstolo Paulo em colossenses " Nele foram majestades, domínios, soberanias ou ou autoridades, tudo foi criado por meio dele e para ele." Col. 1, 15-16 Todo poder vem de Deus e até mesmo os que não agem segundo a vontade de Deus tem esta possibilidade concedida por Deus. E prestarão contas de sua ação sobre os outros. Cristo começou a reinar desde a ressurreição a está desde então submetendo seus inimigos como um apoio para os seus pés. O Senhor Jesus depois de ressuscitado elevou-se ao céu e sentou-se à direita de Deus. (Mc 16,19) Cristo recebeu do Pai eterno todo poder no céu e na Terra, embora não vejamos este poder de forma clara e parece que o mundo se governa a si mesmo sem Cristo todas as autoridades a ele estão subemetidas pois tudo concorre segundo os desígnios de Deus para o bem daqueles que o amam e São Paulo também escreve: "Até o presente momento não vemos que tudo esteja submetido a Cristo, mas o ultimo inimigo a ser submetido será a morte então Cristo entregará o Reino que ele conquistou como um troféu de vitória a Deus Pai e Deus será tudo em todos.! Cor 15,25ss Antes o objetivo desta festa era lembrar aos estados nascidos da evangelização cristã e aos seus governos que devem submissão a Cristo cumprindo suas leis. Este aspecto está relegado a um plano menos importante e por muitos é rejeitado. Um Cristo poderoso no céu e num universo cósmico formando por anjos e espíritos que o obedecem não incomoda. Um Cristo vitorioso e juiz e legislador que ao qual as nações e os governantes devem ser submetidos é entendido como triunfalismo religioso e intolerância. porém é preciso não separara do Cristo Rei do universo após o final dos tempos do Cristo Rei das nações aqui e agora. E seremos julgados dignos do reino Eterno por nossa obediência a Cristo nesta vida e na terra pois é fundamental obedecer antes a Deus que aos homens. Nosso Senhor Jesus Cristo rei do Universo. Da terra (as coisas visíveis) e do Céu ( o mundo invisível e criado) desta forma fica unidas nesta solenidade tanto a realeza social de Jesus Cristo bem como o seu reinado eterno em que os amigos leais de sua realeza reinarão por toda a eternidade.

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

CRISTIANISMO: BASTA AMAR PARA SALVAR-SE?

É comum muitas pessoas pregarem o amor e a compreensão, até mesmo para com o erro, a mentira e leis iníquas fundamentando tudo no mandamento de Cristo. "Amai-vos uns aos outros!" Afirmam que o amor resume o próprio cristianismo. No entanto São Paulo apostolo diz que amor é o cumprimento da Lei e não o fundamento do cristianismo. Embora o mesmo Apsotolo dos gentios diga tambem que se tivermos todos os dons e carismas mas não tivermos o amor isto de nada adiante. São Paulo nesta carta está se dirigindo a cristãos baitzados. A servos de Cristo e não a pagãos. É preciso que os que reconhecem Cristo como Filho de Deus feito homem e Redentor de todos e que morreu pelos pecados de todos, o obedeça fazendo o que ele mandou.Foi isto que Jesus quis dizer quando afrimou: "Nisto conhecerão que sois meus discipoulos: Se tiverdes amor uns aos outros" O amor é fundamental entre cristãos. Entre os que creem em Cristo.Não basta simplismente fazer o bem e evitar o mal. É necessario para o cristão, primeiramente crer que Jesus morreu e ressuscitou para sua salvação e depois obedece-lo cumprindo todos os mandamentos que tem a sua origem no amor. Sem esse aspecto o cristiansimo vira humanismo e solidariedade. Cristo quando afirmou que iria trazer diviões sobre a terra com certeza não estava se referindo à sua doutrina mas ao que ele declarou sobre si mesmo. A divisão se dá entre os que aceitam Jesus como Filho de Deus, Deus feito homem e os que não o aceitam; embora aceitem sua mensagem como os espíritas e os pacifistas.Vivemos hoje na era da paz e do amor. Não se discute religião e ainda querem nos impor que não a manifestemos. Se por causa da nosaa fé somos contra o assasinato de humanos em gestação nos acusam de estar misturando religião com politica ou nos entrometendo nas leis do Estado. Como se a vida humana tivesse o seu valor determinada por uma lei feita por homens. Se reafirmamos que o casamento é uma união indissolúvel entre um homem e uma mulher nos acusam de intorlerantes e atrasados. Querem silenciar a fé. Que fique reduzida as igrejas e as casas. Em publico, não de pode anunciar preceitos morais e cristãos. Aceita-se a religião do amor e da tolerância como se fosse sinônimo do cristianismo. Mas sabemos que o fundamento do amor é o própio Cristo, a sua pessoa. É por Cristo que devemos viver o verdadeiro amor que não silencia a verdade. Foi por amor a Cristo que os mártires deram a vida e não por amor aos seres humanos. Foi por amor a Cristo que perdoaram, cuidaram dos pobres, dos doentes e converteram os pecadores. Sem Cristo nada podemos fazer que aproveite para para a vida eterna. É o amor a Cristo e o amor de Cristo que nos dá a forçapara o serviço e a firmeza na defesa da fé. Cristo disse quem amar até a sua vida mais do que a mim não é digno de mim.

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

SANTOS APOSTOLOS PEDRO E PAULO


Hoje a liturgia da Igreja Católica celebra a dedicação da Igreja dos Santos Apóstolos Pedro e Paulo, os baluartes da fé Católica. Pedro, a Rocha devido à sua fé na divindade do Filho de Deus, quando iluminando pelo Pai Eterno exclamou: "Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo." E Jesus o declarou Bem-aventurado e disse. "Tu és Pedra e sobre esta pedra eu edificarei a minha Igreja. Depois da ressurreição Cristo o confirmou como pastor de todos os crentes em Cristo. Disse Jesus a Pedro: "Apascento minhas ovelha. Apascenta os meus cordeiros." Paulo o apóstolo constituído pelo próprio Cristo que o chamou como um vaso de eleição para dar testemunho da fé em Cristo perante os pagãos. Ele mesmo, o principal defensor de que a Lei judaica não era necessária aos que se convertiam vindos de outras nações e que não eram judeus. Desta forma abriu o cristianismo para o mundo e de todos os povos fez discípulos de Cristo pela fé no Cristo crucificado e ressuscitado para nossa Salvação. Que estes dois grades apóstolos de Nosso Senhor Jesus Cristo ilumine e fortaleça o nosso Papa Bento XVI, para que ele conduza com determinação e coragem a Igreja Católica rumo ao amor incondicional a Cristo Rei e defenda perante todos a fé católica. Rogai por Nós Santos Apóstolos Pedro E Paulo.

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

NOSSO APOSTOLADO: SUSCITAR AMIGOS PARA CRISTO REI

O Movimento dos Amigos da Realeza de Cristo exerce um apostolado de testemunho, serviço e formação na vida cristã e católica. Seu objetivo maior é suscitar amigos fiéis de Cristo Rei, de todos os povos e todas as pessoas. Amigos semelhantes, dentro de nossas imperfeições ao Grande São Bento Abade e a Admirável Virgem Santa Joana d´Arc, nossa querida irmão em Cristo; filhos de Maria Santíssima, Virgem Imaculada, tão fervorosos que possa se dizer deles: "Eis aí o discípulo que Jesus ama." e ouvir do próprio Cristo: "Eis aí a tua mãe." E Esse apostolado se exerce na pratica pela obediência a Cristo na vida particular, em qualquer ambiente, seja no trabalho e na vida social. Na vida da fé pelo estudo e aperfeiçoamento na doutrina católica e pela adoração ao Santíssimo Sacramento, em todas as Arcas da Nova Aliança: o Sacrário. E pela oração litúrgica, fazendo a liturgia das horas ao menos duas vezes por dia. Manhã e tarde;pela prece interior tal como a define são Bento: Concisa, sincera e contrita. Regra 20,4 Em resumo fazendo o bem e evitando o mal, amando os irmãos na fé e odiando os vícios. Confiando acima de tudo em Cristo Rei dos Reis e Senhor do Senhores.

terça-feira, 16 de novembro de 2010

CRISTO JESUS É O SENHOR


"Vós sois os meus amigos se fizerdes o que vos mando." Esta frase resume toda a espiritualidade do Apostolado da Realeza de Cristo. O que visa este apostolado se não fazer verdadeiros amigos de Cristo, pela obediência completa, ao mesmo Jesus? E por que devemos fazer o que Jesus manda? Muitos são os que embora não sendo cristãos manifestam também a vontade de fazer o que Jesus manda. Pois entendem que o Cristianismo se resume unicamente na cordialidade, na serviço voluntário em favor dos mais necessitados, na paz e no dialogo com todos. São poucos os que não apóiam por completo a doutrina moral ou os ensinamentos de Jesus no que se refere ao perdão, ao amor em relação as pessoas. Estes fazem o que Jesus manda porque valorizam a sua lei ou seus ensinamentos. Concordam que Jesus só tenha mandado fazer o bem e ao mesmo tempo afirmam que em toda religião fazer o bem é ser também verdadeiro Cristão. Certo é que Jesus não se contenta em que o chamemos de Senhor, Senhor e não façamos o que ele nos manda. No entanto se o obedecemos é antes de tudo porque reconhecemos a sua autoridade e que tem direito à obediência. Fazemos o que Jesus manda porque ele é o Senhor, o nosso rei. E não simplesmente pelo fato dele nos trazer uma doutrina da amor, paz; É preciso aceitar o direito que tem Jesus de nos exigir obediência plena. É só pelo fato dele ser mestre e um grande ser de perfeição moral sem par entre os homens? Mas houve antes de Cristo mestres que também ensinaram a fazer o bem e a evitar o mal. Mesmo fora do judaísmo sábios como Confúncio, Sidarta Gautama (o Buda) ensinaram a prática do que é correto. Estes valem por sua doutrina, seus ensinamentos. Jesus nos deu mandamentos necessários à salvação, nos trouxe o mandamento do amor extensivo aos próprios inimigos, no entanto Jesus ensinava como quem tem autoridade e alem de nos ensinar o Amor e o perdão, o serviço ao próximo, também nos falou dele mesmo. Afirmou ser o unico Filho de Deus, o rei de todos, entronizado por Deus para reinar sobre toda as nações e nos disse que sua morte seria a causa da nossa salvação e sua ressurreição o triunfo sobre a morte e por ele teríamos a ressurreição dos nosso Eu completo, corpo e alma sempre unidos na glória. É pelo fato de Jesus ser o próprio Deus eterno feito verdadeiro homem que ele tem autoridade absoluta e todo o seu ensino é a verdade. E é por isso primeiramente que devemos obedecêlo: Por que ele é o verdadeiro Deus feito homem e colocado à direita de Deus Pai como Rei para todo o sempre.

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

A SOLENIDADE DE CRISTO REI

Com a Encíclica Quas Primas Pio XI decretou a solenidade de Cristo-Rei em 11 de dezembro 1925 a ser celebrado no ultimo domingo do mês de Outubro. O Calendário litúrgico do Concílio Vaticano II a colocou no ultimo domingo do tempo comum denominando-a Cristo Rei do Universo.. A motivação inicial da instituição desta solenidade foi para lembrar aos governantes da terra que acima deles está Cristo e que seus governos não podem defender ou instituir nenhuma lei que vá contra a moral e a ética cristã. Hoje muitos nem gostam de chamar Jesus Cristo de Rei, por isto insinua um certo poder político e uma forma de exerce-lo considerada ultrapassada. Chegam mesmo a dizer que Cristo quando esteve na terra não quis ser entronizado como rei de Israel. Porem esquecem que o mesmo Jesus chamou a si mesmo de Rei quando narrou o julgamento que fará no dia do juízo final. " Então dirá O REI aos que estiverem à sua direita." Mt 25, 34.40 deixando bem claro que estava se referindo a ele próprio pois diz: "todas as vezes que deixastes de fazer uma dessas coisa aos mais pequeninos foi a mim que deixastes de fazê-lo" Mt 25,45 Certo que Jesus não quis um Reino territorial e finito. Por que ele estava destinado por Deus a ser o Rei de todas as nações conforme diz o livro do Apocalipse 12, 5a. "A mulher deu à luz um filho homem que irá reger todas as nações com um cetro de ferro." E na carta aos Hebreus 1,9 "Vosso cetro de justiça é o cetro de tua realeza." Jesus também é chamado de Senhor dos senhores em Ap 17,14 como para lembrar que mesmo numa época em que não há mais praticamente reis governando, os senhores que governam as nações tem como soberano Senhor, a Jesus mesmo que disso não se dêem conta. Porem, em nossos dias pregam um reinado metafórico de Jesus. Cristo é o rei de nossas almas e vidas particulares dizem. Quer reinar apenas em nossos corações pois o governo das coisas da terra pertencem aos homens.E esquecem que o mesmo Jesus disse:"Todo o poder me foi dado no céu e na TERRA." Mt 28,18 Ao mesmo tempo eles se preocupam tanto com problemas materiais. Campanhas para defender a natureza quase a endeusando-a são promovidas e nenhuma para anunciar e defender o reinado social de Nosso Senhor Jesus Cristo. O Apostolado da realeza de Cristo anuncia com entusiasmo,em alto e para todos que Cristo reina, Cristo vence e Cristo impera! Venha a nós o teu Reino, Nosso Senhor Jesus!

domingo, 14 de novembro de 2010

SANTIFICAÇÃO DO DOMINGO

Vivemos na época em que é impossível o descanso absoluto no dia domingo. Ou seja, há setores na sociedade, que precisam funcionar 24 horas. Entre eles temos os hospitais, serviços de comunicação, segurança dentre outros. Como cumprir o preceito da santificação do domingo em nosso tempo? Sabemos que o domingo foi o dia da Ressurreição do Senhor Jesus e que progressivamente substituiu o dia do descanso para os Judeus, o sétimo dia, que é o sábado. Para nós o domingo é o dia do verdadeiro descanso e voltado pra a adoração a Deus. Primeiramente nossas obrigação no domingo é prestar adoração a Deus assistindo o Santo Sacrifício da Missa celebrada conforme o missal romano, sem abuso ou distorções. Porem, também no domingo devemos dar mais atenção a oração pessoal e em grupo. Evitar toda forma de trabalho remunerado tais quais, fiscalização de provas, venda no comércio e o nosso lazer deve ser digno de nossa fé. O domingo tornou-se no mundo descristianizado o dia das bebedeiras, das praias e das festas. Jesus mesmo nos alertou para que nosso coração não ficasse endurecido pelo excesso na bebida e na comida. O lazer antes de tudo deve ser o encontro alegre e festivo com os familiares e amigos sem excessos na bebida e comida. Além disso evitar a freqüência aos shopping, verdadeiros templos da capitalismo liberal que incentiva o consumimo e obriga muitos irmãos católicos a não poderiam cumprir pelo menos o preceito de participação no santo sacrifício da missa. Cabe também alertar para as comunidades religiosos e os santuários que não vendessem artigos religiosos no domingo, pois isto é favorecer o comércio em um dia santo de guarda e deixar que um irmão trabalhe no própria dia do Senhor com a finalidade angariar dinheiro. O Domingo é o dia do Senhor. E o amigo da Realeza de Cristo nesse dia volta toda a sua atenção para o seu Rei e o serve de todo o coração pela oração e com o lazer puro e sadio; pelo serviço voluntário junto aos irmãos na mesma fé. Eis a forma de guardarmos o domingo.

sábado, 13 de novembro de 2010

DOUTRINA SOCIAL DA IGREJA - A VERDADEIRA CARIDADE

"Mas a caridade jamais será verdadeira caridade, se não tiver sempre em conta a justiça. O Apóstolo ensina que "Quem ama o próximo cumpre a lei"; e dá razão: " por quanto não cometerás adultério,, não matarás, não furtarás...qualquer outro preceito se resume nesta fórmula: Amarás o teu próximo como a ti mesmo" (Rm 13, 8-9)Se pois, segundo o Apóstolo, todos os deveres se reduzem ao único preceito da verdadeira caridade, ainda aqueles que são de estrita justiça, com o não matar, não roubar, uma caridade que prive o operário do salário a que tem direito, não é caridade mas um nome vão é uma vã aparência de caridade. Nem o operário precisa receber de esmola o que lhe pertence por justiça. Nem pode ninguém pretender eximir-se dos grandes deveres impostos pela justiça com pequeninas dádivas de misericórdia." Encíclica Divini Redemptoris do PAPA PIO XI nº 49.

DIÁLOGO OU TOLERÂNCIA FRATERNA?

A palavra diálogo é usada e abusada em nossa época. A usam os políticos, os padres e até em muitos documentos da Igreja esta palavra está presente. Se por diálogo entendermos uma conversa em que um apreende do outro e acrescenta algo ao pensamento que outra pessoa possui, chegando ambos a um acordo ou consenso, este tipo de diálogo não pode haver entre o católico e pessoas que professam outras doutrinas, principalmente não cristãs. Não há nada ,absolutamente nada, que outra doutrina religiosa possa acrescenta a nossa fé católica. Pois que outra religião prega e ensina que o próprio Deus em pessoa fez carne, assumiu nossa natureza humana, para nos livrar do pecado no qual todos estavam mergulhados todos os seres humanos, sem a menor possibilidade salvar-se por suas próprias forças? Que outra religião nos ensina que o Filho único de Deus, Nosso Senhor Jesus Cristo, morreu para nos redimir das penas eternas do inferno? Se apenas por ele temos a Redenção, que poderá acrescentar à nossa fé as religiões que não são cristãs? Nada. Já possuímos uma doutrina completa e suficiente. Já cremos em um só Deus que é trindade eterna: Pai, Filho e Espírito Santo. Não precisamos dialogar sobre doutrinas. Embora possamos pesquisar, conhecer, para melhor entender a nossa própria fé e saber defende-la quando nos for pedido o motivo de nossa fé.Isto não significa que defendamos a perseguição a outras religiões. O que moralmente de bom e ético possa se encontrar nas mesmas já esta presente em plenitude na Igreja católica. Não se deve fazer mistura de credo,participando de cerimônias religiosas não cristãs e indo aos templos não cristãos. Nosso testemunho consistirá numa vida santa, disponível as necessidades do outro, nosso irmão pela natureza humana, enquanto criatura de Deus. porém ainda não seja Filho de Deus, mediante o batismo pela fé em Cristo. O Próprio São Paulo convida a tolerância fraterna quando afirma em sua carta aos Romanos: "Vivei em paz com todos, enquanto depende de vós." e também nos orienta em relação as pessoas do mundo."Vos escrevi que não tivésseis relação com os impuros. Com isto me referi não aos impuros de um modo geral(...) se não tereis que sair do mundo." 1Cor 5, 9-10 Mas proíbe definitivamente associação religiosa com pagãos idólatras.2Cor 6, 14-15 O diálogo para acrescentar doutrinas, para aprendizagem e enriquecimento mútuo entre a fé cristã e as outras crenças não é conveniente para o catolicismo. Só gera confusão,por dar a entender que a fé cristã é igual a outras doutrinas não cristãos, já que dialogo neste caso é um colóquio entre iguais. E o fruto que disto resulta é a completa indiferença pelo anuncio da fé em Cristo, já que se pretende que todas as religiões são boas e podem conduzir à salvação, enquanto o próprio Cristo afirmou categoricamente. "Eu sou o caminho , a verdade e a vida. Ninguém vai ao Pai a não ser por meio de mim." e também, "Quem me rejeita rejeita aquele que me enviou." A tolerância fraterna implica em não se fazer uso da força ou do poder para obrigar à conversão pessoas que sigam doutrinas diferentes da nossa. Significa que se deve conquistar para Cristo por meio de uma vida santa, pela firmeza nas convicções cristãs e pela pratica da caridade, quando o outro precisar de nossa ajuda e acima de tudo pela oração a Deus, para que ilumine todas a pessoas a fim de descobrirem a grande e inabalável riqueza do amor de Deus manifestado por nós em Cristo Jesus, nosso Redentor e único Rei.

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

CREIO NA SANTA IGREJA CATÓLICA

A Igreja querida e fundada por Nosso Senhor Jesus Cristo é Santa. Santa não pelo fato de ser formada por homens perfeitos incapazes de pecar. É santa porque Jesus, a pedra angular da Igreja é o santo. "Convinha que tivéssemos um pontífice, santo imaculado, separado dos pecadores,mais excelso que os céus." Hb 9,26. Santa por que a sua doutrina é livre de erros, pois a Igreja é mestra e coluna da verdade.1Tm 3,15. Santa pelos meios que possuem de santificar,ou seja, os sacramentos e santa porque Jesus a amou e se entregou por ela para torna-la pura, imaculada, digna dele. "...Cristo amou a Igreja e por ela se entregou a fim de santificá-la (...) assim quis preparar uma Igreja gloriosa, sem mancha, nem ruga ou coisa semelhante, mas santa e imaculada." Ef 5,26-27. A santidade da Igreja é diferente dos membros da Igreja. Um membro pecador da Igreja não faz a Igreja pecadora, pois este, embora esta no corpo visível da Igreja é um membro morto e que não produz frutos. Está unido à árvores como na parábola da vinha contado por Jesus, mas se não produzir bons frutos pela graça de Deus, será cortado e lançado fora. A igreja embora formada por membros santos e pecadores é apenas e absolutamente santa, pois seus membros pecadores não alteram a sua doutrina de verdade, a pureza dos seus sacramentos e se estes causam escândalo a muitos, não retiram a graça daqueles que crêem e perseveram na obediência a Cristo. A Igreja tal como o campo do Senhor, continua sendo campo de Deus, mesmo que nele o inimigo tenha semeado o joio. Creio na Igreja Santa e santificadora. E peço a Deus pai perseverar nesta fé e mantê-la até a morte para a glória de Deus.

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

SÓ A BÍBLIA BASTA?

Sabemos que as Sagradas Escrituras completa são a Palavra de Deus inspirada pelo Espírito Santo. Que nenhum homem escreveu pela própria vontade os livros sagrados ,mas foram movidos a isto pelo Espírito Santo. Mas também constatamos que muitos usaram as Sagradas escrituraras para espalhar doutrinas novas e contrárias entre si. A Igreja hoje, dia 10 de Novembro, celebra a memória de São Leão Magno, papa. Este papa concilio a fé nas duas naturezas de Jesus Cristo, negada por Eutiques, que não reconhecia em Cristo a natureza completa de um homem. Ário, anteriormente negara, a divindade do Verbo, afirmando-o que este era a primeira criatura de Deus. Estes homens usavam a Bíblia para espalhar suas doutrinas. Por isso percebemos que é necessária uma autoridade guiada pelo Espírito Santo para proclamar o verdadeiro ensino da Bíblia. Pois quando em João lemos que Jesus disse: 'O Pai é maior que eu..." e em outra parte "Eu e o Pai somos um..." foi a Igreja em um Concilio que nos deu a verdadeira interpretação destas palavras. Jesus em sua condição humana é servo e verdadeiro homem. Mas a sua consciência ou pessoa é a da segunda pessoa da Santíssima Trindade ou a Sabedoria Eterna o Verbo. Por isso Jesus tem consciência enquanto homem que é uma só coisa com o Pai e ao mesmo tempo que é um servo de Deus por se reconhecer homem verdadeiro. Ele tanto afirma pela sua divindade que é eterno com Deus " Antes que Abraão existisse EU SOU..." como também a sua relação com o Pai enquanto homem. "Minha vontade é fazer a vontade daquele que me enviou. Esta doutrina das duas naturezas presentes na Bíblia não estão claras. Foi preciso que a Igreja pelo sua autoridade de ensinar as definisse. Jesus deu o Espírito Santo aos apóstolos e aos seus sucessores. Temos garantia de que a Igreja nada pode ensinar que esteja em desacordo com as sagradas escrituras ou que de alguma forma não esteja implícita nestas. Foi isto que fizeram no Concilio de Calcedónia e São Leão Magno confirmou as duas naturezas humanas e divina de Jesus. Então só a Bíblia não basta pois ela por sim mesma causa muitos cismas e heresias cada um a interpretando segundo a sua vontade. Eis aí a causa para tantas ditas igrejas evangélicas.

terça-feira, 9 de novembro de 2010

O PAPA E PEDRO O APOSTOLO

Foi a Pedro, o santo e em certas ocasiões o presunçoso e o covarde. (Sim, pois confiando em si mesmo disse que jamais deixaria Cristo e que seria capaz de morrer por ele. Ao que Jesus disse: “Antes que o galo cante terás me negado três vezes.” Mas foi a este homem, com defeitos, que Jesus confiou à sua Igreja, porque ele foi designado por Deus Pai ao dizer a respeito de Cristo:”Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo!”)Foi a este Pedro que Jesus chamou de bem-aventurado, (embora em outra ocasião, quando ele estava pensando segundo o mundo, o tenha chamado de satanás porque Pedro disse que ele nunca deveria deixar que o matasse que Cristo) confiou as ovelhas e os carneiros. É preciso entender que Cristo confiou a Igreja a homens de carne e osso. E a Igreja não ficou estagnada na História, Ela se desenvolveu, conquistou nações, reis, imperadores e naturalmente o poder temporal iria crescendo junto com os sucessores de Pedro, os bispos de Roma.Mas o poder de permitir ou proibir, de pastorear a Igreja este foi exercido pelo Pedro, pescador humilde com firmeza é também por todos os papas. Veja que ele Instituiu o sucessor de Judas, puniu Ananias e Safira, permitiu que se batizasse gentios. Ele foi o que fez o primeiro discurso no dia de Pentecostes e apoiou Paulo na questão dos judeus que queriam impor a lei de Moisés aos pagãos. Pedro, o primeiro dos apóstolos, anunciava antes de tudo Cristo Jesus morto e ressuscitado. E não o amor aos pobres porque eram pobres e só pelo fato de serem pobres estariam salvos. Isto é a doutrina de quem quer ver a pessoa de Cristo e a redenção deixadas de lado. Invertem as coisas colocando como principal a caridade cristã. Esta sim, é que nasce da fé na Redenção de Cristo que nos fez irmãos. A autoridade do Papa se mostra de forma visível na Igreja de Hoje e do passado. Assumiu a forma,a de uma monarquia teocrática na Idade Média, mas nunca nenhum papa disse que governava por seu próprio poder. Sempre se referiu primeiro a primazia de Pedro entre os apóstolos e em seguida A Jesus que concedera esta primazia a Pedro e aos sucessores dele. Quer com tiara, quer sem tiara, o papa é o papa, pastor visível de toda a Igreja católica, sucessor de Pedro, o principie ou primeiro dos apóstolos.Confirmador da fé dos cristãos e arauto de Cristo rei do céu e da terra e mesmo, que os homens não queiram, Cristo haverá de reinas apesar dos seus inimigos. Isto basta!

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

O ÓDIO DO MUNDO

Jesus, Nosso Rei e Senhor disse: "O mundo me odeia porque eu mostro que suas obras são más." E em outra ocasião: "Se odiaram a mim irão odiar vocês também." A recente visita do Papa à Espanha nos mostra a plena realização destas palavras. O mundo odeia a doutrina católica. E por que todo esse ódio? Não encontramos criticas as outras correntes religiosas. Nada nos meios de comunicação contra o espiritismo, contra as crenças afro-brasileiras, como a macumba e candomblé. Nem mesmo as comunidades protestantes são tão visadas. Só um ou outro pastor é criticado como fundamentalista ou fanático, mas as ditas igrejas evangélicas não o são. Na verdade o catolicismo incomoda. E incomoda por causa de seus mais de mil anos de história. Incomoda porque organizou, dirigiu, e formou toda uma civilização. Foi a unica vertente do cristianismo que tomou sobre si estar acima do Estado. E que se apresentou como juíz supremo em questões morais. Defendeu a familia e o matrimônio, rejeitando o divórcio. Defendeu a subordinação do poder temporal ao poder espiritual e a sujeição a Cristo Rei. A Igreja Católica ainda é temida. Mas infelizmente está cambaleando. Muitos dos seus dirigentes não são firmes em mostrar o mal que há no mundo. Preferem o dialogo à proclamação da verdade. A denúncia de injustiça sociais ao anuncio da fé e dos mandamentos da lei de Deus. O Papa está sozinho entre seus próprios irmãos bispos. Seu discurso não é divulgado nas dioceses e nas paróquias. Tudo se mostra como o pensamento deste papa e não como doutrina da Igreja Católica. Doutrina sempre ensinada. Antes a Igreja tinha que defender a familia contra o adultério e o divórcio. Chegamos ao ponto em que a Igreja desperta revolta e rejeição, por defender o matrimônio entre um macho e uma fêmea. Se luta contra a pena de morte e pela preservação de ovos da tartaruga marinha. Mas se escandalizam quando o papa reforça o que a Igreja sempre ensinou: não pode se pode matar um inocente e indefeso. O feto pertence a espécie humana. É um ser humano em formação e indefeso. à mulher não foi concedido o direito sobre a vida e a morte de ninguém.Até porque a serpente a enganou e ela não se tornou um Deus, determinando o que é o bom e o que é o mal por si mesma. Antes trouxe a morte pelo seu egoísmo e levou o homem junto consigo. A mulher de hoje quer novamente comer a maçã do conhecimento tendo poder sobre outro corpo para decidir se ele deve viver ou morrer. E isto ainda é chamado de direitos humanos. O Catolicismo da religiosidade popular não incomoda. Fazer promessas, romarias, ir as missas por ir, rezar terços e outras devoções não mexem com a organização da sociedade civil. Não cobram um comportamento ético. O Catolicismo brasileiro é o das devoções. Mas não é o católico da fé assumida, conhecida e compreendida. Nada deixa de fazer por ser católico. Bebe até cair e vai a qualquer festa onde bebida, sexo e depravação ocorrem a vontade. E quando o papa fala em vida correta, quando denuncia os pecados que se tornam normas no mundo, criticam o papa e diz que ele é antigo, ultrapassado e não entende que o mundo de hoje quer apenas paz e amor (além, é claro de sexo, carnaval e depravação...)e com a maior simplicidade e devoção se veste de branco e vai a missa de Nossa Senhora de Fátima todo diz 13 de cada mês. Esquece que Nossa Senhora em Fátima jamais pediu isto. Mas pediu que não ofendessem mais a Nosso Senhor que já estava muito ofendido. O pedido foi deixado de lado. É mais fácil mudar de roupa do que mudar o comportamento. Viver conforme o Evangelho e seguir Jesus. O papa incomoda e ao mesmo tempo teme. O Vaticano se desculpa dizendo que Bento XVI não quis criar polêmica com seu discurso contra o aborto, o casamento gay...poderia dizer apenas isto. O Papa reafirmou e afirmará sempre que Jesus veio para nos trazer a Vida eterna. E a que a vida está em obedecer mandamentos de Cristo. Estamos voltando aos tempos da Roma pagã de Nero. Em que todos os deuses e religiões eram permitidas pelo imperador. Só um grupo estranho e suspeito evitava fazer o que todos faziam. Oferecer incenso aos deuses romanos e considerar o imperador um Deus. Milhares derramaram seu sangue por causa disto. E este pequeno grupo triunfou e formou a civilização ocidental. Mas agora voltou a ser perseguido e odiado. Não tanto os seus seguidores mas o seu pastor visível; odiando porque mostra o mal que há no mundo. Porem, Jesus também disse: "Tende coragem. Eu venci o mundo." Coragem Papa Bento XVI. Não tema os lobos. Denuncie, anuncie e insista, persista e não desista. Cristo venceu. Ele o protegerá e também a todos os católicos fiés. Viva Cristo-Rei!

domingo, 7 de novembro de 2010

TODOS OS SANTOS DA IGREJA TRIUNFANTE

No dia 1º de novembro temos no calendário litúrgico a solenidade de todos os santos. A Igreja nos convida neste dia a louvar a Deus pelos milhões de homens e mulheres que pela fé em Cristo alcançaram a salvação e estão no Céu junto a Cristo. No Brasil a missa em memória de todos os santos é transferida para o domingo seguinte ao dia 1º de novembro.No Novo Testamento a palavra santos indica todos os batizados. Todos os que creram em Cristo e passaram a seguir o cristianismo. É assim que Paulo se refere aos cristãos em sua carta aos Filipenses 4, 22:"Saúdam-vos todos os santos,especialmente os da casa de César." Os cristãos eram chamados santos, porque foram separados do mundo para servirem a Deus. A palavra santo significa "separado" reservado para o serviço do Altíssimo. Por isso alem de um povo santo, pode haver objetos santos, os que são dedicados para o culto a Deus. O Templo de Jerusalém e a Arca da Aliança são exemplo de objetos santos. O aspecto mais conhecido da santidade na cultura popular é da perfeição moral. Santo é aquele que não peca. O que age corretamente em tudo que faz. E mais ainda o que sofre muito e aceita tudo com paciência. Na devoção popular poucos procuram conhecer a vida de um santo canonizado, ou seja, colocado para culto público na Igreja. A Devoção popular consiste em fazer pedidos e promessas aos santos perante suas imagens. O povo cristão em sua maioria não ver a santidade como uma coisa possível para si mesmo. Mas também na carta aos Hebreus 12,14 está escrito: "Empenhai-vos por viver em paz com todos e alcançar a santidade;porque sem a santidade ninguém poderá ver a Deus." Quem salvou-se, quem vai para o céu é santo. Como também é santo na terra aquele que é fiel a Jesus Cristo obedecendo a seus ensinamentos.Jesus mesmo disse"Sede perfeitos como vosso Pai que está nos céus é prefeito." Mt 5,48. Em união com que nos apresentados no livro do Apocalipse no qual se diz:“Eis que vi uma grande multidão, que ninguém podia contar, de todas as nações, tribos, povos e línguas. Estavam de pé diante do trono e do Cordeiro, trajadas com vestes brancas e com palmas na mão. Em alta voz clamavam: ‘Louvor, glória, sabedoria, ação de graças, honra, poder e força pertencem ao nosso Deus pelos séculos dos séculos Amém’ ”(Apoc. 7, 9-11).Roguemos os Senhor: Coceidei0nos ó Pai pelos méritos de Cristo a intercessão da Virgem Maria, mãe de Deus e nossa, São Pedro e São Paulo, Santa Joana d´Arc e São Bento e de todos os vossos santos e santas, vos louvar e amar na glória do Céu por toda a eternidade.

sábado, 6 de novembro de 2010

O DIA DO ANIVERSÁRIO E O DIA DO BATISMO


No dia do aniversário recebemos o dom da vida mortal. Nascemos para esta vida, porem mortos pelo pecado. Mas Deus em sua infinita misericórdia não nos deixou na condenação do pecado. Por Cristo Nosso Senhor nos deu a vida verdadeira mediante a fé e o batismo. Rendo graças ao Senhor Deus por me haver criado cristão, católico e acima de tudo por me ter concedido a graça de nascer numa familia católica e ser batizado. No dia do meu batismo ocorreu o meu nascimento para a vida eterna. Este deveria ser o dia mais importante para todos nós católicos. Em que deveríamos renovar as nossas promessas do batismo e com determinação reafirmar que rejeitamos satanás e sua pomba mundana e só termos como meta servir ao Senhor Deus de todo nosso coração, de nossa alma e todo nosso entendimento. Eu vos dou graça Senhor Deus Pai, porque em Cristo mediante o batismo, me fizestes vosso Filho e me destes a verdadeira vida.

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Consagrados pelo nosso batismo

A nossa principal e única consagração na qual todas as outras se fundamentam foi o nosso batismo. A Consagração religiosa nada mais é do que um desdobramento da consagração batismal. São Paulo chama o dia da nossa conversão a Cristo como o dia em que fomos chamados. E aconselha a ficar n estado em que se estava na ocasião da conversão. Se casado, permanecer casado. Se solteiro, permanecer solteiro. Porem, não impõe o celibato. Apenas o aconselha como um sinal de dedicação exclusiva Cristo. Como ele mesmo diz para cuidar das coisas do Senhor.1Cor 7,25-31 Devemos assumir as promessas do nosso batismo diariamente. Renovar a nossa fé na qual somos conduzidas pelos nossos pais ainda crianças e reafirmada por nós no dia de nossa crisma. E renunciar a Satanás. criatura maléfica, por meio de quem se estabeleceu o mal moral no mundo, ao distanciar-se do Sumo Bem, Deus, por grande soberba. As promessas ou conselhos evangélicos de Castidade, pobreza e obediência são vividas pelos amigos da Realeza de Cristo como fruto de sua consagração batismal. Casto tanto solteiro como casado, obediente ao magistério da Igreja e principalmente ao Santo Padre, cumpridor de sues deveres profissionais e pobreza deve ser expressado na renuncia ao luxo e ao supérfluo e no atendimento as necessidades dos mais necessitados. De modo que sem ser religioso ou pertencente a um Instituo de vida Consagrada o Amigo da Realeza de Cristo vive o seu batismo segundo sua vida no mundo e para o mundo, na medida do possível, como se houvesse feito a promessa de viver conforme os conselhos evangélicos, sendo no próprio mundo luz para conduzir a Cristo rei todos os irmãos batizados na mesma fé

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

A Doutrina Social da Igreja

A Igreja coluna e mestra da verdade não é indiferente aos problemas sociais e econômicos. Se no passado muitos de seus membros viam os pobres como apenas pessoas carentes e objeto da piedade e bondade dos ricos, agora alem de insistir nas obras de misericorida reconhece que os pobres possuem direitos e que não podem ser deixados em uma situação de exploração e pobreza indigna da condição humana. O Papa Leão XIII perante a exploração dos operários no periodo da Revolução industrial escreveu a enciclica Rerum Novarum em que apresentava a doutrina social da Igreja, rejeitando tanto o comunismo ateu e o materialista, como o liberalismo econômico na maioria das vezes presentes de forma evidente no capitalsimo industrial e financeiro. Neste o homem se torna um meio de produção da riqueza para poucos através da exploração de sua força de Trabalho. E os ricos se voltam para o consumismo e o luxo acreditando que a vida vale pelos bens que possuem e o seu coração se fecha as necessidades do próximo tal e qual o rico da parábola do Pobre Lazáro. A Igreja nas enclicas Rerum Novarum e Quadragesimo Anno do Papa Pio XII mostra qual deve ser o proceder do cristão católico e que detem os meios de produção em relação aos pobres, Principalmente se estes, forem irmãos na mesma fé.O Católico amigo da Realeza de Cristo deve estudar e anunciar a Doutrina social da Igreja. O Compêndio da Doutrina Social da Igreja publicado após o Vaticano II é necessário para conhecimento da Doutrina Social da Igreja. A leitura do compêndio é portanto recomendada aos católicas. Também a Encilcica do Papa Pio XII contra o Comunismo ateu é indispensável, principalmente em nossos dias, em que a divulgação do comunismo assumiu a forma cultural procurando inflitrar-se destruindo a moral e a ética cristã, estabelecendo leis contrárias à lei de Deus.

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Só as obras de misericórdia importam para a salvação?

Não se pode mutilar o Evangelho. Jesus não reduziu a salvação unicamente as obras de misericórdia. Se assim o fosse não teria dito no Evangelho de Marcos “Quem crer e for BATIZADO será salvo; quem NÃO CRER será condenado.”Marcos 16, 15-16 E não teria dito em Mateus 28,19 que ensinassem o que ele ensinou em todas as nações fazendo discípulos dele e BATIZANDO-OS em NOME DO PAI E DO FILHO E DO ESPÍRITO SANTO. Se bastasse fazer obras de caridade para salvar-se para que batizar? O mesmo Jesus também disse: “Se não comerdes a carne do FILHO DO HOMEM não tereis VIDA EM VÓS.”Jo 6,53 E ressaltou que o que entra no homem o torna impuro e citou a lista de pecados que faz do homem impuro. Mc 7,21″É de dentro do coração do homem que saem os maus pensamentos,PROSTITUIÇÃO,FURTOS,HOMICÍDIOS(aborto é um deles)ADULTÉRIOS(O divórcio encheu o Brasil de adúlteros legalizados),COBIÇAS, FRAUDES,LUXÚRIA, INVEJA, calunia,ORGULHO E INSENSATEZ.Todos esses MALES vem do interior do homem e o CONTAMINAM.” Além disso afirmou que é melhor perder um membro do corpo do que usar este membro para o pecado.Mateus 5,30. Isolar a juízo final de todo o restante da pregação de Jesus é mutilar o Evangelho. Jesus exige que aquele que nele crer faça obras de misericórdia e afirma que muitos devido a ignorância invencível, ou seja, que sem culpa nunca ouviram falar de Cristo, terão sua salvação pela pratica destas obras, mas devida unicamente ao próprio Cristo que nos salvou do pecado mediante sua paixão e morte na cruz.O cristianismo não é um mero humanismo. É a fé no filho de Deus que se fez homem para nos redimir dos pecados. É nosso dever ensinar a amar e obedecer a Jesus, o único salvador e por amor a Cristo, presente nos mais humildes, fazer obras misericórdia.

terça-feira, 2 de novembro de 2010

CONHECENDO A VIDA DE SANTA JOANA D´ARC


Na primeira semana de cada mês será apresentada uma frase proferida por Santa Joana d´Arc, retirada do processo de condenação. Conheceremos a Santa Virgem conforme suas próprias palavras. Iniciamos hoje com a resposta que ela deu aos juízes que a julgavam como suspeita de feitiçaria e heresia, em relação a identificação de Suas vozes.

"Quando tinha a idade de treze anos, recebi uma Voz de Deus;para ajudar-me a me conduzir." 2° Audiência publica.22 de fevereiro de 1431.

Todos nós, conforme a vontade de Deus, o nosso estado e nossa missão, somos orientados por esta voz de Deus, que assume expressões diversas e graus diferentes conforme a missão que nos está destinada. É voz de Deus, porque é o próprio Espírito Santo, que está em nós e nos ensina tudo, como disse Jesus no Evangelho. Santa joana d´Arc, suscitada por Deus em favor da França, teve uma revelação direta desta Voz, que depois ela vai indicar como sendo do Arcanjo Miguel e das santas mártires Catarina e Margarida. Isto ela o faz muito mais pro pressão dos seus juízes do que por vontade própria. O que importa é que Voz vem de Deus e por sua ordem. E que pelo ensinamento que elas trouxeram e pela paz que deixaram, conforme a mesma Santa Virgem diz em outra ocasião, são mandadas por Deus e não por maus espíritos, como queria faze-la aceitar os seus juízes. Joana a partir deste momento começa a sua missão de fazer apenas a vontade de Deus manifestada na Voz.Inicialmente a Voz apenas ordena que ela freqüenta sempre a Igreja e que seja uma boa cristã. No próximo tópico conheceremos a missão que as vozes indicarão a santa Donzela.

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

INSONDÁVEIS SÃO OS DESÍGNEOS DE DEUS

O Apóstolo São Paulo escreveu em sua carta aos Romanos 11, 33 "Ó profundidade das riquezas e da sabedoria de Deus! Quão incompreensíveis são os seus desígnios. Quão imperscrutáveis os seus caminhos!" Isto me leva a refletir sobre o resultados das eleições no Brasil para presidente. Venceu um partido que em seu programa defende e pretende implantar leis iníquas. Mas se foi vencedor, Deus o permitiu. E como disse também São Paulo "Todas as coisas concorrem paro bem daqueles que amam a Deus..."Romanos 8,28 É melhor lutar com um inimigo já conhecido do que surpreender-se com um inimigo disfarçado. A Candidata vencedora foi forçada a mudar o discurso devido a reação de parte da Igreja e de movimentos em defesa da vida por sua postura favorável ao aborto. Seus comparsas vieram em seu socorro tentando afirmar o que ela nunca teve a intenção de dizer ou fazer. Alardearem que ela era cristã; Ela mesma foi a missa no santuário de Maria, a Rainha do Brasil, para não perder votos.E fez declarações contrárias a sua postura anterior no caso do aborto. Talvez Deus permitiu sua vitória para que os verdadeiros católicos ficassem alertas. Não baixemos a guarda! É preciso combater em nome de Deus, para que ele nos dê a vitória, como disse Santa Joana d´Arc aos guerreiros franceses.Se o outro houvesse ganhando quem sabe houvesse da parte dos católicos uma sensação de alívio e acomodação. A sua ação contrária as expectativas, implantando ou permitido a mesma agenda do governo da situação, deixaria muitos perplexos e outros escandalizados e quem sabe até lideres da Igreja, fervorosos defensores de um partido tido como defensor do pobres se voltasse contra aqueles que o elegeram. Agora a situação é outra. A que foi eleita sentiu que tinha que recuar em seu discurso. Será mais cautelosa. Compete aos católicos fiéis ficar vigilantes. O futuro a Deus pertence, mas nossa fé e nosso amor à sua lei nos pertence por nosso livre arbítrio que ele nos deu. Estejamos atentos e na oração, com a determinação de nos voltarmos para denunciar e desmascarar as pretensões de um partido anti-católico caso nossas suspeitas e temor se confirmarem. De uma coisa tenho certeza. O outro lado também deverá ter mais cautela, pois sentiu que ainda não era a hora para assumir o seu programa de morte e destruição das familias, de incentivo a permissividade sexual. Deus é a sabedoria Eterna. A Cristo estão submetidas todas as autoridades e tudo se faz segundo a sua vontade. Estejamos certos como disse São Paulo: "Nada nos separará do Amor de Cristo." Nada!

JESUS CRISTO REI?




Monitor Campista, 11 de março de 1984.

Para perpetuar a memória, e assegurar os frutos salutares do Ano Santo de 1925, o Santo Padre então reinante, Pio XI, instituiu a Festa de Jesus Cristo Rei. Justificou sua decisão na memorável encílica Quas Primas de 11 de dezembro daquele ano.

Depois de recordar “(…) que a aluvião de males sobre o universo provém de a maior parte dos homens terem removido, assim da vida particular como da vida pública, a Jesus Cristo e sua lei sacrossanta (…)”, e que baldado será esperar paz duradoura entre os povos, enquanto os indivíduos e as nações recusarem reconhecer e proclamar a Soberania de Nosso Salvador, Pio XI expõe os argumentos da Escritura e da Teologia que exigem a realeza do Divino Redentor.

A implantação desta suave e fecundíssima soberania é frontalmente contrastada pelo laicismo — a praga de nossos tempos, na palavra do Papa — que afirma a autonomia dos indivíduos e dos Estados, nas relações com Deus. Não pode — assim declara o laicismo — o Poder Público impor à sociedade o culto verdadeiro e o ensino da doutrina católica nas escolas oficiais.

No entanto, Jesus Cristo, como Filho de Deus, é, por direito inato, o Soberano dos homens e das nações, uma vez que estas têm também a Deus por autor.

A Festa de Jesus Cristo Rei deveria alimentar nos fiéis a adesão inabalável a esta verdade, e levá-los a se empenharem por que, nas famílias e na sociedade, a realeza social de Jesus Cristo viesse a ser uma realidade.

Foi o que, pessoalmente, visou Pio XI, quando, quatro anos depois, em 1929, firmou o chamado Pacto de Latrão que pôs termo ao dissídio entre a Santa Sé e o Reino da Itália. Nesse ato público oficial, a Itália se proclama Estado Católico, e o ensino da Doutrina Católica se torna obrigatório nas escolas oficiais, a não ser que o responsável pelo aluno, no ato da matrícula, requeira dispensa.

Encerrou assim o Ano Santo de 1925, com uma afirmação pública e oficial da Realeza Social de Jesus Cristo.

Estamos em vésperas de clausurar outro Ano Santo, este extraordinário, comemorativo do 1950° aniversário da Redenção, na qual Jesus Cristo selou com seu Sangue Divino, sua soberania sobre os homens e os povos.

Paralelamente, reúne-se também os plenipotenciários da Itália e do Vaticano para uma revisão do tratado firmado em 1929.

– Resultado?

A revisão anulou a soberania social de Jesus Cristo, solenemente estabelecida em 1929. A Itália já não é oficialmente um Estado Católico: o ensino em si deve ser leigo. Será católico se os responsáveis o pedirem (L’Os. Rom., ed. semanal em port. 26/02/1984).

Tudo de acordo com o Segundo Concílio do Vaticano!

– Terá a Igreja reformado sua doutrina? – Não.

Cabe a pergunta: pode-se ainda falar em Jesus Cristo Rei?

(O pensamento de Dom Antonio de Castro Mayer, p. 51, ed. Permanência, 2010)